Patronato quer “reciclar” o povo para fazer chantagem

A- A A+
Pin It

A gerência FMI-PT, o oligopólio dos meios de comunicação que opera no Brasil e o patronato nacional estão empenhados — e afinados — em mais uma campanha orquestrada contra o povo trabalhador. Trata-se da ladainha segundo a qual está sobrando empregos com carteira assinada no país e o que estaria faltando mesmo é gente capaz de desempenhar com competência as funções próprias destes postos de trabalho.

http://anovademocracia.com.br/39/19.jpg

Seria apenas um deboche, se não fosse um triplo embuste. Em primeiro lugar, porque tentam fazer o povo brasileiro acreditar que ele próprio é o culpado pelo desemprego e pelo subemprego que o penalizam dia após dia, ano após ano. Na verdade, trata-se do exato contrário: desemprego e subemprego são duas das mais eficazes armas sistematicamente utilizadas pela burguesia contra os trabalhadores, desde que o capitalismo é capitalismo.

Em segundo lugar, esta farsa tem por objetivo diluir a luta de classes em palavras ocas, caras ao patronato explorador, como "especialização", "qualificação" e "treinamento". O ardil consiste em tentar fazer vistas grossas ao antagonismo entre a burguesia e o proletariado, a fim de substituir as lutas populares contra o capital pela adequação do povo às necessidades da produção capitalista. Tenta-se ainda trocar a possibilidade de uma educação política voltada para o trabalho emancipador por um sem número de cursos técnicos destinados a formar a mão-de-obra que o empresariado quer.

Por fim, a conversa fiada sobre a abundância de empregos e a escassez de trabalhadores dignos destes empregos remete a uma imagem tão curiosa quanto inverosímil, a do patrão solitário em sua fábrica novinha em folha, pronto para compartilhar as benesses do seu empreendimento com quem se esforçar para aprender direitinho o ofício. Mas a realidade é bem menos cor-de-rosa: enquanto se exige do trabalhador mais esforço, mais produtividade, mais qualificação — sob pena de, caso contrário, cair ou permanecer no limbo do desemprego —, o que a burguesia oferece em troca são salários baixos e menos direitos e garantias.

Além de tudo isso, chega a ser uma injúria ao povo brasileiro quando algum membro da administração Luiz Inácio, algum representante de entidades patronais ou algum jornalista pouco familiarizado com a gente comum, quando algum deles vai para a TV pedir às pessoas que arranjem tempo e dinheiro para investir na própria "reciclagem" profissional.

Assim, a burguesia apresenta ao trabalhador duas opções: ou ele se vira para competir com outros trabalhadores por um lugar na linha de montagem, ou é desqualificado, descartado, humilhado. Mas os trabalhadores sabem que a escolha é outra, e urgente. E é entre a rendição à vontade do capital ou a luta contra a exploração.

A propaganda picareta da burguesia

Na verdade, não é que os empregos estejam sobrando; trata-se de uma estratégia dos patrões para qualificar o exército industrial de reserva a fim de garantir que até mesmo os desempregados saibam manejar a moderna maquinaria industrial — maquinaria instrumentalizada para servir à lógica capitalista, de acordo com o objetivo último que o poder econômico atribui à ciência e à tecnologia: substituir o trabalhador.

Pode parecer uma ironia da história, mas é apenas fruto da concorrência e da acumulação de capital: o trabalhador substituído pela máquina — ou que não arranjou emprego por causa dela — é exortado a aprender sobre o manejo desta mesma máquina. A propaganda burguesa afirma que deve fazer isso para o seu próprio bem, para o de sua família e para sua sobrevivência profissional.

Mas a propaganda burguesa, além de simplesmente vender o peixe da burguesia, é mentirosa. E o povo sabe disso. Sabe que quando recebe ordens da burguesia para se "reciclar", o que ela quer de verdade é garantir seu poder de chantagem sobre aqueles que estão mal empregados em suas empresas, recebendo baixos salários graças à permanente ameaça com o olho da rua.

Uma certa quantidade de força de trabalho desempregada é uma característica do modo de produção capitalista e um trunfo na manga do patronato. A concorrência e a necessidade de acumulação de capital tendem a aumentar a demanda por produtividade, mas não necessariamente por mais gente trabalhando. Isto porque grande parte desta necessidade de maior produtividade é suprida pelo trabalho mecanizado. A quantidade de trabalhadores recrutada pelos patrões será, portanto, determinada pelo equilíbrio entre a demanda por maior produtividade e o quanto essa demanda pode ser suprida pelas novas tecnologias de produção.

O que sobrar, o que não for necessário, é o exército de reserva do trabalho, que é usado como massa de manobra — de chantagem mesmo — para minimizar os gastos com o trabalho humano e aumentar os lucros.

Sempre foi assim. A diferença no Brasil de hoje — o Brasil onde a burguesia agora exorta a força de trabalho a se "reciclar" — é que as elites perceberam que, com sua ganância e truculência, sequer se deram ao trabalho de garantir um exército industrial de reserva com formação técnica e profissional suficiente para permanecerem de prontidão, à mercê dos interesses do capital.

Agora tentam correr atrás do prejuízo, com sua infinidade de cursos técnicos e profissionalizantes, tão badalados e anunciados aos quatro ventos como a única saída para a população marginalizada.

Mas o prejuízo é dos inimigos do povo, não do povo, como tentam fazer crer. É da burguesia, que tenta reduzir a grandeza e a força do povo à mera força de trabalho, empregada ou desempregada, à serviço dos interesses do patronato. Os trabalhadores não podem se deixar seduzir pela propaganda enganosa dos empregos fáceis e abundantes. Não podem, e não deixam: eles sabem que são os protagonistas de um processo revolucionário que não pode ser minado pelas tentativas do poder econômico de "reciclar" o povo a seu bel-prazer.

Exploração não é um destino

Uma das principais divulgadoras da propaganda enganosa da burguesia e desta mais nova campanha de difamação contra os trabalhadores brasileiros é a Rede Globo. A emissora abraçou de forma entusiástica a mentira de que sobram empregos e falta um povo capaz, e usa todo seu aparato para fazê-la repercutir. Em seus telejornais e programas de entretenimento, faz isso como uma espécie de atualização da velha ladainha desde sempre repetida pelas elites brasileiras: a de que a culpa pelos infortúnios das massas é das próprias massas — que, segundo os difamadores, seria constituída por um povo indolente, desonesto e incapaz.

Desde abril de 2007 o programa dominical Fantástico, da Rede Globo, um dos mais assistidos da grade de programação da emissora, colocou no ar uma série chamada "Emprego de A a Z", concebida e levada a cabo para insultar os trabalhadores brasileiros. O primeiro programa da série, por exemplo, foi intitulado "A de Aumento". Nele, a Globo tentou minimizar diante de seus telespectadores a questão salarial — objeto de tantos embates dramáticos e históricos, entre patrões e trabalhadores ao longo da história do país — reduzindo-a a um escárnio. O responsável pelo texto da série escreveu:

"A maneira mais prática de pedir um aumento é chegar no chefe, encarar olho no olho, e dizer: ‘Chefe, eu quero, preciso e mereço um aumento de 20%’. Nesse momento, o chefe poderá ter uma de três reações: 1. Gargalhada; 2. O chefe dirá ‘Veja bem’. E dará uma longa explicação. 3. O chefe dirá: ‘Mas 20% é pouco. Por que não 40%?’ Essa reação, até hoje, só foi conseguida com cobaias, em testes científicos de laboratório. Na vida real, isso nunca aconteceu".

O responsável pela redação deste deboche para com o povo trabalhador é Max Gehringer, que os marqueteiros do programa Fantástico apresentam ao público como "o seu consultor particular de carreira". Nada mais apropriado aos propósitos da Globo de incitar a divisão e a competição entre os trabalhadores.

Assim, a primeira lição que o "consultor particular" tenta empurrar goela abaixo da população é que lugar de trabalhador explorado é na sala do chefe, implorando pequenas porcentagens de aumento sobre seu salário de miséria, e não nas assembléias, reuniões e outras formas de articulação coletiva legítimas, realmente comprometidas com os interesses das massas, que devem ir além das negociações pontuais e apostam na combatividade de todo o mundo do trabalho.

Fazendo bico na Rede Globo, Max Gehringer não é "o seu consultor particular de carreira"; ele é um gerente, um oportunista, um administrador dos interesses da classe dominante, reconhecido capataz, com enorme prestígio entre a burguesia nacional. Foi diretor de várias grandes empresas multinacionais, como a Pepsi e a Elma Chips. Em 1999 foi escolhido em uma pesquisa da Gazeta Mercantil como um dos "30 executivos mais cobiçados do mercado". Quando fala para o povo, fala em nome dos inimigos do povo, ainda que apareça na TV com pele de cordeiro.

Gehringer é o garoto-propaganda das elites para incitar os trabalhadores a procurarem se "reciclar". No episódio "F de Formação", ele aparece dizendo o seguinte:

"Na década de 60, um jovem precisava de 3.000 horas de estudo para conseguir um emprego, ganhando três salários-mínimos por mês. Hoje para conseguir o mesmo emprego ganhando os mesmos três salários-mínimos, um jovem precisa de 12.000 horas de estudo. Quatro vezes mais tempo estudando, para ganhar a mesma coisa. Isso é justo? Isso é a realidade do mercado de trabalho".

É preciso rejeitar e denunciar os trombeteiros da burguesia e sua insistência em dizer que a realidade de exploração é um destino que deve ser aceito, e não algo que precisa ser derrotado pela força revolucionária dos trabalhadores. Diante disso, não adianta desligar a TV. O que adianta é resistir, lutar contra esta propaganda.

Entre um 'plim-plim' e outro, mentiras

O deboche das Organizações Globo para com o povo brasileiro permeia todos os ramos dos seus negócios. O oportunista Max Gehringer costuma repetir o lema patronal da "reciclagem" também na rádio CBN, de propriedade da Globo. Há algum tempo o Jornal Nacional, carro-chefe do jornalismo da empresa, vem exibindo matérias nesse sentido no último bloco do programa, como a do dia 7 de novembro, na qual se dizia que "de cada quatro vagas abertas pelas fábricas para profissionais qualificados, uma não é preenchida". A campanha de desqualificação dos trabalhadores chegou também à internet. No sitio G1, da Globo, o alvo é a juventude, logo ela, maior vítima do desemprego: "A falta de interesse dos jovens em formação técnica faz sobrar vagas de trabalho no país".

Segundo a Rede Globo, o trabalhador brasileiro não vem sendo explorado, aviltado, usurpado em seus direitos e garantias, ganhando mal e trabalhando em condições ruins. Segundo o material audiovisual produzido por ela, o trabalhador brasileiro vem sendo é preguiçoso.

No último mês de agosto, a emissora chegou a dedicar uma edição inteira do Globo Repórter a essas provocações. "O Globo Repórter revela um Brasil onde sobram vagas e faltam trabalhadores", dizia a chamada do programa. Em um dos trechos, intitulado "agricultores que semeiam casas", contou-se a história de um camponês do interior do Rio Grande do Sul que precisou fazer um curso de pedreiro para construir sua própria casa, e que agora mantém esperanças de conseguir um emprego na construção civil:

"O operário Izael Fagundes faz parte da turma que vai receber o diploma de pedreiro. A cerimônia é na obra mesmo, lugar que representa o esforço dos mais de setenta aprendizes que já participaram do projeto. São beijos, famílias orgulhosas, gente saltitando. E, nas mãos, uma ferramenta a mais para construir o próprio destino".

Como se vê, não importa saber os motivos que levaram o camponês Izael a abandonar a vida no campo e ingressar no exército de reserva da construção civil, um setor conhecido pelo talento de seus gerentes e diretores para fazer às vezes de capatazes da peãozada, tratando-os na base da truculência e da chantagem.

Para a Rede Globo o que importa é realizar, assim, entre um "plim-plim" e outro, o sonho maior da burguesia: ver os trabalhadores sendo explorados com um sorriso no rosto. Mas assim como é uma farsa — além de uma afronta o ardil das elites de dizer que o povo não está à altura dos empregos que lhe jogam na cara, a maior parte do jornalismo da Rede Globo também é ficção. Ou será que os camponeses brasileiros comprometidos com sua própria liberdade trocariam de bom grado os esforços e a luta pela terra pelo chicote de um feitor vestido de empreiteiro?

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja