Editorial - O povo e a alternância dos submissos

É ano gordo.

A agenda política aponta: nos próximos meses haverá conclusões de CPIs que não vão a lugar algum (mesmo, estão proibidas algumas investigações), copa do mundo e eleições controladas - afora outros entretenimentos que o monopólio imperialista das comunicações sempre cria para enganar o povo.

Seja qual for (já foi) o resultado, ganham o latifúndio, o capital burocrático e o imperialismo - de novo, como há 42 anos. Portanto, todos devem ter o mesmo perfil. Admitem-se diferenças no penteado e nos gestos para simular disputa e legitimidade na "alternância" de poder. No mais, tudo é padronizado.

Mas, garantido o pacto da mediocridade, eis que faltam candidatos.

O tucanato de geladeira, por exemplo, esforça-se para apresentar o seu medíocre que concorrerá com o do cartel oportunista dirigente do PT. Na semana seguinte se arrepende da seleção feita - com Alckimin discursando debaixo de vaias.

Para um cargo tão nobre se exigem alguns atributos: inculto, despolitizado, indigno, desmoralizado, mas sobretudo obediente e fiel ao sistema semicolonial. Tal como o atual.

Por outro lado, alguém que mantivesse o mesmo conteúdo, mas aparentemente fizesse o gênero insubmisso, autônomo e "executivo forte", a exemplo de um Fujimori, também já não seria ideal. Sendo esse sistema de governo, por natureza, corrupto ao extremo, seria inevitável que o estilo mandonista, ainda que fictício, criasse um espaço individual que acabasse acirrando disputas entre as frações compradora e financeira, coisa que o bem-estar semi-feudal, burocrático e semicolonial não pode tolerar. "Por hora, bastam as estrepolias de Dirceu, Palocci e outros" - deve pensar o imperialismo.

No entanto, qual desses candidatos majoritários, pode surgir um outro - que de forma tão solícita buscam atender às determinações da metrópole, sempre mais exigente - conseguirá, finalmente, após novos ajustes de adaptação e amoldamento de personalidade, se manter razoavelmente equilibrado sob as patas traseiras?

II

Continuarão faltando candidatos porque o poder, na essência, desde abril de 1964, é continuísta e monopartidista, não importa quantas siglas eleitoreiras existam. A diferença é que o fascismo tornou-se mais sofisticado a partir do momento em que se substituiu o gerenciamento militar pela gerência oportunista.

Já deu para perceber, eleições e governos apelidados por eles mesmos de big brother não se sustentam nos momentos de indignação popular. E os momentos se aproximam. A tendência é o endurecimento do sistema imperialista, como, aliás, vem acontecendo.

Acontece que se tornaram insuportáveis tanto os trejeitos mussolinianos da fala diária do atual executivo - suas mentiras grosseiras, inclusive as tentativas de convencer que é governante num final vazio de mandato -, como o repugnante programa de governo nenhum da "oposição" opus dei: crescimento com inclusão social; convocar a "iniciativa" privada; fechar torneiras; juros menores; fim dos privilégios; reativar a Alca; choque de capitalismo. Que capitalismo - justo na sua fase imperialista e mais decadente - poderá tirar o país da ruína?

O grande circo anuncia sua melhor atração, o confronto entre os blocos de "esquerda" e de direita. Porém, ambos são descaradamente de direita, partidos antiproletários e de traição nacional. A verdadeira preocupação desses partidos é manter o sufrágio de cartas marcadas e, à custa de drogas, prorrogar a existência dos moribundos sistemas de Estado e de governo; o poder latifundiário, burocrático e imperialista em nosso país.

À subjugação nacional e ao cretinismo parlamentar, cabe ao povo responder impondo suas próprias regras, animar as suas lutas mais consequentes, guiadas pelo seu verdadeiro programa de emancipação das classes oprimidas e de independência nacional.

Não tardará o momento em que as massas deflagrarão vigorosas campanhas econômicas e políticas, simultâneas ao decidido combate contra os bandidos oportunistas e revisionistas, aonde quer que eles se encontrem.

Finalmente, essas mesmas massas empobrecidas e exploradas terão que estabelecer o seu próprio poder. Porque construir a democracia de novo tipo, passo a passo, é a única forma do povo deter a marcha acelerada do fascismo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza