Latuff é perseguido novamente no Rio

A- A A+

O trabalho do cartunista Carlos Latuff é publicado nos quatro cantos do mundo por pessoas e grupos que resistem ao imperialismo. É monitorado pelos serviços de inteligência dos USA, foi ameaçado de morte por setores israelenses ligados ao Likud, vem sendo vigiado pela polícia do Rio de Janeiro e difamado pelas corporações brasileiras de mídia.

Sua última iniciativa pode ser vista em oito outdoors espalhados pela cidade do Rio de Janeiro desde segunda-feira (21/7), assinado pelo Conselho de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedca): uma ilustração que critica duramente a política assassina do governador Sérgio Cabral (PMDB), detalha um policial segurando um fuzil recém-disparado e uma mãe negra desesperada com o filho morto no colo. Ao fundo, uma favela e o caveirão, o blindado da polícia, atirando a esmo. Não poderia haver retrato mais contundente acerca do modelo de segurança pública do Rio, que tem a polícia que mais mata no mundo.

Segundo o desembargador Siro Darlan, presidente do Cedca, o governador ficou incomodado com o desenho: "O governador disse que estava muito ofendido com aquele outdoor". A ponto de telefonar para a empresa de outdoor e mandar tirar — ordem que até o fechamento desta edição ainda não havia sido obedecida.

Os jornais O Globo e O Dia publicaram fotografias dos outdoors em suas edições dos dias 22 e 23 de julho. Ambos optaram por usar fotolegendas. O tom do texto do Globo limitou-se a dizer: "leitores reprovam desenho".

O desenho cortante de Latuff era acompanhado pelo anúncio do ato público realizado nesta quarta-feira, 23/7. Uma missa para lembrar os 15 anos da Chacina da Candelária e de outras barbaridades cometidas no Rio (Alemão, Providência, Baixada, entre outras) e, em seguida, os cerca de mil participantes caminharam pela Avenida Rio Branco em direção à Cinelândia. O nome do ato: "Caminhada pela vida".

Durante a caminhada, a repórter do Globo tentou entrevistar Carlos Latuff. Foi solenemente ignorada. Ouviu apenas um "com licença" e teve de se contentar em vê-lo se afastar pelo outro lado da pista. No dia anterior, um jornalista do Extra (que também pertence às organizações Globo) pediu seu contato. Ouviu uma resposta nada amigável: "Eu quero é que seu jornal se f....!". Nada contra o jornalista em si, nada pessoal, diz Latuff. O problema é quem vai dar a forma final ao texto. "Você conhece o editor dele? Esse cara é que vai me quebrar", diz o cartunista, que já teve suas palavras distorcidas por uma edição do RJTV, da TV Globo. A partir daí, e por entender o papel jogado pelas corporações de mídia como um dos sustentáculos do sistema capitalista, Latuff decidiu não mais conceder entrevistas para estes veículos de comunicação.

Por último, Latuff comenta o uso do termo "polêmico" pelo monopólio dos meios de comunicação:

— É irônico. Esses jornais não acham a realidade polêmica, mas sim o desenho que a retrata. Para eles, não é a política de segurança que é polêmica, mas o desenho. Para O Globo e a imprensa de modo geral não existe polêmica quando a polícia entra na favela e mata 30. A polêmica é quando vem o desenho. É curioso como uma charge pode ser mais polêmica que a própria realidade.O fato é que aquele desenho não tem ficção. Aquilo não é nenhuma ficção da minha cabeça. Qualquer cidadão do Rio de Janeiro entende aquela imagem. Nem precisava de texto. Ela é quase uma fotografia, uma representação fiel da realidade. E cumpre função inglória: de esfregar a realidade na cara das pessoas.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja