O holocausto palestino

A- A A+

A verdade histórica diz, bem alto, que a Europa civilizou-se às custas dos povos árabes que, na Idade Média, colocaram esse continente em contato com a filosofia grega, a matemática, a astronomia e a medicina. Além disso, forneceram toda uma base técnica, sob a forma de descobertas de instrumentos de precisão, que permitiu a revolução científica do início da Idade Moderna e facilitou, mais tarde, o processo de industrialização, iniciado na Inglaterra, que trouxe aos colonizadores europeus imensas riquezas, mas aos colonizados, entre eles os árabes, apenas, miséria e morte.

 Durante séculos, o colonizador inglês dominou os mares e remou absoluto, fazendo da África e da Ásia um campo de experimentação política, ao estimular rivalidades étnicas, massacrar os nativos resistentes, saquear as riquezas locais e redesenhar os mapas desses dois continentes. Com o declínio do domínio inglês, no final do século dezenove, surge, logo, um substituto à altura, o sanguinário e voraz imperialismo norte- americano, que estabelece bases militares importantes, que vão do norte da África até o Oriente Médio, controlando pela força bélica todo o petróleo dos países muçulmanos

Em cima dessa matriz perversa, tem inicio o caminho de sacrifícios dos povos do Oriente Médio, particularmente o palestino que clama, ainda hoje, pelo cumprimento da resolução da Assembléia Geral da ONU de 1947, que criou na Palestina um Estado judeu e um Estado palestino: o primeiro se tornou realidade,o segundo não passou de ficção. No entanto, esse tratamento desigual não sensibilizou, até o momento, a comunidade internacional, submissa aos interesses dos EUA, ao mesmo tempo em que finge não ver a política agressiva e expansionista de Israel, que engorda o seu território às custas de terras palestinas.

Contando com o apoio irrestrito dos americanos, Israel age com a certeza da impunidade, consciente do seu papel de mera ponta de lança dos interesses norte-americanos no Oriente Médio, e graças a um exército bem treinado e bem equipado, às custas do sionismo internacional, o Estado judeu ousa, numa escalada sem fim, promover assentamentos ilegais de colonos judeus em território palestino, num flagrante desrespeito às resoluções da ONU, que o obrigam à desocupação. Nessa luta entre Golias e David, o gigante é a indústria bélica norte-americana, em conexão com as organizações sionistas e a direita israelense, cuja figura mais proeminente, no momento, é o genocida e psicopata Ariel Sharon, general responsável pelo massacre de Sabra e Chatila no Líbano, quando crianças, mulheres e velhos receberam um tratamento semelhante ao dispensado pelos criminosos nazistas aos judeus. Para Sharon, os palestinos só entendem a linguagem da força. São sub-raça, diante da raça eleita para governar o mundo e devem portar-se como cordeiros, indo para o sacrifício felizes por abdicarem de um território que lhes foi grilado, na marra, e conformados com a idéia de que outro ser humano pode não admitir a diferença e, por conseguinte, tem o direito de anulá-la, destruí-la.

Tal qual já vivera o povo judeu, o povo palestino vive o seu holocausto, o verdadeiro holocausto, não o holocausto dos filmes de Spielberg, não o holocausto da “Indústria do Holocausto”, de Norman Finkelstein, professor da Universidade de NovaYork. Na verdade, nesse momento histórico, Israel não é vítima, mas, sim, um Estado algoz, cuja prática se encaixa, perfeitamente, na concepção de totalitarismo formulada por Hanna Arendt , isto para não definí-lo como Estado terrorista, cuja Suprema Corte autoriza a tortura, como forma de arrancar confissões de prisioneiros palestinos.

A obstinação de Israel em destruir o povo palestino, a soldo dos EUA, se explicaria na implantação de um projeto judaico-cristão, cujo ápice seria a imposição da cultura americana, travestida de cultura ocidental, aos povos do Oriente Médio, vistos como bárbaros pelo establishment ianque. “Essa é uma guerra de civilizações”, falou Bush no porta-aviões Enterprise.

Paradoxalmente, o choque de civilizações é a marca do mundo globalizado. Ao difundir esse discurso, os países mais ricos escondem as desigualdades da inserção no mercado internacional No dizer de Samuel Huntington, esse choque é inevitável e deixa antever a necessidade de expedições punitivas para os “sarracenos” de todos os gêneros e de todos os recantos do globo terrestre. A periferia que se cuide e se conforme à escravidão, pois tio Sam, não satisfeito em marcar o século vinte com o sangue das guerras de rapina, programou, para esse início de século vinte e um, transformar o mundo numa extensão do seu território, onde o Direito Internacional Público daria lugar ao Direito Interno americano e todo cidadão seria alcançável pela justiça americana.

Essa estratégia se confirma, após o evento de 11 de setembro, quando o discurso do bem contra o mal, proferido por Bush se materializou no bombardeio criminoso do Afeganistão. E o choque de civilizações, no qual o ocidente que se pretende universal renega culturas milenares, pretextando defender uma população do fanatismo religioso talibã, mas, na verdade, o que pretendem é a eliminação física do saudita Bin Laden, supostamente, envolvido no atentado do World Trade Center e que, hoje, desafia a nação que não se cansa de dar lições de democracia e liberdade a todos os povos do mundo, mesmo que, para isso, necessite seqüestrar e julgar, em seus tribunais penais militares, qualquer mortal que se atreva a questionar os seus atos de pirataria, isto é, a sua política externa.


*Thelman Madeira de Souza é Médico do Ministério da Saúde; Licenciado em Filosofia pela UERJ.
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja