Dr. Hélio Bicudo: “O Esquadrão da Morte está institucionalizado”

A- A A+

Há mais de trinta anos, Hélio Pereira Bicudo tem seu lugar na História reservado. No início da década de 70, na condição de promotor, desbaratou o Esquadrão da Morte (EM) de São Paulo, organização dedicada ao extermínio de pobres e à exploração de atividades ilícitas. Atuando praticamente sozinho, contra todo tipo de pressões e ameaças, Bicudo expôs as vísceras do grupo e levou à cadeia alguns de seus membros, entre eles o delegado Sérgio Paranhos Fleury, chefe do DOPS e um dos homens mais poderosos da polícia paulista.

Nos anos seguintes, já aposentado, Bicudo continuou sua luta em prol dos direitos humanos. Foi deputado federal por três mandatos e vice-prefeito de São Paulo. Posteriormente rompeu com o PT e afastou-se da política eleitoral. Aos 83 anos, preside a Fundação Interamericana de Defesa dos Direitos Humanos (FIDDH). Nos últimos anos, tem sido uma das principais vozes contra a política de matança promovida por Alckmin e Saulo de Castro.

Bicudo recebeu a reportagem de AND em duas ocasiões, já na primeira delas, antes dos acontecimentos da metade de maio, falou dos pontos em comum entre as práticas do EM e as da administração Alckmin, expostos em casos como o da Castelinho e o dos moradores de rua assassinados na região central em 2004 (página anterior).

Ele vê no episódio da nomeação do delegado Aparecido Calandra — torturador de presos políticos nos anos 70, para a Divisão de Inteligência da Polícia Civil, em 2003 — um ponto de contato entre as duas épocas. Considera, porém, que mais importante do que a identidade de figuras é a identidade de métodos e ideologia entre a atual administração e o EM no regime militar. Com uma agravante: o que antes era obra de um setor da polícia em aliança com alguns empresários é hoje uma política conduzida pelo governo com o endosso do Tribunal de Justiça. Para Bicudo, o Esquadrão da Morte está institucionalizado.

Esta impressão foi confirmada quando do segundo encontro com AND, na última semana de maio. Bicudo denuncia um acerto entre a administração estadual e o PCC a partir do episódio da Castelinho. Em troca da diminuição das rebeliões nos presídios, o Estado orienta a polícia a fazer vista grossa às atividades ilícitas da organização dentro e fora deles.

O ex-deputado não considera que haja, no entanto, um acordo entre o Estado e o PCC, mas o simples uso da facção por setores do aparato jurídico-policial. Conhecedor da realidade dos estabelecimentos prisionais de São Paulo, ele afirma categoricamente que o PCC não tem condições de impor ao Estado uma troca mútua de concessões e vantagens, face à disparidade de forças. O que há é uma "acomodação dentro da perversidade do sistema penitenciário": o Estado oferece aos presos algumas migalhas, que vão da vista grossa à entrada de um quilo de banha na cela para que eles reprocessem a comida intragável oferecida na cadeia até a permissão do uso de telefones celulares; os presos, por sua vez, se comprometem a manter a ordem. Permanecem, contudo, à completa mercê dos agentes estatais, que têm sobre eles poder de vida e morte.

Bicudo considera, assim, que não faz sentido tratar o PCC como "poder paralelo", como faz usualmente o monopólio da imprensa. Para ele, o poder paralelo que existe em São Paulo e desafia a legalidade é outro: a Polícia Militar. No último dia 31, ele reuniu-se em Brasília com o ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, para pedir que a Polícia Federal intervenha na investigação do que se passou em São Paulo. É o recurso legal usado para tentar impedir que mais uma vez a PM acoberte seus próprios crimes.

Aproveitou para cobrar a adoção das medidas indicadas pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) quanto à Febem do Tatuapé, cujas condições valeram ao Brasil a primeira condenação formal pelo órgão. Bicudo mostra-se, porém, descrente quanto ao interesse do Executivo e do Congresso por estas questões. Na sua avaliação, o governo cedeu ao discurso fácil da repressão.

— O ministro me disse que estava construindo quatro presídios de segurança máxima — conta. — Eu lhe perguntei: para quê?

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza