Rebelião popular em Tailândia - PA

Milhares de moradores de Tailândia — cerca de 260 km de Belém — protagonizaram um grande levante contra uma megaoperação de várias esferas do Estado na cidade em 19 de fevereiro.

Quando fiscais do Ibama, protegidos pela polícia começaram a fechar as madeireiras da cidade, a população cercou os agente do Estado, isolou-os de um lado do rio que corta a cidade e permaneceu do outro lado dando combate aos policiais. A polícia atirou contra os manifestantes, que revidaram com pedras e paus. O combate perdurou por doze horas e a justa ira das massas não perdoou nem mesmo o Fórum da cidade, que foi atacado.

Tailândia tem aproximadamente 60 mil habitantes e desde a sua fundação na década de 70 vive em função da extração de madeira da floresta amazônica, grande parte realizada ilegalmente. Estima-se que 70% da economia do município dependam dessa atividade, que emprega grande parte da população, seja na extração, beneficiamento em serrarias ou fornos de carvão que abastecem os produtores de ferro gusa no Pará e no Maranhão.

Durante anos as massas mais empobrecidas, principalmente camponeses pobres foram expulsos de seus lares e terras para as regiões mais inóspitas da Amazônia, desbravando terras para serem ocupadas pelo latifúndio logo em seguida. Hoje, populações como a de Tailândia se vêem encurraladas, obrigadas a efetuar trabalho em péssimas condições, muitas vezes em atividades ilegais.

Quando a população de Tailândia se viu na iminência do desemprego e também de novo deslocamento forçado, defendeu a única coisa que tinham, os empregos. Sim, porque acabar com o desmatamento da Amazônia para os gerentes semicoloniais significa fazer com que as populações que lá habitam morram de fome, enquanto os donos das grandes madeireiras, muitas transnacionais, já podem "alugar" um pedaço da floresta dentro da lei.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin