Editorial - Crimes por atacado

A- A A+

Sem o menor pudor, R$270 milhões, apenas o valor confessado, foram gastos no blefe do referendo sobre armas.

Na ofensiva do “desarmamento”, a pergunta “O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido?” era omitida, e quando aparecia tinha seu sentido imediatamente desviado.

Não houve qualquer pretensão de revogar o Estatuto do Desarmamento — Lei 10.826, de dezembro de 2003, aprovado e sancionado pelo próprio Luiz Inácio, com penas severas para porte e venda ilegal de armas, votado a aprovado sem consulta ao povo — que privilegia as classes dominantes e toda a burocracia que os acompanha.

Portanto, o brasileiro estava, e continua, proibido de portar arma, inclusive em casa, para defender a si e à sua família.

Quanto aos fabricantes e grandes comerciantes de armas, esses obviamente não corriam risco algum. Pelo sim e pelo não, o seu mercado atacadista jamais seria prejudicado.

II

O referendo é uma escolha, tem caráter plebiscitário, para aprovação ou rejeição entre o povo sobre uma medida específica, constitucional ou legislativa de considerável peso político.

A princípio, este seria um referendo inócuo (há mais onze desses na fila), porque coisas como a extinção do latifúndio e a distribuição de terras aos que não as possuem mas nelas trabalham; ou a expropriação do patrimônio do imperialismo e das classes nativas a ele associadas; o não pagamento da dívida externa; a suspensão da remessa de lucros etc., etc., jamais foram ou serão cogitadas pelas gerências anti-povo que se sucederam — desde o 1º de abril de 1964 até hoje.

Aliás, para isso é que foi dado o golpe contra-revolucionário, semifeudal e imperialista. Ou não foi?

Mas o referendo — na temporada do sufrágio dicotômico (do tipo sim ou não), aquilo que os cínicos vêm chamando de “demonstração de democracia direta” —, na verdade teve como objetivo fortalecer ainda mais a propaganda fascista.

Mobilizaram artistas, vigaristas políticos metidos a teóricos, gente simples e jovens sinceros. E qual era a grande mensagem senão que a de conferir, através do SIM, o direito do Estado matar o que ele chama de bandidos? O NÃO servia para ampliar o monopólio da matança entre o Estado e os bandos fascistas “civis”.

Afinal, senhores, quem mantém o país em ruínas? Quem produz a miséria e, ainda, induz parte da gente miserável ao crime?

Quem faz desabar sobre o povo, dia e noite, a propaganda da guerra de agressão, do extermínio, do ódio e do fanatismo religioso?

Como podem pensar que enganam o povo?

III

Contra o direito do povo se defender (paga-se aproximadamente R$1.300, apenas para registro e porte de arma, afora toneladas de aborrecimentos) foram alegados o risco do infanticídio, do uxoricídio, do parricídio, do fraticídio, do suicídio (e um desfilar de cifras e projeções para casos registrados, previstos, imaginados), menos o do genocídio e das chacinas constatadas.

Armas (inclusive de guerra) são fornecidas até mesmo à polícia investigatória (civil), bastando para isso criar um grupo especial qualquer e insistir na alegação de que “os bandidos têm armamento superior, em quantidade e sofisticação, ao da polícia.”

Hoje, há uma força privada (“agentes de segurança”) cujo efetivo em todo o país é de aproximadamente 1,5 milhão — superior a qualquer exército no mundo em tempo de paz.

Em absoluto, não ganhou a melhor escolha. Ambas não valiam nada. O povo é que fez o melhor, porque ele tem o poder de tudo transformar. Repudiou a hipocrisia. Disse não ao Estado podre e ao sistema de governo, como a tudo que os acompanha.

A história demonstra que a luta contra o banditismo, conduzida pelo povo nos momentos em que ele faz valer um pouco de sua autoridade e democracia, sempre saiu vitoriosa. Ao contrário, uma polícia extremamente corrupta — assim qualificada pela própria imprensa deles — com as suas equipes de aniquilamento, estimulam o banditismo e a matança.

No duro, os de cima já não falam mais de paz e de justiça, mas de coleta de impostos, rapina, repressão. E só existe pacifismo para desarmar o povo. Na prática o pacifismo imperialista (com os seus colaboradores internos) tudo quer resolver pela força das armas.

Essas são duas formas de ver a paz.

A propósito. Após uma nova matança nos morros do Rio de Janeiro, a polícia declarou que “continuará buscando bandidos onde houver”, uma semana antes de Bush chegar ao Brasil sob um forte aparato de segurança. Mas nem os seus asseclas brasileiros, que estavam à mão para recepcionar esse que é, hoje, o maior criminoso da humanidade, foram sequer molestados. Jamais serão.

Porque eles cometem crimes por atacado.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja