Histórias da dobradinha polícia e judiciário contra o povo

A- A A+

 Vocês tomem cuidado!
Se o proletariado decidir
invadir suas casas
e tomar tudo,
não haverá como
espingardeá-los!.

Há noventa anos o aviso acima foi dirigido a uma burguesia carioca acuada diante da força do povo oprimido. O alerta soou durante a Conferência Judiciário-Policial de 1917, no Rio de Janeiro, então capital da República. A Conferência foi convocada como reação dos poderosos às greves que se intensificavam principalmente no Distrito Federal e em São Paulo, fortalecendo os movimentos operários nas grandes cidades.

Esta frase saiu da boca de Aurelino Leal, todo-poderoso chefe de polícia do Rio, conhecido algoz dos trabalhadores da época, famoso perseguidor de meninos e meninas negligenciadas pelo Estado e, igualmente, de desempregados que faziam da rua o lugar para morar.

Pois Aurelino Leal virou nome de rua, de escola e até de cidade. Singelas homenagens a um legado de servidão aos interesses das classes dominantes do Brasil. Seu alerta feito na Conferência Judiciário-Policial de 1917 demonstrou não apenas o característico preconceito e o conhecido desprezo nutrido pelas classes dominantes em relação à classe trabalhadora, mas deixou também evidente a necessidade dessas mesmas elites de se organizar e conspirar contra os interesses do povo.

No caso da Conferência de 1917, organizou-se e conspirou-se contra os trabalhadores das grandes cidades brasileiras sob a explícita batuta do então presidente da República, Venceslau Brás, que compareceu ao evento ladeado por boa parte do seu ministério. O mote do evento foram as famosas "teses" sobre segurança pública defendidas pelo próprio Aurelino Leal. O conteúdo não deixa dúvida de que naquela época, como hoje, as resistências populares são tratadas pelos governantes à base de bala e de cacetete.

Como hoje, e ao longo dos noventa anos que separam passado e presente, a resposta do fascismo para a intensificação das lutas das massas é a truculência do Estado policial e o terror contra o proletariado. A Conferência Judiciário-Policial de 1917 ilustra mais um capítulo de um processo histórico, deixando evidente um comportamento semi-feudal, burocrático e semi-colonial, do qual as classes dominantes não podem — nem querem — abrir mão.

E assim se desenrola ao longo dos anos a conspiração contra o povo. Através de pacotes fascistas, empreende-se a criminalização das formas populares de luta, a fim de eliminar as vias legítimas de reivindicações e legitimar a repressão.

A Conferência Judiciário-Policial de 1917 evidenciou, enfim, que na ordem burguesa o judiciário e a polícia são duas instâncias que funcionam, via de regra, segundo uma lógica anti-popular. A atual enxurrada de sentenças de juízes e repressões policiais contra os movimentos grevistas no Brasil confirma a disposição das classes dominantes para mobilizar o aparato que lhe serve. E mobilizá-lo contra o povo, que resiste sempre, porque sempre resistiu.

Virada conservadora

Polícia e Justiça de mãos dadas: a Conferência Judiciário-Policial de 1917. Assim foi chamado um trabalho de mestrado desenvolvido por Pedro Tórtima no departamento de História da Universidade Federal Fluminense. O título do trabalho de Tórtima remete à confiança que a classe dominante depositava, e deposita, na polícia e na justiça enquanto aparatos institucionais "mantenedores da ordem", obviamente mediante coerção.

Mas o que as classes dominantes entendiam, e entendem como "ordem" nada mais é do que manter a classe trabalhadora em permanente submissão, para que a exploração de seu suor seja ordeiramente empreendida sem maiores empecilhos. Por outro lado, e ainda no oportunista entendimento do patronato e de seus representantes, a desordem significa greve, reivindicações e mobilizações da parte da classe trabalhadora.

Ontem e hoje, o povo organizado para a luta em defesa dos seus interesses é combatido pelos poderosos e suas políticas fascistas como um povo "desordeiro"— e assim apresentado ao distinto público nos jornais e telejornais do oligopólio dos meios de comunicação que opera no Brasil.

A Conferência Judiciário-Policial de 1917 significou uma convocação explícita para que a polícia e o judiciário acirrassem o trabalho sujo de garantir a tiros e cacetadas as relações de exploração da ordem burguesa — uma ordem então diretamente ameaçada pelas intensas lutas do operariado do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Segundo o estudo de Pedro Tórtima, a Conferência e suas "teses" significaram um radical rearranjo conservador do Estado Brasileiro no exato instante em que o povo dava mostras de maior disposição para a luta. Ela serviu, sobretudo, para dar elementos jurídicos e justificativas legais à repressão, além de armar os aparatos repressivos para "responder ideologicamente ao mais severo rancor de classe embutido, fazia anos, no seio do empresariado urbano e especialmente traduzido, nesse momento, nas trinta e uma teses elaboradas pelos representantes legais do aparelho judiciário e policial — das quais vinte e sete foram relatadas e defendidas."

Era gordo, já em 1917, o orçamento do governo federal destinado a sustentar, armar e incrementar a repressão policial às lutas populares organizadas e aos miseráveis das grandes cidades. Pedro Tórtima pesquisou nos registros dos Anais da Câmara dos Deputados daquele ano, e descobriu que a soma das dotações destinadas à Brigada Policial e à Polícia do Distrito Federal superou — e superou muito — o total dos investimentos em saúde e educação.

Pau e pão

Sustentado pelo Estado, o aparato repressivo prestava contas também ao grande empresariado fabril — o verdadeiro mandante dos crimes contra o povo. Em uma carta enviada a Costa Pinto, então Secretário Geral do poderoso Centro Industrial do Brasil, o chefe de polícia Aurelino Leal chegava mesmo a recomendar ao patronato que tentasse ludibriar a população por meio da colaboração de classes. No auge das demonstrações de força e autoridade por parte do proletariado, o chefe de polícia recomendou a farsa do entendimento entre patrões e trabalhadores como complemento à repressão.
É preciso conciliar os interesses de uns e de outros, patrões e operários, para que não tendo prejuízo os primeiros não fiquem os segundos condenados à fome.

E, na mesma carta ao patronato, dizia ainda:
Se essas dezenas de milhares de operários, homens, mulheres e crianças, vierem para as ruas, não serei eu que os mande espingardear.
Sobre essas recomendações, Pedro Tórtima observa:
O chefe de polícia, como se pode verificar, habituado às truculências que o cargo e a formação política lhe conferiram, acabava, sem ilusões e sem muitas pretensões, de compreender que nem só dessa truculência vivia a opressão burguesa. No próprio interesse das classes dirigentes, e em prol da máxima dilatação do seu tempo de dominação, se faziam necessários outros instrumentos ideológicos. Como diria M. Zaidan Filho, o pau obrigatoriamente tinha que conviver com o pão.

Teses anti-povo

E o esperado se confirmou. As "teses" se configuraram em um pacotão fascista, debatido entre os agentes da repressão policial e judiciária.

Eis alguns dos mais notórios pontos "debatidos" na Conferência patrocinada pelo poder burocrático-feudal e realizada nos salões da Biblioteca Nacional:

Greves e formas de o Estado combatê-las; comícios operários, reuniões "suspeitas" e meios policiais para impedir a realização de uns e de outras; a vigilância policial das sociedades operárias; autoridade da polícia para internar loucos e mendigos; "moradia do estrangeiro" controlada e fichada nos arquivos centrais da polícia; controle do espaço urbano pelos "agentes de rua"; formas de os poderes públicos violarem a correspondência não violando, com isso, os textos constitucionais; formas de retardar ao máximo a concessão de habeas corpus; os "vadios" e os "capoeiras" e as novas táticas a serem adotadas pelo Estado a fim de "extirpá-los"; a identificação do cidadão e outras formas de controle e pressão social; restrição às liberdades individuais etc.

Mas como o principal objetivo da Conferência era mesmo sufocar o movimento operário organizado, o tema mais abordado ao longo dos três meses de conluios no Rio de Janeiro foi a melhor maneira de combater as greves que tanto ameaçavam os grandes donos dos meios de produção. Quanto a isso, o relator Galdino Siqueira não poderia ter sido mais claro. Diante de seus pares, resumiu a disposição da reação, e sentenciou:

— Manifestada que seja a greve, a intervenção da polícia deve ter lugar!

Ah, aqueles nossos avós! Ironicamente, o conclave da opressão teve seu encerramento adiado pela grande greve geral dos trabalhadores de 1917. Havia emergido um impetuoso movimento das massas e, naquele momento, entre tantas coisas — desmobilizou os planos da repressão.

A autoridade do povo

Qualquer semelhança entre a reação patronal de 1917 e a repressão dos dias atuais não é mera coincidência, mas a prova de que, entra século, sai século, o patronato e seus lacaios instalados nas gerências partidárias estão sempre prontos a se rearmar e se reorganizar toda vez que a classe trabalhadora mostra com vigor a força de seu protagonismo na luta por sua própria liberdade.

Por exemplo, o que os representantes das classes dominantes entendiam como "ordem" em 1917 é o mesmo que entendem hoje os que ocupam a mesma posição. Diante do povo realmente mobilizado para reivindicar direitos, ou unido para lutar por seus interesses autênticos, ou organizado para resistir à miséria, à humilhação e à repressão, diante de tudo isso é comum ver os porta-vozes do patronato pedirem um "choque de ordem". E se os governantes de plantão não são rápidos o suficiente para servir aos interesses do capital, pedem um "choque de gestão"...

A colaboração entre polícia e judiciário em prol da repressão às massas é atualíssima, e pode ser comprovada na máquina de moer carne humana que essa dobradinha produz em nosso país. Além disso, se por um lado os governantes a serviço do patronato se encheram de pudores para acabar com greves na base do cacetete, por outro, o judiciário parece vir perdendo todos os pudores possíveis e imagináveis para solapar de vez com esse direito conquistado pelas massas trabalhadoras, através de uma sentença atrás da outra favoráveis aos patrões.

Quem deve mandar

Quanto às prioridades de investimento do dinheiro público nas mãos das gerências político-partidárias que ora ocupam os governos, a lógica continua a mesma: os recursos retirados à saúde e à educação do povo são usados para armar até os dentes as forças da repressão policial. O artifício do apelo à colaboração de classes é agora distribuído por instâncias que vão do sindicalismo pelego às ONGs, projetos esportivos e palavreado politicamente inócuo.

O próprio modelo de reunião pela repressão, o mesmo da Conferência Judiciária-Policial de 1917, continua sendo adotado em conferências mil, em congressos, fóruns, simpósios e que tais, como a Conferência Internacional sobre Segurança Pública realizada exatamente no Rio de Janeiro e em São Paulo, em 1999.

Atualmente, uma das estrelas desse tipo de conclave é o ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, que viaja pelo mundo afora pregando a idéia de Tolerância zero, que adotou na prefeitura daquela cidade no USA e que consiste basicamente em gerir a miséria, criminalizando tudo o que diz respeito às classes populares.

Rever o histórico das truculências desesperadas do poder econômico ao longo do tempo é constatar que suas artimanhas precisam sempre ser revigoradas e incrementadas para combater as massas organizadas e conscientes da sua autoridade. Mas isso não demonstra que o proletariado está condenado à submissão. Ao contrário: é a prova de que existe um processo revolucionário em curso, de que o povo trabalhador resiste à opressão, e de que os opressores cada vez mais precisam recorrer aos seus pacotes fascistas para enfrentar a força das massas.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira