Figura exponencial da República

A- A A+
Arte: Alex Soares

Por mais que se tomem providências e que se manifeste revolta e assombro (com relação à roubalheira escancarada em administrações estaduais e na federal), os desvios e ladroíce não têm como ser evitados. Os crimes de prevaricação e de peculato no Brasil colonizado vêm desde que aqui aportaram as naus portuguesas. Sedimentaram-se desde as origens. É só visitar a história e constatar.

Vamos relembrar fato recente que nada tem a ver com a degenerescência atual (ou tem?), deixando transparente e lúcido o sentimento de apropriação da máquina do Estado que desliza mansamente pela representação mental de deteriorada elite dirigente.

Quem vai à aprazível e miserável cidade de São Luiz, capital do Maranhão, não deve deixar de incluir uma visita ao Convento das Mercês. Trata-se de um imóvel "com mais de cinco mil metros de área construída e outros sete mil de área livre". Construído no século XVII (entre 1651 e 1655), localiza-se no Centro Histórico de São Luiz e é considerado um dos pontos turísticos da capital.

O prédio serviu de morada ao padre Antônio Vieira (que o inaugurou em 1654) e foi tombado em 1974 pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). O Maranhão o adquiriu em 1905 pela quantia de quatro contos de réis.

Pois bem: no dia seis de abril de 1990, o então governador João Alberto (PMDB), editou uma lei "que autorizava a incorporação do Convento aos bens da Fundação da Memória Republicana". E por quem foi instituída a tal Fundação? Pelo então presidente da República (1985-90), José Sarney (PMDB), "um mês antes de deixar a Presidência da República e cerca de dois meses antes de receber de presente o Convento das Mercês".

A história está toda contada na página do iBest (), em matéria assinada por Leonardo Fuhrmann. Ali é relatado o espírito de compadrio entre os caciques da vida política e administrativa nacional, onde tudo é largamente financiado pelo dinheiro público. Sarney, somente para recordar, esteve à frente de uma das administrações mais corruptas de nossa história republicana, sendo superada apenas pela de Cardoso (1995-2003).

João Alberto, hoje senador, referindo-se certa feita à sua gestão, em discurso no Senado, classificou-a como 90% honesta, deixando implícito que pelo menos dez por cento dela devem ter funcionado na base do trambique.

Hoje, quem vai ao Convento das Mercês encontra até mesmo um veículo que serviu a Sarney, enquanto esteve no Palácio do Planalto, desviado indevidamente para o acervo de sua Fundação. Ele pretende ser ali sepultado e lembrado como espécie de faraó nacional. Financiado de forma generosa pelos cofres públicos, pois a nação inteira se encontra submissa e refém desses predadores.

Em 1990, no mês de outubro, "o Conselho Curador da Fundação da Memória Republicana aprovou a mudança de nome para Fundação José Sarney". E a partir de 2004, quando José Tavares assumiu o governo no lugar de Roseana Sarney (que foi disputar o Senado), passou a receber 80 mil reais dos cofres públicos (através de convênio), para a manutenção do Convento.

Quando foi presidente do país, o bigodudo maranhense só não sofreu processo de impeachment porque teve pedido arquivado às pressas, na Câmara dos Deputados, num instante em que o deputado federal Inocêncio Oliveira (PMDB), então no PFL, ocupou a Presidência daquela Casa. Este cidadão, que o hoje Luiz Inácio jurava ser "o pior ladrão do país", chegou à Presidência do Senado com o empenho do PT.

E, no comando daquela Casa, como recompensa à ajuda petista, fez tudo para impedir a constituição da CPI dos Bingos que iria investigar as relações de Waldomiro Diniz com o então ministro-chefe da Casa Civil, Zé Dirceu (PT-SP), até que o STF — Supremo Tribunal Federal —, determinou sua instalação.

É um eterno encadeamento de negócios ilícitos, numa podridão sem fim.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza