Reforma tributária para a burguesia

A- A A+

Em 28 de fevereiro último, o ministro da fazenda Guido Mantega apresentou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma tributária, no Congresso Nacional. O projeto reduz a carga tributária de empresas, enquanto a maioria do povo continuará pagando impostos altíssimos.

http://www.anovademocracia.com.br/42/06.jpg

A PEC ainda não está fechada, já que o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP) encomendou um estudo para que todas as propostas anteriores fossem discutidas e condensadas.

As principais modificações previstas pela PEC encaminhada pelo executivo são:

1Alteração nas alíquotas do Imposto de Renda da Pessoa Física, mas os percentuais ainda não foram definidos;

2Substituição da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Programa de Integração Social (Pis), Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e Salário Educação pelo Imposto sobre o Valor Agregado Federal (IVA-F);

3Redução de impostos de alguns produtos da cesta básica como o óleo de cozinha, pão e açúcar, através do novo IVA;

4Redução da contribuição patronal previdenciária dos empregados de 20% para 14%;

5Criação de um fundo de desenvolvimento regional para compensar os estados que perderão receita com a fixação do ICMS nacional;

6A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido será incorporada ao Imposto de Renda da Pessoa Jurídica;

7Definição de um ICMS com alíquota nacional, acabando com a chamada "guerra fiscal" (incentivos fiscais concedidos pelos estados mais pobres para atrair empresas e investimentos).

Especula-se que o relator do projeto será o deputado estadual Sandro Mabel (PR-GO), conhecido industrial do ramo alimentício, "auxiliado" pelo ex-ministro Antônio Pallocci. Não fossem as medidas anunciadas, só a escolha do relator já seria suficiente para afirmar que esta reforma virá em benefício das grandes empresas em detrimento dos pequenos e médios empresários e do povo brasileiro.

Aumento de tributos

A proposta mal foi apresentada e já gerou reações contrárias de economistas e advogados tributaristas. Eles afirmam que, ao invés de reduzir tributos, a medida pode ser uma forma camuflada de aumentá-los.

O Projeto não é suficientemente claro nas alterações que sofrerão as alíquotas dos impostos. A desconfiança dos estudiosos baseia-se em afirmações e justificativas como as apresentadas pelo ministro Guido Mantega:

— Faz-se necessário, no entanto, um ajuste nas normas constitucionais relativas ao imposto de renda, de modo a permitir que possam ser cobrados adicionais do IRPJ diferenciados por setor econômico, a exemplo do que hoje já é permitido para a CSLL. Ou seja, os novos impostos federais passam a arrecadar mais para suprir as fontes das extintas contribuições e, em consequência, as receitas dos impostos, destinadas a suprir as finalidades das extintas contribuições, são excluídas da base de cálculo das partilhas, mantendo-se a neutralidade no resultado final. — afirmou o ministro, expondo motivos.

O presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) Gilberto Luiz do Amaral, chama a atenção para o IVA Federal. Segundo ele, o imposto terá uma base de incidência muito maior do que a das contribuições atuais, já que incidirá sobre toda transação expressa em valor monetário que não seja circulação ou transmissão de bens. Para Gilberto Amaral, a intenção é criar uma Super CPMF.

Na exposição de motivos, o Ministro afirma que os objetivos da proposta são: simplificar o sistema tributário nacional, avançar no processo de desoneração tributária, etc, para estimular a atividade econômica e a competitividade do país.

Nada para o povo

Em nenhum momento tocou-se na questão da diminuição da carga tributária que incide diretamente sobre o povo. A desculpa é que desonerando as empresas, os descontos serão repassados aos produtos e o povo poderá consumir mais com preços menores. Nem o mais ingênuo dos economistas seria capaz de acreditar em tamanha aberração.

Os empresários e organizações patronais aplaudiram o projeto de reforma, dizendo que "ainda não é a reforma esperada, mas é a possível". Uma das medidas anunciadas pelo governo que mais beneficiará os grandes empresários será a redução da contribuição previdenciária dos empregados de 20% para 14%.

O governo afirma que haverá outras formas de financiar a previdência. Vale lembrar que em 2003 o mesmo governo realizou a reforma da previdência, alegando quebra do sistema, fazendo com que os trabalhadores perdessem vários direitos, inclusive aumentando o tempo de serviço, de contribuição e de idade para a aposentadoria.

Outro fator a considerar é que com a extinção recente da CPMF, a primeira medida do governo foi cortar todos os aumentos e reposições salariais negociados no ano anterior. Com todos estes fatos fica difícil imaginar de onde o governo vai tirar dinheiro para suprir o rombo que significará a redução da contribuição patronal previdenciária.

Reforma de verdade

Uma pesquisa realizada recentemente pelo IBTP mostrou quanto os tributos pesam no bolso dos brasileiros.

A carga tributária correspondeu, em 2007, a 35,06% do Produto Interno Bruto do país e houve um aumento de 14,05% nos tributos federais. A arrecadação diária, em 2007, foi de R$ 2,53 bilhões. Cada brasileiro pagou de impostos, em média, R$ 4.943,15, no ano passado.

Uma reforma tributária de verdade seria aquela onde o povo pudesse ver o retorno econômico no bolso. Mas além de pagar tributos altíssimos, no Brasil, percebe-se claramente que o dinheiro dos impostos é utilizado para muita coisa, menos para o fim a que se destina em lei.

Existem hoje, no Brasil, 82 tributos, segundo o sítio Portal Tributário. Destes impostos, a maioria é embutido em serviços e produtos e o povo muitas vezes não vê o peso que eles têm nos valores finais.

Mas há também uma série de impostos que são pagos diretamente pela população, como o Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU), Imposto sobre Operações de Crédito (IOF) e diversas taxas para conservação, limpeza, esgoto, iluminação pública, etc.

Uma reforma tributária que viesse em benefício de todo o povo, prezaria por diminuir os percentuais cobrados nesses impostos e não naqueles que pesam diretamente sobre os cofres dos grandes empresários.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja