Editorial - O pesado jogo do "paz e amor"


Ano gordo para os ardis eleitorais era o 2006.

Prometia.

Para desviar a atenção das massas, tinha as conclusões das incessantes CPIs; mentiras como a quitação da dívida com o FMI e o novo salário mínimo. Tinha astronauta; auto-suficiência da Petrobrás; "nacionalismo" com que trapaceiam o povo na copa do mundo (ainda tem) e, finalmente, as eleições controladas que se beneficiam de todos os demais eventos.

A infindável reprodução de CPIs inocentando tantos acusados já não atraem o eleitor. Impossível disfarçar a avassaladora corrupção. Jamais se viu igual.

O controle da opinião — pelos jornais impressos e pela "vida televisiva" -, é incompetente para esconder: o país se mantém presa fácil do FMI.

E que cesta básica, familiar e mensal, o salário mínimo compra?

Quanto ao piloto, esse não tinha mesmo jeito para astronauta nem para cabo eleitoral.

Auto-suficiência em petróleo, para quem? Países vizinhos têm petróleo importado a preços bem menores que os daqui. Restam o maniqueísta "nós contra eles" da unidade na torcida nacional durante a Copa — que os governos tentam capitalizar como uma vitória sua, se houver -, e a farsa eleitoral propriamente, a tal ponto que dispensa oposição e candidatos.

II

Por enquanto, o Poder mantém o chefe nominal da gerência FMI-PT. Afinal, é um mega-pelego, obediente, figurativo, provoca hilariedade... Tem lá suas utilidades. Justiça seja feita, também é honesto, como todos os que desde abril de 64 vestiram a camisa 10 do governo, porque nenhum deles, até hoje, foi capaz de roubar um centavo do dinheiro que sai daqui destinado ao imperialismo.

Bem, quem o fizesse morreria, já que a C.I.A. não suporta traições por parte dos prepostos.

O Poder precisa das eleições para legalizar o sistema de Estado e de governo vigentes, proteger o cretinismo parlamentar, assegurar a sua democracia — "representativa" para os explorados e toda a liberdade para os exploradores. Sobretudo, necessita manter o jogo do programa único, monopartidista, expressão dos elevados interesses do imperialismo, como os dos associados latifúndio e burguesia burocrática domésticas. De suas frações de classe, faz-se um arranjo para que as divergências entre elas jamais se tornem antagônicas.

A falência do sistema é irreversível, tal como a sua insanidade, porque o capital financeiro mundial se alimenta de lucro que, por sua vez, provoca outra crescente fome de lucros, sucessivamente, no que leva a exploração do trabalho e a opressão nacional às últimas consequências.

Resta aos "dirigentes" coloniais em nosso país acrescentar doses ainda maiores de intoxicação ideológica no povo; semear a intriga, o pânico, a grande ilusão que enaltece (e pratica) o incremento das celas de segurança máxima tipo Guantânamo, Turquia... e a matança. Por isso, declaram abertamente sua preferência pela democracia panóptica: a democracia das penitenciárias.

O povo entende que amanhã será pior.

III

Quanto ao bloco da farsa eleitoral, este tem, como último argumento, que servir ao continuísmo: executar e proteger o aumento da exploração do trabalho, de impostos, do entreguismo, da confusão política, da repressão, do banditismo.

Para o bloco, uma providencial coincidência: quando os pedidos de impeachement se acumularam e superaram os do antecessor Cardoso, foi importada a última novidade: as execuções em massa.

De fato, o desencadear de uma terrível (contra) propaganda de guerra revela que tudo o imperialismo e suas administrações semicoloniais querem resolver pela luta armada. Sempre que os cartéis oportunistas falam de "paz e amor", "colaboração de classes", "união de todo o mundo" (contra o povo trabalhador, certamente), estão descrevendo na realidade seus planos de truculência.

Daí, é preciso criar mais entretenimentos. Problemas fronteiriços, pânicos etc.

Mas as greves e protestos se multiplicam Brasil afora, enquanto os camponeses — na iminência de perecerem pela fome juntamente com seus filhos -, vêm bravamente expropriando o latifúndio.

Nisso a TV imperialista — toda a família The Globe, incluindo as "concorrentes", tão zelosa em explicar o país, claro, de forma absolutamente monologada e sofismada — foge do assunto.

Chega ao fim esse (des) governo marcado de desprezo pelo povo; que mandou aprovar leis anti-trabalhistas; que nada fez para interromper o massacre policial nas favelas e nas penitenciárias; que permitiu a repressão contra o movimento de massas no campo e nas cidades; que se recusou a localizar os corpos dos heróis do Araguaia e de tantos outros; que enviou tropas para o Haiti; arrendou a Amazônia; etc., etc.

É urgente tornar pública a lista de assassinados nas matanças de junho (ultrapassou em 70% os crimes em período "normal") e exigir a imediata punição para os executores e mandantes.

O melhor é levar essa farsa eleitoral a mais profunda repulsa das massas e apoiar, com todo o vigor, as lutas consequentes do nosso povo.

Por outro lado, a única forma de deter o fascismo é a decidida construção — passo a passo -, do poder político das massas.

De resto, tudo é ilusão.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin