Contra a prisão de Monica Feria

http://anovademocracia.com.br/40/17b.jpg
Mônica Féria denunciou o Estado peruano por crime de genocídio

Reproduzimos abaixo trechos de uma nota enviada pelo Cebraspo – Centro Brasileiro de Solidariedade aos povos.

O CEBRASPO/Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e a Seção América Latina da ILPS (Liga Internacional de Luta dos Povos) repudiam a absurda prisão da advogada peruana Mônica Feria Tinta, feita pela polícia alemã, no dia 28 de dezembro de 2007, a pedido do governo peruano. E ao mesmo tempo contesta, veementemente, a possível extradição da advogada, solicitada ao final do ano passado pelo Ministério do Interior do Peru. Tal fato repete o arbítrio das recentes prisões de imigrantes progressistas na Europa, onde cresce a cada dia mais o fascismo de Estado que ultrapassa fronteiras.

As alegações apresentadas pela reacionária imprensa peruana, que acusou Mônica Feria de delinquente senderista, são inaceitáveis e só refletem, mais uma vez, a posição servil dos monopólios de imprensa aos interesses do imperialismo e das classes dominantes no Peru.

Ela é uma advogada, defensora dos direitos humanos, que em 1997 se apresentou à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Washington, justamente para denunciar o Estado peruano pelo crime do brutal assassinato de centenas de prisioneiros de guerra, detidos em presídio na capital, Lima, ocorrido em maio de 1992, sob o regime Fujimori/Montesinos. E em consequência desta corajosa atitude a CIDH acatou a denúncia e desenvolve, desde o ano de 2000, um processo contra o Estado peruano como responsável pelo terrível genocídio.

Foi ela que, ao questionar o caso do Presídio Miguel Castro Castro ante a CIDH conquistou uma vitória importante no final de 2006, quando uma sentença histórica foi promulgada pela Corte, considerando que as graves violações do direito das mulheres prisioneiras, que foram atacadas e violadas, davam lugar à uma responsabilidade agravada do Estado. O caso diz respeito ao massacre e torturas cometidos pelo regime de Alberto Fujimori contra 133 mulheres detidas e outros 450 prisioneiros neste presídio em Lima. (Ver documento publicado no Boletim nº 63, do Cebraspo, de 02/03/ 2007).

Ela fez as representações legais em nome das centenas de vítimas e conseguiu provar, perante a Corte, que o que sempre havia sido apresentado à sociedade peruana como um motim e uma operação legal de traslado havia sido um massacre perpetrado a sangue frio, com requintes de crueldade contra as mulheres, em particular.

E Mônica Feria nunca foi criminosa, como acusa a "justiça" peruana, nos anos 90. Mas estava prisioneira em 1992. É uma sobrevivente da covarde matança feita pelas forças policiais e militares do Estado peruano dentro do presídio, cujo objetivo cruel foi o de exterminar centenas de prisioneiros de guerra, quadros e militantes do Partido Comunista do Peru, considerados "terroristas".

Desde que foi libertada, em 1994, Mônica transferiu-se para a Inglaterra onde, desde então, na condição de advogada, tem se dedicado a defender as vítimas da política repressiva do Estado peruano. Em 2007 ela redigiu um impactante testemunho pessoal, que foi publicado em vários idiomas sob o título Eu conheço o inferno, eu vim do inferno....

Sua prisão foi pedida depois disso e a polícia alemã se prestou ao papel de obedecer as ordens do genocida e criminoso Estado peruano. Outros abomináveis massacres ocorreram nos últimos anos, em presídios no Peru. Em 1986, o presidente Garcia Pérez (hoje, novamente na gerência do velho Estado) ordenou a matança de 300 prisioneiros de guerra e presos políticos.

O Cebraspo manifesta sua solidariedade à advogada Mônica Feria e se une aos democratas, do Brasil e de vários países, na campanha por sua libertação imediata e contra a sua extradição!

10 de janeiro/2008

Índia
Jornalista é preso político

Govindan Kutty, redator e editor da revista People’s March (marcha popular), foi preso pela polícia do estado indiano de Kerala em 19 de dezembro de 2007. Ele é acusado de propagar a revolta e de estar envolvido em atividades ilícitas.

Seus advogados relatam que Govindan sofreu torturas por um dia antes que fosse entregue à custódia judicial. Toda sua documentação e o disco rígido de seu computador foram apreendidos. O Estado fascista indiano tenta incriminá-lo com base numa Lei de Prevenção das Atividades Ilícitas, mas está claro que se trata de uma prisão política. Govindan está em greve de fome desde a sua prisão em protesto contra os atropelos aos seus direitos à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa.

Ainda segundo informação de seu advogado, seu estado de saúde é grave por causa de sua idade (65 anos) e problemas crônicos de saúde.

A revista People’s March é uma publicação democrática e revolucionária que existe há nove anos na Índia. Está registrada no Registro de Jornais do Governo da Índia, é encontrada em bancas de todo o país e na Internet, no endereço peo plesmarch.googlepages.com . É um órgão da imprensa popular e revolucionária da Índia e publica sempre coberturas dos mais importantes eventos da Guerra Popular na Índia, denuncia as ações repressivas do Estado indiano e divulga também as revoluções de outros países, como as Filipinas, Nepal, Turquia e outros.

Está claro que essa é uma flagrante violação da liberdade de imprensa pelo Estado indiano, que vem empreendendo uma grande repressão aos movimentos populares daquele país, a exemplo do que denunciou a Associação Internacional dos Advogados do Povo — IAPL, em relatório publicado por A Nova Democracia nº 38.

Várias manifestações de repúdio a sua prisão estão sendo enviadas à Índia, exigindo sua libertação imediata e incondicional.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro