Briga PT x PSDB no Congresso é só diversionismo

A- A A+

A farsa da democracia representativa distorce, através da fraude, da corrupção e da pura enganação, as intenções do eleitorado. Comprovação a mais de sua falência é a atual legislatura do Congresso Nacional. Assim como todas as que a antecederam, ela não guarda a menor relação com os interesses da imensa maioria da sociedade brasileira.

http://www.anovademocracia.com.br/42/03.jpg

Em uma semicolônia, o parlamento cumpre duas funções: primeiro, servir como fachada de uma pseudo-democracia e, segundo, ser o espaço onde os lobistas, os mafiosos, os oportunistas em geral e alguns ingênuos, além de referendarem a farsa "democrática", atuam com a intenção de tirar o maior proveito possível para as classes dominantes de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, subdivididos em frações e grupos de poder.

A pugna entre estas frações, por decidir quem abocanha mais o resultado do trabalho da nação, entretanto, combina-se com o conluio para servir ao imperialismo. O empurra-empurra, o disse-me-disse, as declarações altissonantes tanto da "situação" como da "oposição" nada mais são do que o jogo de cena para encobrir as verdadeiras negociações de bastidores, ou de covil, melhor dizendo.

A constituição de CPIs faz parte deste jogo no qual cada fração organiza os seus cacifes para chantagear as demais e galgar melhores posições, ou manter as que já possui.

A montagem do dossiê — ou banco de dados, como quer a ministra Dilma Roussef — sobre os gastos "secretos" de FHC e Dona Ruth são a contrapartida do PT para barrar as investidas do DEM e do PSDB na apuração dos gastos de Luiz Inácio e sua família.

Esta é uma questão crucial para manter a estratégia petista de manter Luiz Inácio descolado de qualquer aspecto negativo — escândalos não têm faltado — existente dentro de seu gerenciamento.

Seria demais não estar inteirado dos próprios gastos. Sobre isto, Luiz Inácio não poderia alegar desconhecimento, como tem sido a sua prática em relação a todos os desmandos, descobertos até agora, no âmbito do Palácio do Alvorada, dos ministérios e do próprio PT.

Apesar de sua "popularidade" ser construída em cima da chantagem sobre as massas de miseráveis do país e de uma gastança sem limites com publicidade enganosa, o fato de ter que responder pessoalmente por improbidade e corrupção — fator único, pelo que parece, a abalar carreiras políticas no vigente simulacro de democracia — seria um forte elemento a derreter a imagem do "operário padrão".

Por outro lado, se o PSDB e o DEM procuram usar o episódio do vazamento de informações para montar suas trincheiras e, de quebra, queimar a candidatura da "mãe do PAC", que Luiz Inácio vinha promovendo em seu périplo eleitoreiro pelo Brasil, ele ameaça com o "terceiro mandato". O que de conto poderá virar fato diante da falta de alternativas viáveis de sua base de sustentação, que assim se verá obrigada a aprovar mudança constitucional cuja matéria tramita no Congresso.

Quinta coluna

Tanto a administração de Cardoso quanto a de Luiz Inácio cumpriram e cumprem o papel de quinta coluna do imperialismo em nosso país e não foi solicitada nenhuma CPI para apurar as privatizações nem os pagamentos da maiores taxas de juros do mundo aos banqueiros. Estes crimes de lesa-pátria são desconsiderados por este congresso de faz-de-conta enquanto gastos com tapiocas e vinhos são alardeados em tom de grande seriedade, tudo para tentar justificar perante a nação o jeton de "suas excelências".

Aí reside o diversionismo do qual a imprensa dos monopólios participa com entusiasmo, futricando cada escaninho da burocracia para apresentar mais uma "falta de ética" ou "deslize", enquanto se faz vista grossa à pilhagem da nação e superexploração, que arranca dos trabalhadores direito após direito, continuamente promovidas pelos diferentes gerenciamentos.

Como revelou a reportagem da edição passada de AND, os donos do poder estão pouco se importando com as querelas entre as duas siglas que compõem o monopartidismo parlamentar. A matéria mostrou sobejamente que o caráter do Estado brasileiro permanece inalterado desde o período do gerenciamento militar-fascista, passando por Sarney, Collor/Itamar, Cardoso e Luiz Inácio.

A rapina praticada, principalmente, pelo imperialismo ianque em nosso país é articulada por "respeitáveis" instituições cujos laços com a alta burocracia são mantidos por ex-ministros e ex-executivos de autarquias e estatais, com pareceres comprados de outros ex-ministros do supremo e, finalmente, transformados em medidas provisórias ou projetos de lei que serão homologados pelo servil parlamento.

Farinha do mesmo saco

Com a fidelidade já demonstrada e comprovada de PSDB e PT, para o imperialismo, a disputa, que já começou, para ver quem continuará na gerência de seus interesses a partir de 2010, não trará qualquer alteração para o país e o povo. Tanto um como o outro cumprirá, com fidelidade canina, as determinações emanadas de Washington.

Para o nosso povo, por demais descrente deste viciado e corrupto processo eleitoral, cada vez mais se coloca a necessidade de uma revolução democrática no país através da qual se mude radicalmente a lógica da subjugação nacional e se inicie um processo de construção de nossa verdadeira independência. Uma revolução democrática que, confiscando as terras do latifúndio e os capitais da grande burguesia e do imperialismo, de forma soberana, integre o campesinato, o proletariado, as camadas pequena e média do empresariado, a intelectualidade, enfim, as classes exploradas pelo imperialismo e seus lacaios na construção de um Estado de Nova Democracia.

Aos que acham que não existe outra forma de governar o país que não seja através da farsa da velha democracia representativa, o Estado de Nova Democracia terá como centro do Poder a Assembléia Nacional do Poder Popular.
Aos que defendem que só com a submissão ao sistema financeiro e às transnacionais poderá funcionar a economia nacional, o Estado de Nova Democracia provará o contrário com a entrega da terra aos camponeses sem terra ou com pouca terra e nacionalização dos principais ramos da produção do país, direcionando-os para a satisfação imediata das necessidades, principalmente do povo mais pobre, alavancando o desenvolvimento através do pleno emprego, garantindo, assim, a melhoria urgente das condições de vida do povo.

Aos apologistas da depravada cultura imperialista o Estado de Nova Democracia responderá com o desenvolvimento de uma cultura que seja nacional, científica e de massas.

Longe de ser uma quimera, o Estado de Nova Democracia se constituirá, em breve, no projeto de cada vez mais parcelas de nosso povo. O aprofundamento da crise geral do imperialismo e a situação revolucionária, em desenvolvimento, na América Latina e no Brasil, cobram, com urgência, o surgimento de uma direção para este processo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja