Greves se alastram pelo Brasil

A- A A+
Pin It
1 2
3 4
Cenas das greves das montadoras do Paraná

Paraná

Cerca de nove mil metalúrgicos das montadoras Volkswagen-Audi, Renault e Nissan, em São José dos Pinhais (PR) deflagraram greve no dia 20 de setembro por aumento salarial. Em duas massivas assembléias, eles decidiram que a paralisação prosseguiria até que suas reivindicações fossem aceitas. O movimento atingiu 82% dos trabalhadores, que conta com 11.000 operários.

A greve explodiu após 5 rodadas de negociação com o sindicato patronal, que oferecia menos de 8,5% — reajuste exigido pelos trabalhadores. Com a paralisação, os trabalhadores impuseram um sério prejuízo às montadoras transnacionais. A Renault deixou de produzir 2.800 automóveis, e a Nissan, 360. Na Volks, deixaram de ser fabricados 3.320 veículos.

Após cinco dias de greve e grande pressão dos trabalhadores, uma reunião foi realizada na Justiça do Trabalho e um reajuste de 7,44 % aprovado a partir de dezembro, com abono de R$ 1.500. A aceitação da proposta negociada com o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba não foi consensual entre os operários, e muitos ainda pretendiam prosseguir com a greve.

O movimento grevista foi encerrado em 27 de setembro e demonstrou grande disposiçaõ de luta e insatisfação com as condições de trabalho.

Polícia Federal

Os servidores da Polícia Federal continuam parados em todo o país. A greve começou em 25 de setembro e tem como motivo a reestruturação da carreira. Apesar da paralisação, os serviços de plantão e operações especiais são mantidos. Quando a greve completou um mês, a categoria decidiu em Assembléia Nacional manter a paralisação por tempo indeterminado.

Receita Federal

Cerca de 5 mil servidores da Receita Federal deflagraram greve nacional no dia 22 de outubro pelo cumprimento do artigo 12 da Lei 11.457/2007, que redistribui os funcionários no quadro da Receita Federal. Eles exigem que a transferência seja realizada com um Plano de Cargos e Salários, algo não cogitado pelo governo. Sem o Plano, eles perdem benefícios e têm os salários congelados. Se o governo não apresentar uma proposta, a categoria vai retornar ao trabalho no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), onde trabalhavam antes da criação da Super-receita.

Bahia

Os trabalhadores terceirizados da prefeitura de Salvador decidiram manter a greve, iniciada no dia 23 de outubro, por tempo indeterminado. Eles não recebem das empre sas Contacto, Conservadora Mundial e Porto Seguro, os tíquetes-alimentação, vale-transporte e o salário há três meses. As empresas alegam que a prefeitura não repassa o pagamento.

Os funcionários de saúde e educação protestaram em frente à prefeitura no dia 24 de outubro. O prefeito João Henrique (PMDB) não recebeu os manifestantes e eles decidiram manter a greve por tempo indeterminado.

Os agentes de combate a endemias estão parados desde o dia 11 de outubro devido ao atraso no pagamento do salário de setembro e pela migração de mais de mil funcionários para os quadros da Prefeitura. Atualmente, estão ligados ao Hospital Espanhol, contratado pela prefeitura para realizar o combate à raiva, dengue e leptospirose, mas o Hospital deu aviso prévio coletivo aos funcionários.

Os servidores dos Serviços auxiliares do Poder Judiciário do Estado (Sintaj), anunciaram greve por tempo indeterminado, no dia 25 de outubro. Eles exigem o cumprimento da progressão funcional por merecimento e escolaridade, prevista nos Planos de Cargos e Salários implantado em 2004. A progressão está pendente a três anos.

São Paulo

Os Agentes de Desenvolvimento Infantil (ADI) de Guarulhos estão em greve desde o dia 23 de outubro. Eles exigem a diminuição da carga horária de 40h para 30h semanais, mudança do nome do cargo de ADI para Professor de Educação Infantil e aumento salarial.

Mato Grosso do Sul

Os cortadores de cana da usina de açúcar e álcool da Fazenda Passatempo, município de Rio Brilhante, no Mato Grosso do Sul pararam no dia 18 de outubro. Eles exigiam melhores condições de trabalho e reajuste da diária. A greve durou quatro dias e após a intervenção — a pedido dos trabalhadores — do Ministério Público do Trabalho foi acordado que a usina fixe o preço provisório por metro linear cortado e defina o preço definitivo com a pesagem do caminhão com amostras da cana cortada. No acordo também ficou determinado que os dias de paralisação não serão descontados e serão pagos pela empresa como diária.

Mato Grosso

Em 22 de outubro entraram em greve os servidores do Judiciário do Mato Grosso. A paralisação é um protesto contra a não participação de representante do sindicato no Comitê Gestor que implantará o novo plano de carreiras.

Piauí

Os agentes de saúde de Teresina estão em greve desde o dia 2 de outubro. Eles reivindicam o aumento salarial de R$ 380 para R$ 532, inclusão de dependentes no plano de saúde, distribuição de protetor solar, mudança do regime celetista para estatutário e recebimento do incentivo SUS, no valor de R$ 81. Após várias reuniões, a Prefeitura afirma que não pode conceder o aumento.

Alagoas: um estado em greve
A.L.N.
Alagoas vive, desde o início do ano, um estado de mobilizações constantes. No primeiro semestre, cerca de 100 mil funcionários públicos fizeram greve por melhorias salariais e de condições de trabalho. Com o descumprimento dos acordos, várias categorias deflagraram novas paralisações no segundo semestre.

Apesar das ameaças ao movimento, os trabalhadores seguem firme com suas reivindicações. No dia 22 de outubro, o governador Teotônio Vilela (PSDB) anunciou que vai demitir os grevistas e algumas greves foram consideradas ilegais pela justiça.

Os policiais civis abriram o novo período grevista, no primeiro dia de agosto, reivindicando melhores condições de trabalho e equiparação salarial com os peritos criminais. Os trabalhadores da saúde pararam no dia 9 de agosto. O Movimento Unificado da Saúde — comando de greve dos 8,5 mil profissionais da saúde — foi engrossado pelos médicos e para-médicos do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), em 13 de outubro. No mesmo dia, os 1.100 servidores do Hospital do Açúcar, um dos maiores do estado, também se declararam em greve por falta de pagamento salarial. Os professores e funcionários administrativos da educação deflagraram greve no dia 10 de setembro.

Estudantes e professores da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), no dia 3 de outubro, iniciaram movimento grevista em defesa da universidade, que se encontra praticamente sem condições de funcionamento. Em 4 de outubro, paralisaram a BR-104 e após uma semana de paralisação os grevistas conseguiram arrancar do governo a liberação de R$ 1,4 milhão até dezembro, carga horária de 40 horas para 105 professores, contratação de professores substitutos, revisão do Plano de Cargos e Salários, concurso público em 2008 e formação de uma comissão para estudar a ampliação da assistência estudantil.

Em 16 de outubro, mais de cinco mil servidores das diversas categorias em greve, após manifestação no centro de Maceió, ocuparam o prédio da Secretaria estadual da fazenda (Sefaz) para protestar contra a falta de diálogo do governador. O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) tentou intimidar os manifestantes, que tinham acordado com a prefeitura que sairiam do prédio após a realização de uma assembléia, mas de forma truculenta o Bope invadiu a Sefaz nas primeiras horas do dia 17, quando, então, os grevistas decidiram continuar acampados na Praça Marechal Floriano Peixoto até 22 de outubro. A polícia continuou cercando e fustigando os manifestantes.

No dia 28 de outubro, dia do servidor público, centenas de trabalhadores marcharam pela orla de Maceió contra a inoperância do governo estadual. No dia 29 de outubro foi a vez dos defensores públicos deflagrarem greve por aumento salarial.

Até o fechamento desta edição todas as categorias continuavam em greve por tempo indeterminado.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja