Corumbiara, Rondônia: Camponeses retomam a fazenda Santa Elina

A- A A+
Pin It

Uma histórica retomada de terras ocorreu recentemente em Corumbiara. A Fazenda Santa Elina, palco de um dos maiores conflitos pela posse da terra na história de nosso país foi retomada pelos camponeses. As famílias sobreviventes daquele que ficou conhecido como o "massacre de Corumbiara" cumpriram a palavra empenhada, há quase 13 anos, de voltar para Santa Elina e conquistar a terra pela qual sempre lutaram.

http://www.anovademocracia.com.br/43/12.jpg
Vítimas de Santa Elina acampadas em Brasília

Um comunicado do Codevise — Comitê de Defesa das Vítimas de Santa Elina — anunciou a recente retomada das terras da Santa Elina por mais de 100 famílias camponesas. A tomada do latifúndio ocorreu no dia 11 de maio último e a notícia tem se espalhado como um rastilho de pólvora por todo o estado de Rondônia, atraindo centenas de famílias remanescentes da luta de 1995 e outras novas.

As terras da Santa Elina são uma reivindicação histórica dos camponeses pobres de Rondônia. A decisão pela sua retomada aconteceu desde a batalha de 9 de Agosto de 1995, quando as tropas para-militares compostas por policiais e bandos de pistoleiros, a mando do então governador do estado Valdir Raupp e do latifundiário Antenor Duarte, atacaram as 600 famílias que ocupavam a área. O que impediu um massacre de maior proporção foi a organização e resistência das famílias que recordam o fato no comunicado:

"Resistimos como pudemos com foices, motos-serra e pedaços de pau, mas após termos sido dominados, assistimos execuções sumárias e sofremos inúmeras torturas. Neste fato que teve repercussão internacional foram assassinados 9 de nossos companheiros, incluindo a pequena Vanessa de 7 anos de idade, vários desaparecidos, além de mutilados e outras sequelas físicas e psicológicas."

Basta de promessas

Logo após o massacre, Luiz Inácio, então candidato à presidência da república, visitou a fazenda Santa Elina e prometeu àquelas famílias que "se um dia fosse eleito" faria justiça, indenizaria as famílias e entregaria aquelas terras.

http://www.anovademocracia.com.br/43/12b.jpg
Luiz Inácio, dias após o massacre, promete indenizar famílias quando fosse presidente

No mês de agosto de 2007, com o apoio da Liga dos Camponeses Pobres, o Codevise organizou uma comitiva que foi até Brasília cobrar o cumprimento da promessa. Luiz Inácio sequer se dignificou a receber as famílias para as quais prometeu terra e justiça. Na ocasião, a Comissão Especial de Direitos Humanos e o ministro de Direitos Humanos Paulo Vannuchi prometeram a solução das reivindicações dos camponeses em um prazo de dois meses. Alguns dias depois o ministro se dirigiu a Rondônia e se reuniu na sede do Incra com as "autoridades" do estado. Nenhuma das promessas da gerência FMI-PT foi cumprida e até hoje as famílias seguem exigindo as indenizações, o corte da fazenda Santa Elina e a distribuição das suas terras para as famílias.

Chega de esperar

Reproduzimos trecho do comunicado do Codevise:

"Cansamos de ver nossos companheiros aleijados por balas, nossos filhos com olhos queimados por gás lacrimogêneo, não acreditamos mais em falsas promessas. Entramos na fazenda Santa Elina e já estamos em mais de 100 famílias, a cada hora chega mais. Queremos saber agora qual a providência que os governos estadual e federal irão tomar. Mandar a polícia com pistoleiros nos massacrar como fez em 1995?

A imagem “http://www.anovademocracia.com.br/43/12c.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
1995, primeiro acampamento

Qualquer coisa que venha a acontecer às famílias será de responsabilidade da Comissão de Direitos Humanos, do ministro Vannuchi, do governador Ivo Cassol e do presidente Lula. Até hoje nossos direitos vêm sendo desrespeitados.

A fazenda Santa Elina é um símbolo do massacre de trabalhadores no Brasil e seu corte significará um novo horizonte diante de tantas injustiças e massacres feitos pelo latifúndio em nosso país. Nada nos fará desistir dela, vamos cortá-la custe o que custar."

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja