Rebelião popular em Tailândia - PA

A- A A+
Pin It
Milhares de moradores de Tailândia — cerca de 260 km de Belém — protagonizaram um grande levante contra uma megaoperação de várias esferas do Estado na cidade em 19 de fevereiro.

Quando fiscais do Ibama, protegidos pela polícia começaram a fechar as madeireiras da cidade, a população cercou os agente do Estado, isolou-os de um lado do rio que corta a cidade e permaneceu do outro lado dando combate aos policiais. A polícia atirou contra os manifestantes, que revidaram com pedras e paus. O combate perdurou por doze horas e a justa ira das massas não perdoou nem mesmo o Fórum da cidade, que foi atacado.

Tailândia tem aproximadamente 60 mil habitantes e desde a sua fundação na década de 70 vive em função da extração de madeira da floresta amazônica, grande parte realizada ilegalmente. Estima-se que 70% da economia do município dependam dessa atividade, que emprega grande parte da população, seja na extração, beneficiamento em serrarias ou fornos de carvão que abastecem os produtores de ferro gusa no Pará e no Maranhão.

Durante anos as massas mais empobrecidas, principalmente camponeses pobres foram expulsos de seus lares e terras para as regiões mais inóspitas da Amazônia, desbravando terras para serem ocupadas pelo latifúndio logo em seguida. Hoje, populações como a de Tailândia se vêem encurraladas, obrigadas a efetuar trabalho em péssimas condições, muitas vezes em atividades ilegais.

Quando a população de Tailândia se viu na iminência do desemprego e também de novo deslocamento forçado, defendeu a única coisa que tinham, os empregos. Sim, porque acabar com o desmatamento da Amazônia para os gerentes semicoloniais significa fazer com que as populações que lá habitam morram de fome, enquanto os donos das grandes madeireiras, muitas transnacionais, já podem "alugar" um pedaço da floresta dentro da lei.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja