Otan se articula para intervir em todo o mundo

A- A A+

Decidiu-se entre os dias 2 e 4 de abril, na cúpula de Bucarest. A Organização do Tratado do Atlântico Norte proclamou-se a polícia do mundo, no peito e na raça, diríamos nós por aqui. Noves fora a pompa e circunstância da linguagem empolada, as palavras do secretário-geral da aliança transatlântica, o holandês Jaap de Hoop Scheffer, querem dizer exatamente o que parecem quando ele assume enfim a vocação da Otan de braço militar do imperialismo, e diz que a organização tem hoje a finalidade de converter-se em "provedora de segurança claramente mais eficaz em um mundo cada vez mais globalizado e perigoso".

Na reunião da Otan que se realizou na capital da Romênia no início de abril, os poderosos tomaram decisões dramáticas para o povo europeu. Algumas revelam muito sobre as alterações no mapa do continente que vêm ocorrendo nas últimas décadas — mudanças muitas vezes apresentadas pelo oligopólio internacional dos meios de comunicação como vitórias populares e democráticas, mas que acabam se revelando frutos dos mandos e desmandos do USA e das potências da Europa. Decidiu-se, por exemplo, a adesão da Albânia e da Croácia, e avançaram as negociações para a entrada em breve da Ucrânia e da Geórgia na organização.

Na Ucrânia, por exemplo, pesquisas de opinião recentes dão conta de que 65% dos ucranianos são contrários à entrada do país na Otan. Ainda assim, os dirigentes do país vêm demonstrando grande esmero para fazer exatamente o contrário, solapando a vontade do próprio povo. O presidente da Ucrânia, Viktor Iúchenko, e seus ministros são os mesmos que estiveram à frente da chamada "Revolução Laranja", saudada pelos demagogos de plantão do chamado "ocidente" como um primor de democracia e participação popular.

Além disso, a declaração final da cúpula de Bucarest ratificou arranjos que já se vinham desenhando há tempos. Eis alguns trechos digamos, auto-explicativos, deste documento:

"Reconhecemos a substancial contribuição para a proteção dos aliados que a planejada instalação do sistema norte-americano de defesa antimíssil na Europa garantirá".

"Acolhemos com satisfação os anúncios dos aliados e dos parceiros [da Otan] de novas contribuições de forças [militares] e de outras formas de apoio, como mais uma demonstração da nossa determinação; e desejamos contribuições adicionais".

"A Otan aprovou propostas para um quadro de cooperação estruturada que desenvolva uma relação de longo prazo com o Iraque".

"Encorajamos as nações cujas despesas de defesa estejam diminuindo para travar tal declínio e para terem como objetivo um aumento em termos reais dessa despesa".

"Reconhecendo a Otan como o fórum essencial para a discussão sobre segurança entre a Europa e a América do Norte, reafirmamos a nossa solidariedade e coesão. O princípio da indivisibilidade da segurança dos Aliados é fundamental".

Da mesma forma, apesar do oficialismo do discurso e da embromação de sempre, o recado é muito claro quanto aos rumos da Otan daqui para frente: acolhimento das tropas do USA no continente europeu, massacre do povo afegão, prolongamento da ingerência no Iraque, militarismo e submissão às diretrizes ianques.

Indo além, as pretensões da Otan são o complemento óbvio ao novo tratado constitucional europeu, assinado em Lisboa no dia 8 de fevereiro deste ano. Como A Nova Democracia relatou na edição 41, este documento de natureza patronal foi empurrado goela abaixo do povo da Europa, traído pelos governantes que haviam prometido plebiscitos e no fim das contas submeteram o tratado apenas aos seus parlamentos sempre coniventes.

A bem da verdade, tudo isto significa mais do mesmo, uma vez que esta sempre foi a tônica e a razão de ser da dobradinha militar entre o USA e as potências européias. O discurso libertário e humanitário da União Européia, assim como seu esforço demagógico para se apresentar como contraponto à potência do outro lado do oceano, não resistem à política de cooptação e submissão dos países militar e economicamente mais fracos do continente.

Mas da cúpula de Bucarest saiu muito mais do que tudo isto, e a grande novidade é que a Otan deixa de ser uma organização para defesa mútua de seus signatários para se tornar um exército global cuja missão é assegurar a hegemonia imperialista ianque. Nunca foi meramente defensiva, como constava em seus estatutos. Para ficar em apenas um exemplo recente, foi com a desculpa de se defender que a Otan entrou com força bruta nos Balcãs a fim de redefinir aquela região ao gosto da União Européia e do USA.

Mas agora as manobras mais ostensivas no sentido de partir da defesa mentirosa para o ataque explícito requerem um discurso de truculência à altura das agressões que estão por vir. E, no fim das contas, o recado que foi dado ao mundo pela cúpula de Bucarest pode ser resumido em uma palavra apenas: ameaça.

É o que se pode concluir quando as decisões tomadas no convescote da Otan na Romênia são entendidas como continuidade não apenas do Tratado de Lisboa, mas também em relação a documentos oficiais do governo ianque que vêm deixando à mostra a disposição do USA de intensificar ainda mais sua sanha imperialista no futuro próximo.

É o caso, por exemplo, da atualização de sua "Estratégia de Segurança Nacional", feita em março de 2006. Ali se diz o seguinte: "Os Estados Unidos se encontram nos primeiros anos de um grande combate, similar ao que nosso país teve que enfrentar nos primeiros anos da Guerra Fria".

Este é "apenas" o desdobramento do "Projeto para um novo século norte-americano", elaborado em 1997 por gente que hoje ocupa cargos centrais na alta administração ianque e no qual se fala da necessidade do USA dispor de uma força militar "sólida e pronta para enfrentar os desafios, tanto presentes quanto futuros, de uma política externa que promova de forma audaz os princípios norte-americanos nos países estrangeiros".

O "Projeto" é também a fonte para um documento chamado "Construindo uma grande estratégia para um mundo instável", de autoria de cinco ex-chefes do Estado Maior da própria Otan em colaboração com outros ex-oficiais da aliança transatlântica.

Soam então como desfecho estas palavras de Scheffer, secretário geral da OTAN, ditas em tom de ponto final da reunião dos poderosos e enfim deixando clara a natureza da organização: "O Otan se transforma em instrumento político-militar flexível, não apenas de seus membros, mas também, amplamente, da comunidade internacional".

Sendo assim, denunciar e combater o militarismo truculento da Otan deixam também de ser urgências apenas para os povos trabalhadores da Europa, e passam a ser desafios para as massas de todas as partes do mundo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja