Justiça do latifúndio manda para cadeia mais um camponês

A- A A+
Pin It

O mundialmente denunciado Massacre de Corumbiara, ocorrido em 9 de agosto de 1995 na fazenda Santa Elina, município de Corumbiara (Rondônia), que resultou na morte de 12 camponeses e deixou centenas deles feridos e barbaramente torturados, foi julgado pela justiça daquele Estado.

Como acontece nos julgamentos da justiça brasileira sobre os conflitos agrários, os policiais e latifundiários, responsáveis pelas mortes e torturas, são sempre inocentes e os camponeses, que lutam por um pedaço de terra, são sempre culpados. Cícero Pereira e Claudemir Ramos, trabalhadores e membros do acampamento, foram condenados. Seus advogados entraram com recurso contra a decisão. O recurso foi negado e mantida a condenação. Cícero Pereira foi preso no dia 11 de novembro do corrente ano em Ouro Preto d’Oeste (RO) e transferido para prisão em Colorado do Oeste (RO).

Enquanto prende Cícero, o Estado se nega a pagar as indenizações às vítimas do chamado Massacre de Corumbiara. O Comitê de Defese das Vítimas de Santa Elina — Codevise, denuncia que o ministro de "Direitos Humanos", Paulo Vanuchi, em recente visita a Rondônia disse "não ter nada a fazer" em relação às indenizações das vítimas do conflito de Santa Elina, ocorrido há mais de 12 anos em Corumbiara. A gerência Luiz Inácio, ignorando a decisão da Corte da OEA (Organização dos Estados Americanos) de punir o Estado brasileiro pelas atrocidades cometidas naquele conflito, ainda se nega a pagar as indenizações.

Polícia mata e diz que foi acidente de moto

Indignados com mais um crime cometido pela polícia a mando dos latifundiários do estado, camponeses pediram a abertura de inquérito pelo Ministério Público de Rondônia para apurar o assassinato do líder camponês Oziel por policiais à paisana quando cruzava em sua moto uma das ruas de Buritis, no dia 22 de novembro.

Numerosos integrantes da Liga, testemunhas do ato covarde, informaram que Oziel, que há mais de um ano estava acampado na região de Jacinópolis e preparava-se para a produção, fazia compras, em Buritis quando policiais civis à paisana,em carro particular, passaram a perseguilo em sua moto, exigindo que parasse. Por não dispor de carteira de habilitação, Oziel aumentou a velocidade, em vez de parar, e acabou caindo.

Era a oportunidade que os policiais bandidos esperavam. Em vez de socorrer o camponês, deram-lhe de imediato dois tiros à queima-roupa, na cabeça, levando o corpo para Porto Velho a fim de ser periciado. O laudo expedido pelo Instituto Médico Legal não faz qualquer referência aos tiros, atribuindo a morte de Oziel a um acidente de moto.

Durante o velório, em Theobroma, familiares, amigos e companheiros da Liga de Camponeses Pobres, após despedida emocionada a Oziel, resolveram entrar com ação no Ministério Público Estadual pedindo a exumação do corpo e abertura de inquérito para investigar as verdadeiras causas da morte do companheiro e exigir a punição dos culpados deste crime brutal.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja