Fascistas turcos ameaçam atacar os curdos

A- A A+

Uma agressão turca aos curdos do norte do Iraque, a pretexto de "combate ao terrorismo" é iminente. O Estado fascista turco quer se aproveitar da morte de alguns soldados pra empreender uma grande campanha de repressão ao movimento de libertação nacional curdo, liderado pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão — PKK, que desenvolve a luta armada desde 1980. O Curdistão é uma região de aproximadamente 500 mil km² que se localiza na fronteira entre a Turquia, Iraque, Irã, Síria, Armênia e Azerbaijão.

Aos curdos sempre foi negado o direito de auto-determinação. A opressão desta nacionalidade pelos turcos data do Império Otomano e se manteve com o advento da república turca, que reprimiu cerca de 24 levantes populares dos curdos.

Há ainda a guerra popular que se desenvolve na Turquia desde a década de 1970, que visa destruir o Estado turco que oprime o próprio povo turco e várias nacionalidades.

Agora, os reacionários turcos tencionam invadir a parte do Curdistão ao norte do Iraque, região que conquistou uma liberdade vigiada após a invasão da coalizão imperialista liderada pelo USA.

Abaixo, segue nota do Partido Comunista da Turquia — TKP/ML, em defesa do povo curdo.

Mesmo as tropas sendo enviadas para o curdistão, isto não constituirá uma vitória do estado fascista turco!

Para nosso povo trabalhador de diferentes nacionalidades:

O Estado fascista turco decidiu, durante o "Grande Conselho Nacional Turco", onde toma suas decisões de aniquilação, santifica o nacionalismo, tece intrigas e faz o jogo de uma falsa democracia, iniciar uma nova operação externa. Tomou a decisão de atacar abertamente e de aniquilar as forças nacionais curdas e as massas trabalhadoras dentro e fora do país usando toda e qualquer oportunidade.

Desde sua fundação, o Estado turco, que tem uma história cheia de massacres, sempre negou a existência dos Curdos. Quaisquer reivindicações, pedidos ou palavras citando a existência dos Curdos foram sempre respondidas com massacres. Os Curdos sempre foram considerados como os ‘outros’, foram assassinados e sua existência nunca foi aceita.

A nação curda nunca aceitou essa negativa e essa devastação; tem resistido e se rebelado, mesmo sendo oprimida, morta e enviada para o exílio. Os 84 anos de resistência da heróica história curda merecem ser tomados como exemplo.

A estabilidade da resistência da nação curda alcançou o estágio que sempre mereceu ter, embora pague o preço de sofrimento e de massacres. Não há força capaz de tirar a nação curda do patamar que alcançou. Mesmo não querendo, as forças imperialistas e seu lacaio, o Estado turco, foram forçados a aceitar a existência dos Curdos. O Estado turco quer manter esta existência dentro dos limites do pacto nacional (o tratado nacional que estabelece certas regras para o Império Otomano) e quer que ele seja uma implementação do "turquinismo". Todos os esforços e agitação do Estado turco se concentram nisto.

Fica muito claro que a decisão de operação externa possui dois objetivos. Primeiro, intimidar o conflito em curso envolvendo a federação no Curdistão iraquiano; segundo, fazer com que as forças de resistência do Curdistão turco se tornem inativas. Também desta vez o Estado turco não vai ter êxito. A iniciativa da operação externa irá terminar da forma desapontadora como o foram as outras 24 operações.

Uma semana depois da decisão o Estado turco — que sofreu sérias perdas por causa das ofensivas das FDP (Forças de Defesa Popular) e teve de retornar das operações com as mãos vazias — começou a instigar as forças fascistas e reacionárias. Os escritórios provinciais e regionais do PSD (Partido da Sociedade Democrática) foram bombardeados, locais dos acampamentos curdos estão sendo atacados, manifestações e mobilizações estão sendo organizadas pelos fascistas que incitam o nacionalismo fazendo com que as pessoas coloquem bandeiras turcas na frente de suas casas; manifestações são incentivadas e aumenta o ódio contra os Curdos. Tudo isto cria uma base para jogar os trabalhadores curdos e turcos uns contra os outros e se perpetrar um massacre curdo dentro do país.

Os Curdos não estão sozinhos. Seus amigos são os trabalhadores turcos e os trabalhadores de diferentes nacionalidades. A mão do Estado turco que se levanta contra a nação curda será detida pelos amigos e operários da nação curda.

A luta da nação curda por seus direitos, para fazer com que sua existência seja aceitável e para decidir seu próprio destino, é justa. Quem divide e aterroriza é o Estado turco.

Abaixo a ditadura fascista!

Nenhuma força pode incitar os trabalhadores turcos e curdos a lutarem uns contra os outros!

Vamos nos posicionar contra a operação externa!

Viva o direito de autodeterminação!

Quebec, 28 de outubro.

Birô Externo do TKP/ML

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja