Ainda não está tudo dominado

O Brasil, como todos sabem – e para comprovar basta ligar o rádio ou a televisão – é hoje um país cul-turalmente ocupado pelos sons e imagens produzidos pela indústria de bens de lazer internacional, a música é a do rock e do rap hip-hop (novidades sempre reabastecidas pelos videoclips importados, divul-gadas até por emissoras de TV edu-cativas) as formas de comporta-mento e o vestuário sugeridos pelo cinema e pelos enlatados da tele-visão, e o próprio conhecimento do que acontece no mundo é oferecido pelos órgãos de divulgação – jor-nais, revistas e noticiários da TV – com base apenas em informações de agências internacionais de jor-nalismo, tipo Associated Press (AP), ANSA, Reuters, France Press (AFP) e CNN.

Tudo isso somado conduz, é claro, a uma visão do mundo e da vida que acabe por transformar grande parte dos brasileiros em es-trangeiros dentro do seu próprio país. Assim, quando, em meio a esse panorama geral de falsifi-cação da realidade, alguém re-solve abrir uma janela para ver-dadeira cultura brasileira, esse pe-queno fato deve ser saudado como um grande acontecimento. Pois é exatamente isso o que acontece, em São Paulo, com a manutenção no ar, duas horas por semana, aos sábados, há quase dois anos e meio, de programa da Rádio Capital AM-1040; São Paulo Capital Nordeste, produzido e a-presentado pelo jornalista e pesquisador de cultura popular Assis Ângelo. É que no São Paulo Capital Nordeste podem fazer ouvir sua voz todos os artistas do povo normalmente ausentes da mídia comandada pelos interesses da in-dústria cultural. Os mesmos, aliás, que na televisão só têm para mostrar sua arte, nos vinte e dois últimos anos, o programa Viola, Minha Viola, dirigido pela cantora e estudiosa de folclore Inezita Barroso, na TV-Cultura de São Paulo.

É claro que, para uma visão da vasta paisagem da cultura popu-lar brasileira uma janela só no rá-dio e outra na televisão é pouco. De qualquer forma, porém, serve para mostrar que não é bem ver-dade a tese conformada do funk do Bonde do Tigrão: “Tá domina-do, tá tudo dominado...” J.R.Tinhorão

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro