Pressão internacionalista liberta Sison

A- A A+

O professor José Maria Sison, presidente e um dos fundadores da ILPS — Liga Internacional de Luta dos Povos, foi libertado na quinta-feira, dia 13 de setembro, da prisão onde se encontrava desde o dia 28 de agosto.


Manifestação pela libertação de Sison no Consulado da Holanda em Belo Horizonte
A atual gerente semicolonial das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, tem intensificado a perseguição aos revolucionários filipinos, tendo prendido e assassinado vários patriotas, inclusive, advogados do povo.

Já em 2002, os governos holandês, britânico e a União Européia tentaram enquadrar o Prof. Sison na infame qualificação de terrorista inventada pelo imperialismo ianque e negociada com diversos países — espécie de reedição do pacto anticomunista adotado entre Hitler (Alemanha), Hiroíto (Japão) e Mussolini (Itália). Novamente, foram derrotados.

Dessa vez, valendo-se de acusações forjadas, a polícia holandesa realizou nova investida contra Jose Maria Sison e outros democratas filipinos residentes na Holanda, notadamente na cidade de Utrecht. A polícia fez simultâneos e repentinos ataques a várias casas de filipinos, inclusive no escritório da NDFP — Frente Nacional Democrática das Filipinas. A prisão do Prof. Sison aconteceu depois que a Corte Suprema das Filipinas julgou, e arquivou vários casos políticos contra ele e outras pessoas.

O Prof. Sison foi detido quando estava na sede da polícia de Utrecht, onde compareceu depois de ter recebido um convite deles, supostamente, para prestar novas informações, uma vez que a queixa contra ele foi arquivada em 2001.

De acordo com advogado de Sison, que o acompanhou à delegacia, ele foi levado a uma outra sala para, supostamente, responder perguntas. Mas depois que estava sozinho neste lugar, foi levado, sem o conhecimento de seu advogado, para longe, para a Penitenciária Nacional, em Scheveningen, Haia.

Julie Sison, esposa de Sison, disse que por volta das 9:30 horas a polícia holandesa chegou à sua casa e nem sequer tocou a campainha, mas em vez disso arrebentou sua porta principal. A ela, lhe foi pedido para sentar-se em um canto de sua casa enquanto a polícia carregava seus computadores, documentos, discos laser e outros arquivos. A procura durou até o início da noite.

Chantagem X solidariedade

Simultaneamente à prisão de Sison e às buscas em sua casa, o Escritório Internacional de Informação do NDFP e várias outras casas de filipinos, em Utrecht, foram invadidas. A polícia holandesa confiscou computadores, computadores portáteis, papéis, disquetes, memória morta de disco laser, e DVDs.

No mesmo dia da prisão de Sison, o Comitê Defend divulgou uma nota na qual condena a prisão e prometeu intensas manifestações em vários países:

"Semelhantemente, a polícia holandesa arquivou denúncias contra ele e também a Corte Européia, no dia 11 de julho passado, em Luxemburgo, anulou a inclusão do nome do Prof. Sison no Conselho europeu como "terrorista", já que ao mesmo não se conseguiu dar uma razão válida para esta inclusão.

A prisão do Prof. Sison e as buscas em várias casas de filipinos têm um claro motivo político. O enviado de UE, Javier Solana disse que a etiqueta de "terrorista" empregada contra o Partido Comunista das Filipinas, contra o Novo Exército do Povo NPA e contra o Prof. Sison seria derrubada se eles capitulassem.

As Filipinas, a Holanda e o USA usam processos judiciais, por pressão política, contra o NDFP para que ele se renda ao governo de Manila.

O Comitê Defend responsabilizou o governo holandês por quaisquer danos que pudessem acontecer a Sison, inclusive por sua eventual rendição a qualquer país fora dos Países Baixos, enquanto sob custódia. O Comitê Defend anunciou que, em represália, haveria mobilizações de protesto nas Filipinas, Canadá, EUA, Austrália, Hong Kong, Indonésia e vários países da Europa e de outros continentes."

No Brasil, Belo Horizonte sediou uma manifestação em frente ao consulado da Holanda que entregou um documento de repúdio à prisão de Sison nas mãos da cônsul honorária, Monique Looman. A cônsul prometeu encaminhar o documento ao embaixador do país no Brasil. Também aconteceu manifestação no Rio de Janeiro, todas organizadas pelo Núcleo dos Advogados do Povo — Brasil, pelo Centro Brasileiro de Solidariedade ao Povos — Cebraspo, Liga Internacional de Luta dos Povos — ILPS, além de diversos sindicatos e organizações do movimento estudantil.

Outros protestos foram realizados em Milão, Londres, Bruxelas, Istambul, Otawa e Vancouver (Canadá), Oslo (Noruega), Hong Kong, Jacarta (Indonésia), Sydney (Austrália), Viena (Áustria), Washington, Los Angeles e Nova Iorque (USA), Seul (Coréia do Sul), além da própria Holanda e várias cidades das Filipinas.

Enfim, a liberdade

Em 13 de setembro, chegou a ser divulgada uma notícia de que um tribunal da Holanda teria prorrogado a detenção de Jose Maria Sison por mais noventa dias. No entanto, o Tribunal de Haia ordenou sua soltura por evidente falta de provas para incriminá-lo.

Sison é responsável pela criação, em 1969, do Novo Exército do Povo, além de membro fundador do Partido Comunista das Filipinas, em 1968, dando início à luta insurgente nas Filipinas contra as classes reacionárias internas e o imperialismo ianque. Sob a vigência da administração fascista de Ferdinand Marcos, Sison permaneceu encarcerado — 1986 a 1977. Jose Maria Sison solicitou asilo na Holanda em 1988, o que obteve, definitivamente, em 1992 pela Suprema Corte, ratificado em 1995.

Agora, ao sair da prisão, O professor Sison foi recebido por conterrâneos e representantes de movimentos internacionalistas, que o aguardavam para uma grande comemoração.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja