A vida no romance machadiano

Em 2008 completam-se cem anos do falecimento do escritor Machado de Assis. Fundador da Academia Brasileira de Letras, o carioca do morro do Livramento é considerado um dos maiores romancistas brasileiros. Aos 42 anos, publicou Memórias Póstumas de Brás Cubas, obra que antecipa procedimentos modernistas e descobertas da psicanálise e eleva a literatura brasileira a um patamar jamais atingido.

http://www.anovademocracia.com.br/42/20.jpg
Machado de Assis foi o precursor do Modernismo no Brasil
A década de 80 do século XIX no Brasil ficou marcada pelos acontecimentos que promoveram a reestruturação do Estado Brasileiro. Pressionada pelo capital internacional em expansão, principalmente o inglês, a classe dominante brasileira tratou de promover um rearranjo no cenário político nacional, proclamando uma república e adequando o país às exigências impostas pelo imperialismo da época.

Essa mesma década marca a introdução do realismo no Brasil, criando um divisor de águas no campo da literatura nacional. O chamado Realismo na literatura brasileira compreende uma manifestação literária marcada pela oposição à tendência idealizante do Romantismo e pela atitude crítica em relação à sociedade.

Memórias Póstumas de Brás Cubas representa o marco introdutório do realismo no país e foi publicado originalmente como um folhetim, em 1880, em capítulos na Revista Brasileira. Em 1881 saiu em livro, causando espanto à crítica da época, que se perguntava se o livro tratava-se de fato de um romance: a obra era extremamente ousada do ponto de vista formal, surpreendendo o público até então acostumado à tradicional fórmula romântica.

A vida, e não a morte de Brás Cubas

O romance tem uma perspectiva deslocada: é narrado por um defunto, que reconta a própria vida, do fim para o começo, num relato marcado pela franqueza e incisão. É Brás Cubas, personagem de grande densidade psicológica, quem comenta as suas próprias mudanças.

A estrutura de Memórias Póstumas de Brás Cubas tem uma lógica narrativa surpreendente e inovadora. A sequência do livro não é determinada pela cronologia dos fatos, mas pelo encadeamento das reflexões do personagem. Uma lembrança puxa a outra e o narrador Brás Cubas, que prometera contar uma determinada história, comenta todos os outros fatos que a envolvem, para retomar o tema anunciado muitos capítulos depois.

Organizados em blocos curtos, os 160 capítulos de Memórias Póstumas... fluem segundo o ritmo do pensamento do narrador. A aparente falta de coerência da narrativa, permeada por longas digressões, dissimula uma forte coerência interna, oferecendo ao leitor todas as informações para conhecer a visão de mundo de um homem que passou pela vida sem realização nenhuma, apenas ao sabor de seus desejos.

A linguagem Machadiana que revoluciona

Usando a metalinguagem, Machado convida o leitor a refletir sobre a estrutura da obra e perceber dois níveis de leitura: a que revela diretamente o personagem e a que o faz objeto de crítica do autor.

O leitor de Machado é constantemente solicitado a interagir criticamente com a obra, distanciando-se ainda mais do modelo de leitura proposto pelos romances românticos, que mobilizam a emoção e a imaginação.

A digressão é outro elemento importante da linguagem machadiana. Consiste na interrupção do fluxo narrativo, que envereda por assuntos desvinculados do tema inicial, mas mantendo com ele alguma analogia criada pela mente de quem conta.

O caráter inovador de Memórias Póstumas de Brás Cubas não está na sequência cronológica dos fatos ou na história propriamente dita. A melhor chave para compreender a obra são as reflexões do personagem, como elas se encadeiam e se misturam aos eventos que ele vive.

O mais importante da obra certamente não é o enredo e sim a linguagem utilizada por Machado de Assis. A denúncia tácita da sociedade, por meio do humor e de uma leve ironia.

Existem críticos que apontam Machado como uma ponte entre estilos. Entendemos que a leitura de Memórias Póstumas... elucida alguns fatos e nos mostra um escritor que luta incansavelmente para furar o bloqueio do preconceito e que defende um estilo literário ligado ao momento histórico e as demandas sociais e políticas.

Ademais, introduz o realismo não só como uma linguagem, mas como uma apreciação pelo desenvolvimento científico impulsionado com a nova revolução industrial.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza