Editorial - A luta entre a velha e a nova democracia

A- A A+

— Senhor ministro, o mercado permanecerá nervoso por mais uma semana?
— Mais três pontos ampliam vantagens de Lula no primeiro turno.
— Acordo com FMI traz alívio para o país.
— Brasileiros compram empresas no exterior.

Política mundana à parte, a guerra está deflagrada. A ONU não deu nenhum sinal verde, mas para que serve a ONU? O porta-voz da fração mais poderosa do império ordenou o ataque contra o Iraque, mas dele se ocupará, talvez, Israel, enquanto o massacre imediato pode ser dirigido contra a Turquia, talvez o Nepal, agora com milhares de insurgentes, ou uma nova investida contra as Filipinas.

Fazendo centenas de mortos na Colômbia, os EUA aumentarão a expectativa de vida para o logro da guerra contra o narcotráfico? Um fulminante ataque às bases no Peru, pode parecer convidativo, mas para os EUA, até agora o Sendero (nome correto: Partido Comunista do Peru) é um caso nada resolvido. Também o Uruguai vem criando problemas e os camponeses do Paraguai acabarão formando alguma linha intransponível.

O imperialismo se alimenta de guerras e de fantasias. Passado o tempo da velha democracia, as ilusões do sufrágio universal, de cidadania etc., não se sustentam. O velho modo de produção entrava definitivamente o desenvolvimento das forças produtivas.

É preciso sempre novos mercados, que estão cada vez mais saturados. O imperialismo já não pode voltar atrás e novamente outra partilha do mundo é negociada entre as potências, depois, arrancadas à força, umas das outras, até que as colônias e semicolônias não possam mais ser administradas. As empresas de capital misto e privado, de importância estratégica, são violentamente arrancadas da economia nativa. É o momento da rapina, da queima dos últimos cartuchos eleitoreiros recheados de humanismo decadente e de direitos civis vazios de recursos materiais e de garantias, da apologia da violência, do artifício do "Estado paralelo", e da censura mais cruel.

Mas a tendência principal se volta para a independência nacional, dessa vez sob a única condição de emancipação das classes exploradas. A luta contra o oportunismo torna-se decisiva e também essa se reveste do caráter internacionalista.

É o que expressa o rufar dos tambores ianques, a bancarrota de sua economia, os relatos sobre desnacionalizações, a presença crescente das lutas de massas, a busca por um programa capaz de unir o povo para erguer uma nova economia, uma nova política, uma nova cultura descritas nesse número 3 de A Nova Democracia.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja