Passada a farsa eleitoral...

A- A A+
Pin It

Eleições concluídas, entre o povo não houve festas. Festa haverá na segunda posse (segunda época), que, “democrática”, será permitido aos empregados assistí-la através das vidraças televisivas.

Não houve nenhuma proclamação que pudesse ser levada a sério, nenhuma novidade, a mínima esperança. Volta a sensação de que “não há para onde ir nem para quem apelar”.

No monopólio da imprensa multiplicam-se as análises sobre o nada. É preciso aparentar que, entre os candidatos, havia divergências. Há de fato, divergências que refletem os interesses das frações burocrática e compradora — frações que disputam melhor espaço no governo — porém, ardorosamente, trabalham para as mesmas classes que estão no poder: latifundiários e grande burguesia.

Por isso, campanhas e debates evitavam ir ao cerne da questão. Limitavam-se aos argumentos de quem seria mais competente para servir ao imperialismo. Assim, os verdadeiros interesses do povo e do anti-povo são sistematicamente ocultados para não criar embaraços ao império e às classes que o apoiam internamente. E nisso foram todos extremamente cuidadosos.

As classes contra-revolucionárias e entreguistas — fortemente ligadas ao imperialismo — permanecem coesas. Além do mais, o imperialismo, desde o advento da “ditadura militar”, interfere sempre no equilíbrio político, não permitindo choques que possam esfacelar oligarquias internas.

A farsa do processo eleitoral, promovida pelo poder, foi encomendada para aprofundar e sofisticar o próprio poder, sendo que para oxigenar as eleições não faltaram manobras, inclusive as que provocaram o segundo turno. Sempre que possível, busca-se também ocultar que 30 milhões de eleitores não compareceram, anularam ou votaram em branco. Contra as eleições de cartas marcadas surgiram também inúmeras manifestações espontâneas em todo o país.

O que vem agora

O continuísmo não sofreu um só arranhão. Mas a questão é: o que está por vir.

Não há dúvida: o cartel oportunista que controla o PT, os diversos movimentos “populares”, as ONGs etc. pega pesado. Persegue, sabota, aniquila. Pouco importa tratar-se de “companheiro” de direção, e de “propoxtas” passadas.

O cartel acumulou forças, demonstrou que contava com a impunidade diante de tantas provas (ainda que consentidas) de corrupção que se tornaram públicas e que vive o período de esplendor do oportunismo. Tudo ele faz para bem servir à metrópole, conquistar seu espaço no poder como se do oportunismo esse cartel emergente fosse o mais classificado. A pelegada veio para brilhar e para isso se preparou. Qualquer prejuízo em termos de prestígio entre as massas está previsto no custo benefício do poder. Simples manifestações de repúdio não afetarão a blindagem dos grupos que verdadeiramente dirigem o poder, nem mesmo dos que têm a missão de fingir que governam.

Também o monopólio imperialista das comunicações que opera no Brasil precisa sustentar que a eleição teve alguma importância, que foi eleito o “presidente operário”, que todos foram às urnas atendendo aos apelos patrióticos, à ética e ao “exercício da cidadania” —, terminologias cujo significado preciso é igualmente adulterado.

O eleito é uma espécie de robô, um instrumento, mas nunca um operário. Os operários apenas levam a culpa de terem votado. O poder, cada vez mais desmoralizado, ele tenta transferir para o povo sua própria reputação.

É verdade, ninguém elege “presidentes” por acidente. Além do mais, um segundo mandato significa que o atual passou pelo “teste de vendas” da nação. Homologou as anteriores e entregou o que faltava: aprovado como candidato, a farsa eleitoral faz o resto.

Mesma finalidade

Como no passado, legendas salvam o monopartidismo. O gerenciamento militar assegurava (contra o povo) duas legendas: a do Sim e a do Sim senhor (as antigas Arena e MDB), até que o povo fez rebentar as duas, saindo às ruas, no que resultou num grande movimento aberto contra a ditadura militar. Como as grandes lideranças ideológicas tinham sido exterminadas, restou o caminho parlamentar — tanto quanto o das lutas econômicas (sindicais) e o das as acanhadas liberdades democráticas — que aos poucos passaram a ser monitorados pela direção do PT, com o auxílio do grupo orientado pelo senhor João Amazonas e outros bandos oportunistas e revisionistas, enquanto organizações mais consequentes buscavam resistir.

Na fase seguinte (“redemocratização”), o poder evoluiu em degeneração e sofisticou as legendas, mantendo ultimamente a do Yes Sir e a do Yes my boss** (PSDB e CIOSL-PT, respectivamente), que no geral em nada diferem, acompanhadas de outras siglas do oportunismo eleitoreiro.

As eleições, que são investimentos sempre mais pesados, trouxeram agora para o novo legislativo grande parte dos “representantes do povo” constituída por milionários, como anuncia a própria imprensa deles. Mesmo assim, Luiz Vaz e Fernanda Guzzo, numa matéria que aparece no Correio Braziliense e que circulou fartamente por vários meios de comunicação, com base em informações cedidas pelo Tribunal Superior Eleitoral revelam que a cúpula que integra o Congresso foi financiada por mineradoras, siderúrgicas (as privatizadas, agora nas mãos dos gringos), empreiteiras, e instituições financeiras. A “ajuda” somou R$18,8 milhões. Sem distinção de siglas, ela atingiu o PFL, PMDB, PSDB e os dois maiores e orgulhosos representantes da falsa esquerda: PT e PC do B.

Luiz Inácio respondeu rápido e automático à apuração dos votos: permanece o arrocho, o crescimento da dívida pública, enquanto que recursos para as políticas sociais básicas (ensino, saúde, saneamento, habitação etc.) continuarão transferidas para os banqueiros. Vão aprofundar a “política fiscal dura”, “reforma política”, as mais deslavadas mentiras sobre o “desenvolvimento”, e a acentuada perda, como de costume, das garantias trabalhistas e democráticas.

Nada deverá alterar as maquinações que favorecem a concentração de capitais no campo e na cidade, o aprofundamento da desnacionalização, do extrativismo mineral e vegetal (roubo de matéria prima), da monocultura e da política de subjugação nacional. O ensino, como a saúde, anunciam os discursos, contarão com o intenso aumento da propaganda, único investimento nesses dois setores, como de praxe. Já a segurança — para o poder semifeudal, burocrático e semicolonial — é um conceito inseparável da repressão ao povo pobre. Menos de 15 dias após o resultado eleitoral, uma brutal repressão desabou sobre os camelôs em São Paulo. A matança de favelados prossegue de forma avassaladora, vitimando principalmente jovens e crianças.

Sempre os quadros

O mesmo monstro que gerou a chamada ditadura militar, por décadas foi se apoderando da economia de nosso país e, em 1964, se assenhoreou de vez do aparelho de Estado e de governo. Por isso veio o golpe de abril naquele ano e esse mesmo monstro permanece no poder. De maneira mais sofisticada, conduz os negócios coloniais de nosso país, mudando, quando pode, sua aparência e composição.

Durante décadas, o imperialismo formou quadros contra-revolucionários e permanece instruindo a gente mais desclassificada da sociedade brasileira para gerenciar seus interesses. Os submissos, passada a farsa eleitoral, trocam impressões. Confidenciam, sorriem, loteiam a área ministerial, e catam vorazmente o que cai da mesa do imperialismo.

Serão altos especialistas os futuros ministros? Vão elaborar avançados projetos que servirão ao país? Absolutamente, não. A mudança ministerial (variando em razão do volume do capital em jogo) lembra a clássica distribuição de secretarias nos governos estaduais e os comentários que a acompanha:

— ... Então, papai gritou para o governador: “Olha aqui, fulano, o departamento de material da secretaria de Saúde é da minha família, entendeu? Da minha família!

Os antigos papas do servilismo seguem expectorando teorias e instruções semicoloniais e semifeudais. Sem o menor pudor “entram e saem do Planalto pela garagem subterrânea, reservada às autoridades da casa”, como revelava o Estadão no início de novembro. Pouco importam as pastas. Se for o caso, melhor que outros as carreguem para eles. Importa cumprir as ordens, principalmente as emanadas do USA, e redistribuí-las, equilibrar os interesses da grande burguesia submissa ao império, aparando as arestas internas e administrar a crise do imperialismo que se aprofunda de maneira inevitável.

Na direção do PT, o cartel oportunista exibe sua inesgotável felicidade porque pode contar com tecnocratas de fino trato, gente de prestígio no diretório da escola colonial, mais que simples simpatizantes da causa e iniciados na arte de bem servir ao império ianque. Isso confere ao cartel um outro status e mais uma demonstração de “força”. De quebra, finge que mudanças no plano econômico pertençam à área de competência dos gerentes coloniais, ou seja, à área de serviço.

O crescimento da economia, o “milagre econômico” durante a gerência militar era baixíssimo (10 a 12%) em comparação com o período de Juscelino e João Goulart (18%), últimos presidentes brasileiros. Até agora, assegurado pela gerência FMI-PT, o crescimento é de 3%, no máximo, embora anunciem um futuro 5%. No caso de advirem recessões para beneficiar o “desenvolvimento” do Fundo Monetário Internacional, a culpa novamente recairá sobre o povo, aquele que “não soube escolher”.

Nesse ponto, a “estabilidade monetária” pode sair de moda porque especialistas em inflação, desde a matriz, receberam orientações para proferir novas elocubrações sobre o tema. Porém, se cai a estabilidade monetária, isso afetará os interesses de uma das frações — que reclamará compensações a serem concedidas pelo governo.

Daí a verdadeira razão do encontro, um dia após as eleições, entre Cardoso (solto e faceiro) e cerca de “380 empresários”, afora o mundo da elegância do jornalismo (lá deles). Reuniões dessa natureza, guardam sempre como pretexto discutir a economia nacional — como tradição, em meio a um jantar, discursos elogiosos e outros rituais de descarado luxo e ostentação — de modo a perpetuar o Brasil escravizado cujo povo passa fome para sustentar o capital financeiro internacional. Dessa vez, o “encontro” foi no Hotel Hyatt, um desses cinco estrelas de São Paulo.

Bem, esse é o lado deles. O do povo é uma outra história. Ver editorial.

{mospagebreak}

Mentiras, verdades

O vencedor foi apoiado pelas “classes carentes” Mentira. Foi apoiado e articulado pelas classes dominantes!
A direita foi evitada A direita venceu do mesmo jeito: o fascismo está consagrado. É o que começa a se revelar, imediata e despudoradamente.
É hora de a todos unir E principalmente coibir qualquer oposição consequente. Unidos já estão o latifúndio e a grande burguesia, classes integradas ao imperialismo com correspondentes interesses que se expressavam nos programas de um e outro candidato
O vencedor é constitucional e a eleição foi legítima Que escolha havia? O do discurso menos incompetente? O povo só defende a parte da Constituição dos ricos que lhe é menos danosa. Além do mais, legítimo é o povo no poder
Agora vamos crescer Então não estava crescendo. Mas crescer para quem? Parece que difícil é crescer o conceito de crescimento na cabeça dos políticos vigaristas
O governo do PT “é um governo em disputa” Realmente, disputa entre frações burocrática e compradora. Os desenvolvimentistas pertencem à burocrática e os monetaristas, à compradora. Mas a definição, em última instância, sai mesmo é das frações em disputa no USA
A parte desenvolvimentista se fortalece A mesma parte “desenvolvimentista” do gerenciamento militar, que nunca pagou pelo que fez, como as demais que vieram depois, todas obedientes ao imperialismo. Mas quantos milhões de brasileiros foram arrastados à miséria e à morte, desde então, em nome do desenvolvimentismo — que, poucos sabem, é um conceito anti-científico e imperialista?
O problema são os juros altos Para o povo, continuarão aumentando, como os impostos, como o lucro astronômico dos banqueiros
Dessa vez, reformas serão possíveis Principalmente as antitrabalhistas
Não há mais dívida externa E como tem! Externa e interna: a chamada dívida pública
Combaterão a corrupção Somente a imagem dela e a má-fama do governo. A venda da nação — com solo, subsolo, espaço aéreo, mar territorial, e tudo o que tem dentro, principalmente o povo trabalhador — continua liberada
Acabaram as privatizações Não há mais o que desnacionalizar, basta administrar a desnacionalização
Vão combater a violência Sobem a 90% os assassinatos de civis por policiais, confessa o Folha de S.Paulo em novembro
Diminuiu o desemprego no Brasil O emprego que aumentou, e muito bem remunerado, foi o dos tradicionais caciques e megapelegos da CIOSL*

 


*CIOSL – Confederação Internacional de Organizações Sindicais Livres. Surge em 1949, financiadas pelos magnatas ianques e ingleses, provocando uma dissidência na gloriosa Federação Sindical Mundial – FSM.
A CIOSL é uma junção das AFL-CIO, TUC e CIO. Seu braço (Secretariado) para a América Latina é a ORIT (Organização Regional Interamericana dos Trabalhadores), fundada em 1951, ligada ao Iadesil (Instituto Americano de Desenvolvimento do Sindicalismo Livre) que administra cursos de “liderança” sindical e já formou uma imensa quantidade de pelegos em toda a América Latina e no mundo.
A Central Única dos Trabalhadores CUT, a Força Sindical e algumas outras “confederações” são filiadas à CIOSL. O sindicalismo de direita no Brasil também recebe orientação da social-democracia “socialista” da Europa, corrente oportunista que foi à bancarrota no período da primeira guerra e ressuscitada pelos revisionistas modernos e por toda a reação internacional.
A AFL (Federação Americana de Trabalhadores) surge em 1955 e é a maior central sindical dos USA, enquanto que a CIO, outra central do mesmo país, é menos expressiva. TUC é Federação Inglesa. Já a Federação Sindical Mundial (FSM), criada em Paris, em 1945, chegou a ser a mais combativa organização sindical do mundo, mas caiu em mãos do social-imperialismo russo. Seu último congresso, ainda representativo, ocorreu em Pequim, por volta de 1960.
**my boss — meu patrão, meu chefão, poderoso. O presidente ianque, por exemplo, é chamado de big boss que, hoje, nos estertores do imperialismo, equivale a “chefão maior”, no sentido mafioso do “poderoso chefão”. Yes Sir é um mais convicto e servil “sim senhor”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja