Boicote ao pagamento de luz e água

A- A A+

"Se cortarem a nossa luz e nossa água, nós vamos religar!"

Manifestação em Belo Horizonte
contra o corte de água e luz nas casas

Numa vila na periferia de Belo Horizonte, um funcionário bate palmas em frente a uma casa e é recebido pelo dono que lhe pergunta o que faz ali. Ele informa que vai desligar o relógio de luz. O morador, calmamente começa a amolar um facão numa pedra lisa, estrategicamente colocada ao lado do relógio e lhe diz: "Se eu fosse o senhor não fazia isso."

Os funcionários da CEMIG (Centrais Elétricas de Minas Gerais) reclamam da violência popular nas vilas, favelas e bairros pobres de Belo Horizonte. "Não podemos entrar na maioria das vilas e favelas para cortar a luz sem ser ameaçados". A população está revoltada e reage contra os cortes de fornecimento.

A organização classista Movimento Feminino Popular, lançou ao final do ano passado a campanha do boicote ao pagamento das contas de água e luz principalmente nas capitais e grandes cidades. Segundo o MFP, as famílias trabalhadoras, em grande número desempregadas, vivem de "bicos" e não conseguem há muito tempo pagar as contas altíssimas de água e luz.

As organizadoras do boicote perguntam: "Como é possível viver sem água e luz? Como fazer a comida? Com a água podre dos córregos? Como aceitar que em nossas casas não possamos tomar um banho quente e conservar comida na geladeira? Se um pai ou mãe de família consegue ganhar 50 reais numa semana, sem saber se terá trabalho na próxima, como pode escolher entre pagar a conta de água ou luz em lugar de comprar comida?" E a resposta tem sido dada pela população que em número cada dia maior adere ao boicote, que já é aplicado na maioria das favelas e bairros pobres também no Rio de Janeiro. A escolha não poderia ser outra e diante das ameaças por parte dos governos de corte do fornecimento, cresce a revolta e a resistência do povo nas vilas e favelas que tem deixado acumular suas contas sem pagar.

Em Minas Gerais, o MFP encaminhou ao governo Itamar Franco quatro exigências: 1) Suspensão imediata de todos os cortes de luz e água nas vilas, favelas e bairros pobres; 2) Cancelamento das contas atrasadas de luz e água para as famílias pobres; 3) Tarifa zero de luz e água para os desempregados e 4) Redução de tarifa de luz e água para os trabalhadores.

A falta de resposta do governo não intimidou o povo. Quando os funcionários conseguem cortar a luz, os moradores religam, afinal são operários e sabem fazê-lo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja