Legalização das centrais coroa o peleguismo

A- A A+
Pin It

A Câmara dos Deputados aprovou em 17 de outubro último, a lei que reconhece as centrais sindicais como entidades representativas dos trabalhadores nacionalmente. Na verdade, isso é a coroação do peleguismo. Ela prevê claramente a ligação econômica das centrais com o Estado, minando a independência do sindicalismo.

A lei nº 1990/2007 (lei das centrais sindicais) é de autoria do Poder Executivo e será votada no Senado. Ela é resultado de um acordo espúrio entre o governo FMI-PT e as centrais pelegas — leia-se CUT, Força Sindical, Central Geral dos Trabalhadores, etc.

O acordo prevê o reconhecimento das centrais pela lei, a participação delas em negociações, fóruns, colegiados de órgãos públicos e outros locais onde sejam discutidos assuntos de interesse dos trabalhadores (art 1º, § II). Além da participação, as centrais têm garantido o repasse de verbas do governo federal, oriundos das contribuições obrigatórias pagas pelos trabalhadores.

O recurso para as centrais sairá da "conta especial emprego e salário", administrada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e sustentada pelo imposto sindical. Antes da lei, 20% da contribuição sindical ia para esta conta. Agora ela só receberá 10% e o restante será destinado às centrais.

Para ser reconhecida como central sindical, é necessário: filiação de 100 sindicatos em 5 regiões do país e de 20 sindicatos em pelo menos três regiões ; filiação de sindicatos de, no mínimo, cinco setores de atividade econômica e que representem, no mínimo, 7% do total de empregados sindicalizados nacionalmente.

A contribuição sindical paga pelos trabalhadores e descontada da folha de pagamento, agora depende da autorização expressa do trabalhador. Caso o trabalhador não autorize o desconto, deverá ir até o sindicato realizar o pagamento. O sindicato deve indicar ao MTE a qual federação, confederação e central sindical está filiado. Caso não seja filiado a nenhuma central, o dinheiro volta para o governo.

Tráfico de direitos trabalhistas

Esta lei, considerada pelos dirigentes das centrais pelegas como a coroação da democracia no país, não passa de coroação do peleguismo. Ao enviar o projeto para votação na Câmara, Lula disse que "tudo no Brasil seria mais simples se houvesse consciência de que 90% dos problemas podem ser resolvidos na mesa de negociação", o que deixa bem claro seu intuito ao propor a legalização das centrais.

Ele quer o apoio das centrais pelegas para aprovar a reforma sindical, trabalhista e previdenciária, abafando as manifestações dos trabalhadores. Com o novo poder adquirido pelas centrais, elas poderão negociar legalmente, em nome dos trabalhadores, em qualquer mesa de negociação. No contexto atual do sindicalismo brasileiro, e agora com o reconhecimento do atrelamento econômico, as centrais só negociam a perda dos direitos.

Os pelegos do movimento sindical são capazes de trocar qualquer direito conquistado a duras penas pelos trabalhadores por dinheiro e poder. O presidente da Federação dos Empregados no Comércio de São Paulo, Luiz Carlos Motta, afirmou recentemente que "a importância do custeio das centrais é decisiva, pois as entidades não existem sem dinheiro".

O montante que as centrais receberão é considerável. Segundo o deputado João Dado (PDT-SP), a transferência de receita às centrais para 2008 é de cerca de R$ 80 milhões, R$ 94 milhões em 2009 e R$ 103 milhões, em 2010. Ele afirmou ainda que "todas as centrais sindicais estão unidas em torno desse projeto".

O movimento sindical classista e combativo, porém, não precisa ser financiado pelo governo. Os próprios trabalhadores, certos de que o sindicato e a Central os representam, colaboram voluntariamente com o sustento das lutas e da estrutura sindical.

O modelo legalizado pelo gerenciamento Lula faz com que as centrais não precisem estar ao lado dos trabalhadores. É a aceitação tácita e acordada pelas centrais de que sua viabilidade econômica é garantida pelo governo, através do MTE e não pelos trabalhadores. As centrais que desagradarem ao governo, certamente, serão punidas "legalmente" pelo Ministério do Trabalho, já que este órgão, anualmente, publicará a lista das centrais legais.

As centrais que apóiam esta lei o fazem porque não podem confiar em sua própria base sindical para mantê-las economicamente. Talvez porque saibam que os trabalhadores e sindicatos combativos não se sentem representados por elas.

Claro que, como afirmaram Marx e Engels, em seu tempo, sob o capitalismo somente uma parte reduzida da classe podia ser organizada. Isto dado a tantas dificuldades e controle das patronais, seja diretamente nas unidades de produção, seja através do seu Estado. Mas, apesar disso a classe operária sempre poderá ter uma direção combativa que eleve a capacidade de luta da classe.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja