Camponeses ocupam latifúndios, barragens, estradas e ferrovias

Deserto verde e improdutivo – Rio Grande do Sul

Na manhã de terça-feira, 4 de março, mais de mil mulheres da Via Campesina ocuparam a fazenda Tarumã, no município de Rosário do Sul, a cerca de 400 quilômetros de Porto Alegre. A área de mais de dois mil hectares pertence à transnacional sueco-finlandesa Stora Enso. A empresa não poderia ser proprietária de terras na faixa de 150 quilômetros da fronteira do Brasil com outros países, conforme a lei nº 6.634 de 1979. Para facilitar a invasão do território brasileiro por grupos estrangeiros, tramitam na Câmara federal projetos que reduzem esse limite para 50 quilômetros.

Assim como outros protestos no Rio Grande do Sul, a ocupação fez parte da Jornada de Luta das Mulheres da Via Campesina, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

Logo no dia seguinte (5), um grande contingente da Brigada Militar do Rio Grande do Sul invadiu o acampamento e no confronto que se seguiu centenas de mulheres ficaram feridas. As crianças foram separadas das mães e mantidas com as mãos na cabeça. Em seguida, camponeses da Via Campesina e do MST interditaram cinco estradas federais e três estaduais do Rio Grande do Sul, além da ocupação da fazenda Bota da Aracruz, no distrito de Encruzilhada do Sul, que também possui cerca de 500 hectares de eucalipto e mais de mil improdutivos — que os latifundiários chamaram de “área de preservação permanente”. Na mesma semana também foram realizadas caminhadas da Via Campesina em Porto Alegre e Santana do Livramento.

Ferrovia ocupada - Minas Gerais

Na segunda-feira, 10 de março, camponeses do MST e mulheres da Via Campesina, ocuparam uma das principais ferrovias da mineradora Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. A estação foi cercada com arames e a estrada de ferro com pneus.

Uma barragem que será construída na região inviabilizará o sistema de esgoto da cidade e dará origem a uma série de graves impactos ambientais. Os camponeses exigem a reavaliação das condições para a construção da barragem.

Dia internacional de luta contra as barragens – Maranhão

Em 11 de março, no Maranhão, cerca de 300 manifestantes acamparam na entrada do canteiro de obras da usina hidrelétrica de Estreito, localizada no município de mesmo nome, divisa com Tocantins. Os manifestantes reivindicam melhores indenizações aos atingidos pela barragem e a criação de um fórum para a discussão dos problemas decorrentes da construção da hidrelétrica.

Em Porto Velho, Rondônia, cerca de mil manifestantes do Movimento dos Atingidos Barragens ocuparam a unidade termelétrica Rio Madeira. Eles exigem o assentamento de pessoas que foram desabrigadas com a construção da Usina Hidrelétrica de Samuel, na década de 80, também em Porto Velho. Os camponeses denunciam que 650 famílias não foram assentadas e nos assentamentos montados, a infra-estrutura é precária.

Os protestos pararam obras de uma usina hidrelétrica e de um projeto hídrico no Ceará e anteciparam o dia internacional de luta contra as barragens, comemorado em 14 de março.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro