Daniel Gonzaga: filho e neto de peixe

A- A A+

Cantor e compositor de música brasileira, Daniel Gonzaga é dono de uma forte personalidade e estilo que aparecem em suas composições e interpretações. Filho de Gonzaguinha e neto de Luis Gonzaga, sempre esteve envolvido com música. Hoje, sem se preocupar nem um pouco com o poder do monopólio dos meios de comunicação, que não valoriza a boa música brasileira, ele segue com mais de dez anos de carreira, cinco CDs gravados e muitas apresentações no Brasil e no exterior.

http://anovademocracia.com.br/45/23.jpgDaniel começou a cantar ainda criança, fazendo coros infantis para o pai, para Chico Anísio e outros artistas. Aos 15 anos já tinha uma banda e tocava violão/teclado em festas. Aos 21 gravou seu primeiro disco,  este ano, o quinto.

Sem se preocupar com rótulos  depreciativos costumeiramente aplicados aos filhos de grandes nomes da música, quando resolvem cantar,  em seu primeiro disco Daniel gravou duas músicas do pai; uma outra no segundo; algumas do avô no terceiro; fez um quarto somente com composições próprias, e o quinto, com composições de Gonzaguinha.

— Não me atrapalha em nada cantar músicas do meu pai e do meu avô, porque além do hábito de observar  muito (risos) tenho também o de querer mostrar minha própria personalidade em tudo que faço. Esse disco é um apanhado sobre o que penso da obra do meu pai, através das composições que escolhi. Mas não gosto de dizer que é homenagem, porque essa palavra me leva para algo 'baboso'. Também não é um tributo — explica.

Mas apesar de cantar as músicas do pai, em uma espécie de nova leitura, Daniel diz que sua preferência mesmo é compor as suas próprias canções.

— Prefiro compor, porque gosto do processo de criação, produção e elaboração do disco. Fora um projeto que tenho de gravar um disco só de Adoniran Barbosa, meus próximos CDs deverão ser novamente com canções minhas — diz informalmente.

Para compor, ele se inspira no cotidiano do povo, dos trabalhadores do Brasil, que  tentam, na labuta,  defender o pão de cada dia e suas idéias.

Estamos vivendo uma época
de convergência de mídia
muito importante,
onde cada vez mais o autor
é dono do seu trabalho

— Algo me toca a ponto de querer observar sobre. Componho músicas que observam a realidade, da vida, que retrata o brasileiro que todos somos, que batalha todos os dias, defendendo seu salário, com falta de condições, enquanto uma parcela muito pequena pode ser considerada rica — diz.

Daniel compõe música e letra, normalmente sozinho, tendo poucos parceiros.

— Já trabalhei com o Bena Lobo, Nelson Sargento e alguns amigos pessoais. Mas gosto de compor a letra e a música, porque assim posso criar um quadro único, uma espécie de imagem cinematográfica que surge na minha cabeça — comenta.

Influências

Daniel diz que as influências  de Luiz Gonzaga e Gonzaguinha foram bem marcadas por laços de família, e que só mais tarde, já adulto, pôde realmente apreciar a grandeza da obra dos dois.

— Eu ouvia o Gonzagão e o Gonzaguinha tocando dentro de casa, quase o tempo todo, porque minha criação foi bem "pai, filho e avô". Algumas épocas eu gostava e outras não. Costumo dizer que do meu avô eu gosto muito da parte rítmica, e do meu pai a poesia, o lado social mais engajado. Gosto de fazer essa mistura dos dois, dos ritmos nordestinos, do baião, do maracatu, do xote, mas se eu disser que é somente isso, que sou uma mistura do meu pai e do meu avô, estarei sendo leviano com a minha própria história. Então é muito gostoso tê-los e sabê-los no meio de outros tão importantes — lembra Daniel.

Invasão da música comercial

Daniel observa que não só o rádio, a televisão, os jornais e revistas têm grande poder de comunicação no momento atual: a Internet tem sido um veículo forte, ajudando a divulgar a música brasileira, pois é a própria pessoa que determina o que quer, procurando na rede, "baixando" a música de sua preferência. Mas falta muito para a Internet ser verdadeiramente popular, pois a grande maioria da população ainda não tem acesso a ela.

Além disso, um grande número de artistas têm gravado de forma independente ou em gravadoras como a Kuarup, Biscoito Fino e outras que não se incluem dentro do mercado da música comercial, descartável, fácil de vender.

— Estamos vivendo uma época de convergência de mídia muito importante, onde cada vez mais o autor é dono do seu trabalho. Ele se organiza em pequenos editores que fazem esse recolhimento fugindo das grandes multinacionais do disco — observa.

— A produção dos descartáveis é um círculo vicioso terrível, que mata a   indústria. As vendas de CDs caíram muito este ano, e prossegue com as  formas alternativas do mercado. E a ordem é furar esse bloqueio que existe hoje, desse mercado que se consome. E vejo no país um grande número, principalmente de jovens — e isso é muito bom —, fazendo música e a divulgando para pequenos grupos fieis àquela música — acrescenta.

Segundo Daniel, atualmente muitas pessoas já não se ligam exclusivamente à principal rede de televisão do país. Quando o consumidor assim procede quanto à música, às formas de arte, faz muito mais do que simplesmente adquirir um bem.

— Ele passa a exercer a escolha e ajudar para novas criações, tornando-se cada vez mais dono do mercado. Assim o modelo de mercado da música descartável começa a ruir, dando lugar a  um novo. E estamos vivendo essa troca de casca momentânea: enquanto o mercado oficial, da música descartável, vai degringolando, o não-oficial se fortalece, com as vendas pela internet, a venda de disco em shows, as produções independentes — compara.

Daniel gravou seu disco atual de forma independente e a gravadora  Biscoito Fino o licenciou e está distribuindo. Também vende seus trabalhos nos shows pelo país e exterior, acompanhado, desde 2004, da banda: Cássio na bateria, Pedro e João Gaspar na guitarra, bandolim, cavaquinho, Klebinho no sopro, sax e flauta, e Marcos na percussão.

— Chegamos recentemente de Portugal. Deveremos retornar no segundo semestre. Estivemos em Brasília e São Paulo e vamos  para Vitória, Recife e Rio. Estamos acertando Belo Horizonte e  a Região Norte. Há um mercado paralelo muito forte. É só chamar,  que vamos — afirma com alegria.

— Não podemos parar. Já tenho 35 canções novas e estou selecionando quais pretendo gravar para o próximo disco. Acho importante também abastecer o meu site com músicas novas — finaliza Daniel, convidando a todos para visitar seu site, www.danielgonzaga.com.br

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja