Povo da Irlanda derrota Constituição patronal européia

A- A A+
Pin It

No dia 12 de junho aconteceu algo que entrou para a história da resistência internacional às manobras dos grandes monopólios. Em referendo, o povo irlandês votou contra a implementação do famigerado Tratado de Lisboa, dizendo um sonoro "não!" às pretensões das elites européias de impor aos trabalhadores do continente um documento constitucional unificado e redigido pelos patrões.

http://anovademocracia.com.br/44/18.jpgComo dizem os portugueses, que viram o tratado ser assinado na capital de seu país sob um forte esquema de segurança montado para fazer frente à fúria do povo, os irlandeses "chumbaram" a tentativa de renovação do aparato legal burguês, que serviria apenas para agravar a situação das massas européias.

E mais: honraram os trabalhadores de todos os outros países que compõem a União Européia, e que, no que tange ao Tratado de Lisboa, foram acintosamente trapaceados por seus governos a serviço do grande capital.

Acovardados pelo "não!", que o projeto anterior de constituição européia recebeu em 2005, nos referendos então realizados em outros dois países, estes lacaios decidiram solapar o direito dos diferentes povos europeus de decidirem eles próprios sobre matéria de tal envergadura. Sabendo que as massas rejeitariam novamente o documento constitucional que há anos vêm preparando com tanto esmero, repassaram o poder de avalizar ou vetar o texto aos seus parlamentos nacionais — casas sempre solícitas às demandas do patronato.

A Irlanda, por imperativos constitucionais internos defendidos aguerridamente pelo seu povo — de forma que se tornaram incontornáveis para as elites irlandesas — foi o único dos 27 países-membros da União Européia que submeteu o Tratado de Lisboa ao voto popular. A população dos outros 26 foi vítima da punhalada pelas costas.

E desde que se confirmou a necessidade de o tratado passar pela prova dos nove na Irlanda, as classes dominantes européias se valeram de toda sorte de pressões e intimidações dirigidas aos trabalhadores da ilha. O patronato, afinal, sabia da sinuca de bico em que se encontrava: depois de décadas planejando botar a cereja no bolo da hegemonia dos monopólios sobre a Europa, as classes dirigentes do continente viram seu projeto de dominação cair nas mãos da classe trabalhadora.

E não deu outra: o povo irlandês decidiu que o destino da papelada redigida na surdina, apresentada com pompa e assinada na base da traição não poderia ser outro, senão a lata do lixo.

Já se prepara o contra-golpe burguês

E os trabalhadores da Irlanda derrotaram o Tratado de Lisboa com ampla margem de sucesso do "não!", que acabou vencendo em 33 dos 43 distritos eleitorais do país, totalizando 53,4% dos votos. Assim foi derrotada a cópia mal feita da Constituição Européia que em 2005 já havia sido rejeitada em votações na França e na Holanda.

O bastante para arrefecer os ímpetos dos poderosos do continente? Não. Sua ânsia para criar as condições ideais de reprodução do capital predatório e da exploração das classes populares parece não ter fim. E os sinais de uma nova ofensiva do capital já podem ser observados nos movimentos realizados após o referendo da Irlanda e nas reações truculentas dos dirigentes de cada nação européia, meros gerentes dos interesses das burguesias de seus países.

Logo no dia seguinte ao "não!" irlandês, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, e a chanceler alemã, Angela Merkel, emitiram uma declaração conjunta exortando os países que ainda não submeteram o Tratado de Lisboa à aprovação de seus parlamentos para que o façam logo. O próprio Reino Unido, menos de uma semana depois do referendo na Irlanda, faz passar o documento constitucional em sua Câmara dos Lordes.

Isto demonstra que a tão festejada Europa pretensamente construída em alicerces democráticos não passa de fachada para a imposição dos interesses dos monopólios do continente. Não fosse assim, os distintos presidentes, chanceleres e primeiros-ministros europeus não teriam deixado o discurso polido de lado para dar sinais de que irão simplesmente passar por cima do veto irlandês.

Sim, o Tratado de Lisboa deveria estar enterrado com o resultado do referendo na Irlanda. Mas até mesmo o presidente da Comissão Européia, quem teoricamente — e muito teoricamente — deveria ser o maior defensor do respeito aos processos e instituições supra-nacionais do continente, já avisou que o tratado "não está morto". Foi o que disse o português José Manuel Durão Barroso, deixando claro que o compromisso da União Européia não é com a vontade do povo trabalhador europeu, mas sim com seus antagonistas: a burguesia do continente, verdadeira beneficiária do Tratado de Lisboa.

Neste sentido, a maior afronta à vontade das massas vem do próprio primeiro-ministro da Irlanda, Brian Cowen, que se esmerou na campanha pelo "sim" ao tratado, foi derrotado pelo voto popular e no mesmo dia virou as costas para o seu povo, indo pedir desculpas aos poderosos do continente e prometendo trabalhar duro para que não se respeite a decisão do povo de seu próprio país.

A derrota do tratado enfureceu particularmente o presidente francês, Nicolas Sarkozy, uma vez que desde o dia 1° de julho a França exerce a presidência rotativa da União Européia, e Sarkozy esperava aproveitar este tempo para consolidar o documento constitucional e a si próprio como o novo grande líder da direita européia desde Margareth Thatcher, reforçando as engrenagens do fascismo que assombra o povo europeu de braços dados com o grande capital.

Mas os bravos europeus, os verdadeiros, continuam a postos para conter tanto um quanto outro, e um dia derrotá-los de vez.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja