A resistência antifascista por outra ótica

A- A A+

O premiadíssimo O Labirinto do Fauno foi lançado em 2006 e segue sendo um dos melhores filmes produzidos nos últimos anos. O filme foi vencedor de três indicações ao Oscar e sete no prêmio Goya. De autoria do roteirista e diretor mexicano Guillerme Del Toro, apresenta uma fábula passada durante a Guerra Civil Espanhola, em 1944, recheada de metáforas.

http://www.anovademocracia.com.br/43/24.jpg

A película de 112 minutos tem no elenco — basicamente mexicano — Ivana Baquero (Ofélia), Doug Jones (Fauno), Sergi López (Capitão Vidal), Maribel Verdú (Carmem), Alex Ângulo (Doutor Ferreiro), Roger Casamajor (Pedro), César Vea (Serrano), Federico Lupi (Casares) e Manolo Solo (Garcés), nos papéis de maior destaque. A atuação dos atores é impecável, com destaque para a pequena Ivana Baquero, que maravilhosamente protaganiza Ofélia.

Fantasia e realidade

A história se passa na Espanha de 1944. Oficialmente, a Guerra Civil já havia acabado e o fascismo de Franco tomado conta do país. Mas, nas montanhas um grupo da resistência ainda lutava contra as tropas lideradas pelo fascista Capitão Vidal. E é aí que entra a nossa pequena protagonista, Ofélia.

O filme é chocante desde seu início. Na primeira cena temos Ofélia ensanguentada, é a morte da protagonista, já revelada. Depois, uma narração que nos leva a imaginar uma inocente fábula. Uma princesa abandona seu reino subterrâneo, onde não havia mentiras nem dor, para conhecer a realidade humana. Mas, uma vez do lado de fora, o sol apagou sua memória e ela acaba morrendo de frio, fome e dor. Apesar disso, seu pai, o rei, acreditava que sua alma retornaria em outro corpo, algum dia.

Aí temos Ofélia e sua mãe, é o retorno ao mundo real. Ofélia é fascinada por livros e fábulas com fadas. Ela viaja com sua mãe, Carmem, que está grávida, para o campo. Lá, elas encontram o Capitão Vidal, marido da mãe de Ofélia e general das forças fascistas de Franco.

O local para onde se dirigem a pequena e sua mãe é, na verdade, um quartel general de combate aos guerrilheiros comunistas e democratas da resistência antifascista.

No campo, Ofélia conhece o mundo encantado de fadas e faunos, onde ela é a princesa Moana, que deve cumprir três difíceis tarefas para retornar ao seu mundo encantado, onde não há mentiras nem dor. Mas a garota também conhece a dureza do fascismo. Ela se torna amiga e companheira de Mercedes, uma informante dos guerrilheiros e chega a fugir para a selva, onde se juntaria aos rebeldes, e é impedida por Vidal.

Neste filme, a fantasia não é fuga ou alienação. É uma metáfora para mostrar a realidade. Fantasia e realidade se mesclam formando um todo uniforme e encantador.

Técnica

Não é apenas no enredo que o filme é fantástico. Visualmente é um dos filmes mais belos da atualidade. Um filme cheio de cor e carregado de um sombreado esplêndido, que consegue transformar a narrativa em um antigo livro de fábulas.

Todos os elementos técnicos são extremamente bem trabalhados na obra. O labirinto, o palácio do rei, a cena do jantar, os seres grotescos, com olhos nas mãos, sapos gigantes. Estas figuras grotescas e carregadas na cor aparecem a todo o momento. O Fauno, por exemplo, é uma mistura de homem e bode. O vermelho aparece sempre bem destacado, seja no sangue de Ofélia, do Capitão fascista Vidal ou na insígnia da foice e martelo carregada pelos guerrilheiros.

O Labirinto do fauno também tem uma das fotografias mais belas do cinema contemporâneo. Marcante a cena em que aparecem pela primeira vez, do meio da selva, os guerrilheiros. A vontade é de congelar a imagem para apreciá-la por mais tempo. Esta imagem é de uma força fora do comum.

A guerrilha

A guerrilha, ao contrário da maioria dos filmes hollywoodianos — não é mostrada por estereótipos. Os guerrilheiros não são loucos, aventureiros ou coisa parecida. E nem morrem pelas costas ou são covardes. Muito pelo contrário, eles são hábeis conhecedores do terreno e de uma astúcia apreendida no fogo da batalha.

Mercedes é uma mulher forte, corajosa e audaciosa. Ela se infiltra no quartel general do inimigo e, além de remédios e mantimentos, fornece informações à guerrilha. Uma das cenas mais fortes do filme é a luta travada entre o Capitão Vidal e Mercedes, quando ela é capturada em plena fuga com a pequena Ofélia. O Capitão se preparava para iniciar a sessão de tortura, mas é surpreendido por Mercedes, que o ataca e consegue fugir.

No filme, as cenas de tortura não são exageradas, são apenas o retrato de uma dura realidade. Os fascistas não tinham compaixão nem piedade por ninguém, espalhavam a violência e o terror entre a população. No início do filme, assassinam um agricultor por não acreditar que ele estava na floresta caçando coelhos, mas após assassiná-lo, revistam sua capanga e encontram o animal.

O final do filme é esplendoroso. Mesmo com a resistência antifascista na Espanha não ter saído vitoriosa dos combates, o diretor e roteirista Guilherme Del Toro opta por mostrá-la por outra ótica. Talvez Del Toro tenha esta opção justamente para não fazer coro com os fascistas e reacionários que, mesmo quando a resistência vence, a mostra como perdedora.

Os guerrilheiros vencem a batalha contra o Capitão Vidal e resgatam de seus braços o pequeno irmão de Ofélia, por quem a garota dá a vida. A cena onde se encontram os guerrilheiros, juntamente com Mercedes, e o fascista Vidal fecha o filme de forma magnífica.

O labirinto do fauno não é apenas um filme que vale a pena ver, é daqueles filmes que se tornam obrigatórios aos amantes do bom enredo e da boa técnica.

Ficha Técnica

Título Original: El Laberinto del Fauno
Site Oficial: www.panslabyrinth.com
Estúdio: Warner Bros. Pictures / Telecinco / Estudios Piccaso / Tequila Gang / Esperanto Filmoj / OMM / Sententia Entertainment;
Distribuição: Warner;
Direção e roteiro: Guillermo del Toro;
Produção: Álvaro Augustín, Alfonso Cuarón, Bertha Navarro, Guillermo del Toro e Frida Torresblanco;
Música: Javier Navarrete;
Fotografia: Guillermo Navarro;
Desenho de Produção: Eugenio Caballero;
Figurino: Lala Huete e Rocío Redondo;
Edição: Bernat Vilaplana;
Efeitos Especiais: CafeFX

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja