Estado capitalista e crime organizado

A- A A+

http://anovademocracia.com.br/44/06b.jpg

No dia 25 de fevereiro, a Suprema Corte da Colômbia ordenou a prisão de dois senadores e dois deputados devido a indícios de vínculos com grupos paramilitares. Os senadores Ciro Ramirez e Luiz Fernando Almario, do Partido Conservador, e os deputados Dixon Tabasco e Pompillo Avedaño, do Partido Liberal, se juntaram a outros 14 parlamentares na Penitenciária La Picota, em Bogotá, todos acusados de envolvimento com grupos paramilitares, que controlam determinadas comunidades, tiranizam a população local e negociam votos em períodos eleitorais. No total, são 63 congressistas envolvidos no escândalo da "parapolítica". A maioria desses políticos pertence à base de sustentação do presidente Álvaro Uribe.

Esses grupos paramilitares foram reunidos sob o comando de Carlos Castaño num grupo conhecido como Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) e foram treinados e equipados durante décadas sob o pretexto de combater os traficantes de drogas que, segundo o governo do USA e Uribe, têm como principais representantes no país sul-americano as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc-EP). Por outro lado, organizações de esquerda e as próprias Farc-EP denunciam o presidente Álvaro Uribe e Washington como os maiores interessados no tráfico internacional de drogas e armas. Segundo a BBC, as AUC já sequestraram jornalistas.

A imprensa brasileira, de modo geral, omite esta realidade ou então a inverte por completo. Um exemplo. É a matéria da repórter Ruth Aquino na revista Época, em 19 de fevereiro de 2007, intitulada As lições da Colômbia para o Brasil. Em vez de listar alguns dos crimes citados acima, elogia o modelo de segurança militarizado ("nas ruas da capital colombiana, o ambiente é de Primeiro Mundo (...) Praticamente não há mendigos") sem considerar que por trás dele se sustentam as relações políticas que permitiram a constituição de milícias de direita que assassinaram inúmeros colombianos, geralmente camponeses pobres.

Políticos apóiam grupos criminosos

No Brasil, não faltaram "autoridades" para respaldar o modelo colombiano — que como se sabe é ditado por Washington via agências como DEA e CIA. Um mês após a reportagem publicada pela Época, o governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral visitou a Colômbia para conhecer o modelo de segurança do país vizinho. Levou com ele o secretário de segurança, José Mariano Beltrame. Segundo a reportagem do jornal O Globo, em 23 de março de 2007, "A Colômbia, que chegou a ser um dos países mais violentos da América Latina, é considerada hoje modelo de como diminuir índices de criminalidade". O texto, não assinado, afirma que Sérgio Cabral ficou animado com a visita: "Disse que pretende investir na área social em favelas do Rio, como o Conjunto do Alemão e Manguinhos. Para ele, a união ideal para reduzir a violência é policiamento maciço e investimento nas áreas mais pobres".

No Rio de Janeiro, assim que veio à tona a existência de bandos armados, mal chamados de milícias, essa mesma imprensa o tratou como um mal menor. Um mal que seria necessário para expusar traficantes varejistas e proteger os moradores da periferia. Afinado a este discurso, o prefeito do Rio, César Maia (DEM), costumava se referir a esses marginais como Autodefesas Comunitárias (ADCs). Em reportagem publicada no Globo de 9 de dezembro de 2006, Maia afirma: "A curto prazo, portanto dentro do Pan, as ADCs são um problema menor, muito menor, que o tráfico".

As mal chamadas milícias são grupos de policiais, ex-policiais, bombeiros, agentes penitenciários que controlam militarmente uma determinada região da cidade e administram serviços de gás, tv a cabo e segurança. São frequentes os relatos de ameaças, represálias, torturas e homicídios. Há muito se sabe da atuação desses grupos criminosos, mas só depois que uma equipe do jornal O DIA foi torturada na favela do Batan, em Realengo, Zona Oeste do Rio, é que as corporações de mídia deram o destaque merecido para tamanho escândalo. Um fato jornalístico que vinha sendo escondido em notas de rodapé e que respirava em uma ou outra reportagem maior.

Em debate realizado no dia 10 de dezembro passado, no plenário da Assembléia Legislativa, o professor da UFRJ Roberto Leher lembrou que "na Colômbia estão assassinando jornalistas e militantes de direitos humanos na ordem de centenas por ano.

PMDB e DEM envolvidos até a alma

Como afirma o juiz Walter Maierovitch, não existe crime organizado sem ramificações no Estado. A toda hora revela-se parte das relações entre políticos, empresários e o crime organizado no Rio de Janeiro e no resto do país. São exemplos a prisão do deputado estadual Álvaro Lins (PMDB), ex-chefe de Polícia Civil, sob as acusações de facilitação de contrabando, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e formação de quadrilha armada. No mesmo dia o ex-governador do RJ e atual presidente do PMDB no estado, Antonhy Garotinho, foi denunciado pelo Ministério Público por formação de quadrilha armada.

Há outros parlamentares fluminenses acusados de envolvimento com atividades criminosas. O Ministério Público acusou a prefeita de Magé, Núbia Cozzolino (PMDB), de formação de quadrilha e apropriação e desvio de rendas públicas. O vereador Jerominho (PMDB) e seu irmão, Natalino José Guimarães (DEM), foram acusados pelo procurador-geral de Justiça, Marfan Vieira, de chefiar grupo de milícia conhecida pelo nome "Liga da Justiça", que atua na Zona Oeste da cidade. Há ainda o vereador Nadinho de Rio das Pedras (DEM), que foi preso ano passado acusado de envolvimento no assassinato do inspetor de polícia Félix dos Santos Tostes.

A infiltração desses bandos criminosos no governo do Estado do RJ não é novidade para o leitor do AND. Na edição de agosto de 2007, Maurício Campos, da Rede Contra a Violência, já denunciava:

— Aqui no Estado do Rio, e poderia dizer até no país, existe uma política de segurança e existe também uma prática das forças de segurança, que você nem pode chamar de política. Grande parte das forças de segurança é formada por grupos mafiosos, grupos que extorquem, têm negócios próprios, que exploram diversos serviços escusos e que em grande parte vivem de extorsão dos próprios bandidos não-fardados, dos próprios criminosos, do tráfico e por aí vai.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira