Matador de Dorothy Stang será julgado de novo


Somente em março poderá ser fixada definitivamente a pena imposta a Rayfran das Neves Sales, que executou, por 50 mil reais, a missionária ianque Dorothy Stang, em fevereiro de 2005 no município de Anapu, sudoeste do Pará. Por seis votos a cinco, as Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça daquele estado anularam o julgamento de 23 de outubro, no qual a sentença decretada em Belém foi de 27 anos de prisão.

Para anular a condenação, o advogado de Rayfran Sales, César Ramos, impetrou habeas corpus, lançando mão de tese segundo a qual naquela oportunidade houve cerceamento de defesa: o juiz Raimundo Moisés Alves, que presidiu o julgamento, indeferiu a tese de "homicídio privilegiado pelo motivo de relevante valor moral", prejudicando assim o acusado.

No julgamento realizado em 23 de outubro na capital paraense, o júri acatou, por unanimidade (sete votos a zero) o argumento de que Rayfran executou a missionária por motivo torpe e com promessa de recompensa.

De acordo com o Ministério Público do estado, a morte foi encomendada por R$ 50 mil, pagos por fazendeiros da região. Durante o julgamento, o réu confirmou a autoria do crime, mas negou que tenha sido contratado para matá-la. O júri o condenou por homicídio duplamente qualificado.

O advogado César Ramos, no pedido de habeas corpus, reclamou que o juiz, ao não aceitar uma das teses da defesa, cerceou o réu no tocante ao direito constitucional de pleno direito de defesa.

A anulação do julgamento de 23 de outubro não significa, entretanto, que Rayfran ficará em liberdade até a realização de outro. Ele permanecerá preso, pois a decisão das Câmaras Reunidas não cessa a situação jurídica anterior, que determinava que Rayfran das Neves Sales aguardasse o julgamento na prisão.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin