“Bagdá não será subjugada”

A- A A+

Na madrugada do dia 19 de março de 2003, o insistente soar das sirenes antiaéreas anuncia o esperado: um maciço ataque aéreo é desfechado contra Bagdá, a enorme metrópole de aproximadamente 5 milhões de habitantes, fundada no ano 762 depois de Cristo, por Abu Jaafar Al Mansur, e que foi o centro intelectual e cultural do Planeta por cerca de 500 anos.

http://anovademocracia.com.br/39/24.jpg

A invasão de 2003 culminou em mais uma sangrenta guerra entre as que já houveram por milênios nesse curioso país do Oriente Médio, com mais de 5.000 anos de história, considerado o berço da civilização. O Iraque corresponde a Antiga Mesopotâmia (região entre rios), uma zona de aluvião, localizada numa faixa de terra fértil às margens dos rios Tigre e Eufrates e zonas subjacentes, em meio a uma região árida e desolada.

As primeiras civilizações mesopotâmicas surgem com os sumérios, por volta do V milênio antes de Cristo, no sul da Mesopotâmia, em torno do Chat El Arab e no curso inferior do Rio Eufrates, onde hoje se localizam cidades como Basra, Abu Sahrain e Nassiriyah. Graças ao desenvolvimento da agricultura, que possibilitou a essa população abandonar a vida nômade de coleta de alimentos e da caça para se fixarem em aldeias, fundaram então os primeiros nucleos urbanizados que a humanidade tem conhecimento, como Ur, Uruk e Lagash. Desenvolveram um complexo sistema de irrigação e controle das cheias dos rios, garantindo assim o armazenamento de água para as estações mais secas. Praticavam a metalurgia, eram desportistas e astrônomos1. Possuiam uma medicina avançada, e eram peritos em astrologia. Criaram a primeira forma de escrita, conhecida como escrita cuneiforme, o que possibilitou o registro de transações comerciais, documentos estatais e algumas obras literárias, como a Epopéia de Gilgamés, onde temos o primeiro relato do Dilúvio.

Além dos sumérios, vários povos habitaram a região: babilônicos, assírios, caldeus, amoritas e acádios. Por ser uma zona fértil, situada no meio do caminho entre África e Ásia, a Mesopotâmia foi rota de vários povos nômades e expedições de conquista, sendo ocupada também por elamitas, persas, gregos e romanos. Posteriormente, os árabes islamizaram a região, que, a partir de então, passa a ser o maior centro intelectual e cultural do Planeta, originando assim a sociedade mais avançada a ocupar a região até o momento. Era o centro difusor do Islã universal.
Com seu enfraquecimento politico-militar, a Mesopotâmia é invadida e destruida pelos mongóis. Seguem-se sucessivas invasões, até que a região cai em poder dos turcos, e passa a ser provincia do Império Turco-Otomano. O Iraque moderno surge por volta de 1920, com o desmembramento do Império Turco-Otomano, passando então a ser zona de influência britânica, o que gerou fortes sentimentos nacionalistas e de independência.

Até que em 14 de julho de 1958, sob o comando do general comunista Abdul Karim Kassim, o exército iraquiano põe fim a essa dependência, derrubando a monarquia pró-ocidente do Rei Faiçal II, e proclamando a República do Iraque.

Divergências políticas estimularam o partido Ba’ath a preparar um golpe para derrubar o presidente Kassim, contando com auxílio dos serviços secretos norte-americanos. Em 8 de fevereiro de 1963, o plano do golpe militar é deflagrado. Centenas e centenas de militantes esquerdistas, e pessoas supostamente ligadas a eles, foram capturadas e executadas. O presidente Abdul Karim Kassim é capturado e executado no dia seguinte pelos militares, comandos por Ahmad Hassan Al Bakir. Saddam Hussein vai escalando posições, até que ascende a presidência do Iraque.

Motivos de ordem política e econômica levaram Saddam Hussein a preparar-se para uma guerra contra o vizinho Irã. Recebe então ajuda financeira das monarquias árabes do Golfo, assim como suporte de material bélico de paises ocidentais, a exemplo do USA. Em 22 de setembro de 1980, aviões de combate do Iraque bombardeiam várias regiões do Irã, enquanto divisões terrestres cruzavam a fronteira. Era o início duma sangrenta guerra que, durante mais de 8 anos, provocou a morte e mutilação de cerca de 2 milhões de pessoas, entre combatentes e civis, incluindo perdas materiais incríveis, e a devastação da biodiversidade das regiões de conflito.

O Iraque termina a guerra endividado. Então, Saddam Hussein voltou seus olhares para seu vizinho rico em petróleo, o Kuwait, um dos credores, e decide invadi-lo e anexá-lo. A invasão iraquiana gerou forte repúdio por parte da ONU e, por motivos de ordem econômica, também não era bem vista aos olhos dos norte-americanos. Com apoio da ONU, os Estados Unidos reuniram uma força militar abrangendo mais de 30 paises. Em 16 de janeiro de 1991, ante a negativa do Iraque em deixar o Kuwait, a força aérea norte-americana desfecha um ataque demolidor contra Bagdá, dando início a mais de um mês de ataques sistemáticos, que destruiram a infra-estrutura do Iraque e custaram a vida de milhares de civis.

A guerra deixou profundas cicatrizes no povo iraquiano2 e, não obstante o término oficial da guerra, o país continuou sendo bombardeado sistematicamente por EUA e Grã-bretanha durante a década de 90.

Em 2003, Estados Unidos acusam o Iraque de possuir armas de destruição massiva. Equipes de inspeção da ONU são acionadas no Iraque, mas nenhuma prova é encontrada. No entanto, ianques e britânicos (juntamente com outros governos aliados) decidem atacar o Iraque sem o aval da ONU, em aberto desrespeito aos orgãos internacionais.

Em 19 de Março de 2003, uma série de ataques aéreos com mísseis e bombas abre caminho para a invasão terrestre contra o Iraque. As forças iraquianas não tinham capacidade de resistir, o que possibilitou aos invasores avançarem bastante em territorio iraquiano, quase sem resistência.

Mas, os ianques não imaginavam a qualidade nem a magnitude da resistência que deveriam enfrentar após a rápida ocupação. Durante a decada de 90, prevendo uma futura invasão, as forças iraquianas treinaram longamente táticas de guerrilha urbana, o que lhes permitiria o engajamento no combate em condições mais equilibradas, compensando assim a tremenda desproporcionalidade de força. Nesse cenário de guerra, os mísseis, aviões de combate e blindados ianques, se mostraram inúteis. Até agora, a resistência tem se mostrado demolidora, e tudo indica que a desocupação do Iraque é apenas questão de tempo, pois o preço que os EUA e seus aliados estão pagando com a guerra é muito maior que os objetivos que o levaram a ela. A tática de bombarder cidades, torturar inocentes e detonar carros-bomba contra Mesquitas xiitas3 parece não ter dado certo, e o governo norte-americano se vê num atoleiro, de onde dificilmente suas tropas sairão com dignidade, como exemplifica Albayaty Abdul Ilah:

— Se alguém pretende controlar Bagdá pela força, nós dizemos que isso é impossível. Perguntem a todos os partidos, todos os poderosos e todos os regimes que tentaram controlar Bagdá pela força, desde que foi construída por Abu Jaafar Al Mansur até hoje. O destino de todos eles foi serem rejeitados.

E acrescento: quem não compreender nem assimilar a cultura do povo de Bagdá, herdeiro de todas as sucessivas civilizações do Iraque, deveria, juntamente com os seus chefes, voltar para de onde veio.

A cada criança e mulher morta, a cada civil inocente aniquiliado, parecem surigir mais combatentes dispostos a expulsar, pela fibra e determinação, o invasor. Os iraquianos têm algo que os agressores ianques não têm: os corações e mentes de seu povo, que rejeita qualquer aberração ideologica ocidental que se tenta introduzir no Iraque (vício do consumismo, tráfico de drogas e todo tipo de imoralidade difundida pelos meios de comunicação e outros segmentos, que acabam por gerar desestruturação familiar e da sociedade como um todo).

E por todo esse tempo, nenhum povo conseguiu dominar inteiramente a Mesopotâmia. E hoje não é diferente. Albayaty Abdul Ilah acrescenta:

— Perguntem aos estadunidenses se conseguem controlar Bagdá pela força.


1. Os mesopotâmicos sabiam diferenciar as estrelas dos planetas, previam eclipses e conheciam todos os planetas hoje catalogados. Dividiram o ano em meses, os meses em semanas, as semanas em sete dias, os dias em 24 horas, as horas em sessenta minutos e os minutos em sessenta segundos. A astronomia mesopotâmica, juntamente com a egípcia, serviu de base à astronomia dos gregos e muçulmanos, culminando na astronomia moderna desenvolvida na europa.
2. Grande parte dos armamentos usados pelos EUA no Iraque continham urânio empobrecido, um material radioativo que têm provocado a morte e enfermidade de milhares de iraquianos desde a Primeira Guerra do Golfo. A isso, soma-se o fato de que o conselho de Segurança das Nações Unidas impôs um embargo econômico ao Iraque, que impedia a importação de itens de necessidade humanitária ( material médico, generos alimenticios, e etc.)
3. Há fortes indícios de que agentes ianques e grupos ligados a eles, estejam provocando esses ataques com o objetivo de dividir a população iraquiana, tendo inclusive, detenções de invasores que pretendiam jogar carros-bomba cheios de explosivos contra localidades xiitas.

Rejeitem as ordens para assassinar iraquianos e salvem suas vidas

22 de noviembre de 2007
Nota de Workers World (www.workers.org):

Abu Mohammed, que assina esta mensagem, é porta-voz tanto do partido Baath, reconstituído depois da invasão, como da nova coalizão que compõe a resistência iraquiana e cuja formação foi anunciada em 2 de outubro último. Existem outras coalizões na resistência iraquiana que também agrupam milhares de combatentes. Esta nova mensagem reconhece que o rechaço à ocupação cresce entre as tropas ianques.

A todos os oficiais do exército ianque e aos homens e mulheres que estão com destino ao Iraque:

Agora que já estão conscientes de que tudo que seu presidente lhes disse antes de empurrá-los para o inferno iraquiano era uma mentira:

  • O Iraque não teve nenhuma relação com os ataques terroristas de 11 de setembro.
  • O Iraque não tinha armas de destruição em massa.
  • O Iraque não queria prejudicar os cidadãos do USA nem seus interesses.

Quando vieram como invasores, a população iraquiana não os recebeu com flores e caramelos, mas com balas e bombas. Seu combate no Iraque não foi nem tão fácil nem tão curto, mas um longo, sangrento e custoso pesadelo. Muitos de seus companheiros foram devolvidos a seus familiares em caixões, cadeiras de rodas, ou com enfermidades e problemas mentais.

Por que lutam? Por que fazem tantos sacrifícios e os enfrentam com tantos sofrimentos? Para manter em seus cargos Bush, Cheney, Rice e seu partido da guerra? Para ajudar as grandes empresas ianques, como a Halliburton (dirigida anteriormente por seu vice-presidente Richard Cheney) obtenham bilhões de dólares em benefícios? Para continuar a batalha até que sejam expulsos do Iraque depois de uma derrota humilhante?

Nós, mujahideen [combatentes pela liberdade] iraquianos, não tememos disputas com os estadunidenses. Não odiamos os habitantes do USA, mas seguiremos combatendo-os — como invasores e ocupantes de nossa terra — até que derrotemos seu exército e os mercenários. Os obrigaremos a repetir a humilhação da escapada desesperada da Embaixada ianque em Saigon. Por tudo isso, peço a vocês:

  • Terminem com sua participação nesta vergonhosa e perdida guerra.
  • Deixem suas armas e marchem.
  • Não disparem contra os combatentes iraquianos pela liberdade nem contra a população iraquiana.
  • Manifestem-se contra esta guerra vergonhosa e sangrenta.
  • Rechacem as ordens de seus criminosos comandantes para assassinar iraquianos.
  • Escapem para salvar suas vidas.
  • Nós, mujahideen iraquianos, estaremos rapidamente em sua unidade. Não têm escapatória que não seja a capitulação.
  • Prometemos salvar suas vidas e ajudá-los a regressar a seus lares, junto a suas famílias.

Abu Muhammed
Representante político do Partido Baath e da Frente Nacional Iraquiana Pan-árabe e Islâmica

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja