Editorial - A real dimensão da crise

Estima-se que 20 trilhões de dólares (ou quase um terço do PIB mundial, de aproximadamente 66 trilhões, em 2006, segundo o FMI) serão torrados nessa crise do imperialismo. Dinheiro sem lastro, fictício e especulativo que só serve para arrancar às colônias e semicolônias o sangue de seus trabalhadores.

Os analistas burgueses, na tarefa de encobrir a realidade, insistem em atribuir às crises do capital causas externas. Para tal, chegam mesmo a utilizar escândalos financeiros, como o recente caso do banco francês Societé Générale, anunciado como operação fraudulenta de um executivo. Na verdade, são manobras contábeis utilizadas para encobrir a alta jogatina do sistema financeiro mundial e a crise que engendra. As causas dessas crises, porém, estão determinadas pelas contradições internas do capital, que, sendo insolúveis nos seus próprios marcos, só podem ser empurradas adiante.

De um momento para outro os "investimentos" se esfumam e o "crescimento" e o "desenvolvimento" cacarejado e alentado principalmente pelos oportunistas se revelam aos olhos das massas como uma grande fantasia.
De nada adianta os porta-vozes do capital financeiro no Brasil, repetidos por seus "comentaristas de economia" do monopólio dos meios de comunicação, dizerem todos os dias que "a crise da economia ianque não atingirá o Brasil, que tem fundamentos sólidos". Mais uma falácia para enganar as massas, que assistem diariamente aos noticiários revelando a queda das bolsas e o "nervosismo do mercado".

Sendo o maior importador do mundo, é evidente que uma crise no USA afetará as economias de todos os países que fazem comércio com a metrópole. E mais, sendo esta uma crise de todo sistema imperialista (países capitalistas desenvolvidos e colônias e semicolônias), é impossível imaginar que este ou aquele país dominado não será afetado por ela. As agências do sistema financeiro já se apressam em revisar os índices de "crescimento" dos grupos de países na tentativa de reorientar o fluxo de capitais e minimizar suas perdas.

O déficit na balança comercial ianque é tão gigantesco que não admira que os próprios financistas daquele país não tenham recursos para tirar seus bancos da tal crise das hipotecas — que é apenas a ponta do iceberg da crise do imperialismo. Os maiores bancos do USA e da Europa recebem socorro dos capitais de seus principais credores: Arábia Saudita, Kuwait, Bahrein, Emirados Árabes, Singapura, Coréia do Sul, China... capitais profundamente interessados em que o sistema financeiro imperialista não se desmorone, arrastando junto todas as frações das burguesias nativas serviçais do imperialismo nas semicolônias.

E o que disso tudo corresponde às massas?

As massas receberão, como sempre, os mais pesados fardos, as mais pioradas condições de existência, a miséria, a fome. Assim foi nas últimas crises e assim será enquanto o imperialismo reinar sobre os povos.

Acossadas e ameaçadas, as potências aumentarão o saque sobre as nações oprimidas, suas classes dominantes aprofundarão a exploração sobre os trabalhadores do campo e da cidade, para salvar o sistema e a si próprias. Inevitavelmente incrementarão ainda mais a repressão sobre as massas em vias de se rebelar nos quatro cantos do planeta e empurradas para a rebelião pela própria crise de superprodução relativa, quando abundam as mercadorias, enquanto milhões morrem de fome e, agora, até de sede.

Mas brilhantes são as perspectivas para as massas. Os planos imperialistas fracassam invariavelmente; derrotas são infligidas diariamente ao seu poderio militar pela heróica resistência iraquiana, que impede o domínio sobre importantes fontes de petróleo, vital para a sustentação do imperialismo atualmente. A mesma crise que esmaga os trabalhadores atiça e potencializa a resistência popular.

II

No Pará, onde os bravos trabalhadores da terra foram humilhados, torturados e encarcerados pela gerência estadual de Ana Júlia Carepa, do PT, a serviço dos latifundiários escravocratas, grande mobilização libertou os camponeses e desmascarou a chamada operação "Paz no Campo".

Todas as tentativas para isolar e classificar como criminosos os camponeses foram feitas, visando retirar todo o conteúdo popular e condená-los ao ostracismo. Editoriais e artigos raivosos se multiplicaram nos mais reacionários meios de comunicação, mas não contavam com a grande simpatia que a causa camponesa já despertou entre os setores democráticos da sociedade.

Grande foi o apoio da população de todo o estado do Pará. Comerciantes da região onde abateu a repressão, que já sentiam as cidades pulsando de progresso, ajudaram como puderam. Várias emissoras de rádio abriram seus microfones aos camponeses e advogados, até de São Paulo, se ofereceram para defender e tirar da prisão os trabalhadores encarcerados.

A farsa foi desmontada numa grande audiência pública que lotou a sede da OAB de Redenção. Lá, os camponeses não se amedrontaram com os chefes das polícias que os tentavam intimidar; relataram todas as sevícias com dignidade e revelaram a decisão de voltar para a terra, a mesma fazenda Forkilha que deverá, finalmente, ser libertada das garras dos latifundiários e suas organizações fascistas. E assim, todos os latifúndios do Brasil devem ter o mesmo destino.
Ademais, o operativo militar mobilizado para a repressão mostra que há uma verdadeira guerra declarada pelo velho Estado aos camponeses pobres. Toda a força dos latifundiários (legal e ilegal) está agora concentrada em debelar o movimento camponês revolucionário, que deslinda com o oportunismo eleitoreiro o caminho na luta pela conquista da terra e pela destruição completa do latifúndio e seu poder semifeudal.

Ao lado disso o gerenciamento do oportunismo, alardeando uma "reforma agrária de qualidade", exibe números de milhares de famílias "assentadas". Só não revela que estas são enviadas e instaladas nas regiões mais isoladas e inóspitas no centro do Pará, o que provoca imediata venda dos lotes pelos "assentados" a compradores sempre disponíveis. Nada mais que artifícios para legalizar a apropriação de terras por grandes madeireiros e criadores de gado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin