E nos tornamos um país dirigido por alienados

A documentação aponta para os vícios do Brasil colonial e imperial

Milton Ivan Heller

O Senado Federal publicou recentemente a terceira edição de Textos Políticos da História do Brasil. Uma obra monumental em dez volumes, assinada pelos historiadores Paulo Bonavides e Roberto Amaral, com base em farta documentação e criteriosa seleção de leis, documentos e proclamações oficiais e rebeldes. Começam com a citação de uma pérola de José Bonifácio, o moço: "Neste país a pirâmide do poder se assenta sobre o vértice e não sobre a base".

Arte: Alex Soares

Sem papas na língua os autores sustentam que o Brasil é uma civilização cartorária desde as origens lusitanas: nascemos com o batismo de uma carta pelas mãos e bênçãos de um escrivão. Crescemos como o país dos bacharéis, sem a mínima aptidão para as coisas da terra, como o trabalho, ofício do braço servil a que não poderia sujeitar-se o senhor filho da terra. E eram todos brancos os que teorizavam sobre a sua indolência, impregnados de preconceitos e furor reacionário.

Mesmo após a Abolição as elites negavam ao proletariado a condição de cidadania. É por isso que em Raízes do Brazil, Sérgio Buarque de Holanda, referindo-se aos colonizados assinala a "repulsa que sempre lhes inspirou toda moral fundada no culto ao trabalho". Foi esse Brasil colonial que chegou ao Império e fez a independência, para dar lugar aos condes, aos viscondes e barões, aos marechais e almirantes, aos cônegos, a uma sociedade que emergia do latifúndio, da monocultura e do escravismo.

Tudo que se produzia era para exportação: cana de açúcar, algodão, pau-Brasil, pedras preciosas, minérios das Gerais etc. Uma economia voltada para a terra. Os navios, calçados, tecidos e até água mineral vinham da Europa.

Bonavides e Amaral lembram que hoje é praticamente unânime a opinião dos pesquisadores sobre o verdadeiro etnocídio em que se constituiu a exploração da mão-de-obra escrava no Brasil. No período áureo do tráfico, resultava mais barato ao plantador de café fluminense e paulista substituir o escravo morto ou precocemente envelhecido pela fome e pelos maus tratos, do que alimentá-lo condignamente. Apesar dos fluxos de entrada de escravos no país, a população negra não crescia e os óbitos eram superiores aos nascimentos. Isso se deve às condições desumanas de exploração do elemento servil e ao fato de, em cada dez escravos brasileiros, sete serem homens.

A estratificação social era absoluta: de uma lado os comerciantes da praia, os donos das casas de exportação com seus hábitos principescos de consumo, regados a vinho francês, linho inglês, seda da China, manteiga e queijo da Holanda e prostitutas francesas e polonesas. Do outro, os pequenos comerciantes, os turcos, os mascates, os artesãos, os fâmulos (subservientes e interesseiros), os serviçais, os mestiços, os agregados à casa grande e aos sobradões urbanos.

Educação: Só em 1927 o Império instituiu o ensino primário público por decreto, que nem ao menos abria o necessário crédito para construção de escolas e contratação de professores. E o Brasil tornou-se um país de analfabetos e semiletrados, população desnutrida e marginalizada sob o domínio de uma elite culta, mas alienada.

Descontada a Imprensa Régia, criada em 1808 pelo príncipe D. João, para imprimir os papéis da Corte e divulgar os documentos oficiais do governo, só em julho daquele ano surgiria o Correio Braziliense, impresso em Londres e distribuído clandestinamente na capital do Império.

Sem a participação do povo-cidadão fez-se a Abolição, a independência, a República, até chegar-se às quarteladas do século XX. Ainda sem calor cívico fizeram-se as insurreições "populares", o levante do Forte de Copacabana, os dois Cinco de Julho, a Coluna Prestes, a revolução de 30. E o Estado tornou-se autoritário e paradigma dos interesses das classes dominantes: dos pecuaristas mineiros, dos estancioneiros do Sul, dos representantes da burguesia industrial e financeira e dos generais.

No prefácio da terceira edição de Textos Políticos da Historia do Brasil, Paulo Bonavides e Roberto Amaral acentuam: revela a pesquisa documental a exclusão do povo brasileiro, figurante de uma ópera cujos atores principais são sempre extraídos das elites dirigentes. Nós, o povo, somos ninguém. Somos personagens a que se nega papel. Para os autores, entretanto, nem tudo está perdido e a "pesquisa há de ser útil aos jovens que não abdicam o sonho de construir nesta terra uma civilização: a civilização da liberdade, da igualdade, da justiça social, sempre perto da fraternidade e do homem solidário e sempre longe do egoísmo e da elite".

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza