Centenas de camponeses condenam terror no campo

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/43/11b.jpg

Câmara de vereadores de Redenção lotada pelos camponeses
que novamente denunciaram operação "Paz no Campo"

Redenção, Pará - No dia 15 de maio último foi realizada a segunda Audiência Pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Pará (Alepa) sobre a chamada "Operação Paz no Campo" ordenada pela governadora Ana Júlia Carepa do PT, no dia 19 de novembro passado, que atacou, prendeu e torturou barbaramente os camponeses pobres que tomaram a fazenda Forkilha. [veja mais em AND 40, fevereiro de 2008: Audiência pública desmascara "Operação Paz no Campo"].

Esta segunda audiência aconteceu na Câmara de Vereadores de Redenção e contou com a presença de cerca de 450 camponeses das regiões de Santa Maria das Barreiras, Conceição do Araguaia, Redenção, Cumaru do Norte entre outros municípios do sul do Pará, que lotaram o salão principal e os corredores da Câmara de Veradores, onde fixaram suas faixas pedindo justiça e terra, e onde levantaram a bandeira da Liga de Camponeses Pobres.

Compuseram a mesa, o vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alepa, deputado Arnaldo Jordy (PPS/PA) — autor dos pedidos das audiências para apurar as denúncias de tortura contra os camponeses —, a deputada Tetê Santos (PSDB/PA) —  também membro da CDH —, o vice-prefeito de Conceição do Araguaia; a representante da Secretaria de Justiça do Estado do Pará, Antônia Rego das Neves; o advogado  da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SPDDH), Rivelino Zapellon; o defensor público que acompanhou todos os depoimentos dos camponeses agredidos e torturados , o representante do Sinsep/PA, Geneval Rodrigues do Nascimento; o representante do Sindicato dos professores estaduais, José Rodrigues; a presidente do Cebraspo, Raquel Scarlatelli; o representante do senador José Nery (Psol/PA), Ribamar Ribeiro Júnior e o representante do Núcleo de Advogados do Povo — NAP, Felipe Nicolau.

Em nome dos camponeses presentes, falou o coordenador da Liga dos Camponeses Pobres, Luiz Lopes. Estiveram presentes também à audiência, os representantes da polícia militar e da polícia civil do PA.

Os camponeses subiram à tribuna da casa para reiterar todas as denúncias de torturas praticadas pela polícia que eles já haviam feito anteriormente. Eles falaram das perseguições e das ameaças contínuas de pistoleiros e policiais sem se intimidarem com a presença dos representantes das polícias militar e civil e do latifúndio que ocupavam várias dependências da câmara.

Muitos camponeses, mesmo afirmando ter a consciência de que poderiam sofrer represálias por estarem ali, denunciaram os policias torturadores, citaram apelidos e características particulares dos agressores, criticaram a omissão das autoridades do estado e a conivência da própria polícia. Em muitos momentos da audiência eles gritavam: "A Forkilha é nossa!".

A presidente do Cebraspo manifestou sua irrestrita solidariedade aos camponeses pobres em luta pela terra e repudiou as prisões arbitrárias, às perseguições e torturas praticadas contra aqueles que ocuparam a fazenda Forkilha, denunciando a repressão crescente do Estado contra o movimento camponês em toda a região diante dos interesses dos latifundiários e do capital financeiro em manter o monopólio da terra e a exploração das riquezas imensuráveis da Amazônia.

Ao apresentar o resultado do inquérito policial, o representante da PM causou grande indignação e revolta no plenário e na mesa. A conclusão deste inquérito é de que, pasmem, não aconteceu nada na Forkilha, nada do que os camponeses denunciaram ocorreu porque nada foi comprovado que comprometa a ação da polícia. Disse que o policial identificado como "Caveira" não foi encontrado apesar de todas as diligências da polícia. Apesar de todos os reiterados e contundentes depoimentos, disse ele, "não existem provas contra a polícia".

O defensor público comunicou que havia um problema com o inquérito porque nos exames de corpo-de-delito feitos, havia apenas a assinatura de um, quando a lei exige a assinatura de dois médicos legistas. O representante do NAP por sua vez acusou  a cumplicidade da polícia por aceitar o laudo de apenas um legista que, mais grave ainda, é irmão do latifundiário grileiro Jairo Andrade.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja