Famílias de Santa Elina são brutalmente despejadas pela PM

Corumbiara, 22 de julho - Reproduzimos, na íntegra, nota do CODEVISE — Comitê de Defesa das Vítimas de Santa Elina, publicada no último 22 de julho.

Na manhã de hoje, 70 policiais militares dos municípios de Vilhena, Colorado, Cerejeiras, Pimenteiras, Corumbiara, Chupinguaia e Cabixi, em uma verdadeira operação de guerra, despejaram as 100 famílias que desde o dia 11 de maio haviam tomado a fazenda Santa Elina, local este, palco do chamado Massacre de Corumbiara, ocorrido no dia 09 de agosto de 1995. Os policiais, após o despejo, queimaram todos os nossos barracos com os pertences dentro.

No dia 20 deste mês 10 agentes do IBAMA e da Polícia Federal desceram de helicóptero perto do acampamento e disseram-nos que podíamos ficar sossegados, que não haveria despejo algum. Não acreditamos, pois desconfiamos que podia apenas ser um levantamento para a futura expulsão conforme aconteceu.

A maior parte dos acampados é sobrevivente do massacre, e desde que ocupamos a Santa Elina, inúmeras tentativas de nos enrolar e desmobilizar nosso acampamento tem sido feitas, principalmente pelo INCRA e o senhor Gercino, da Ouvidoria Agrária Nacional. Primeiro nos disseram que iam vistoriar a Santa Elina, depois disseram que iam suspender a liminar de reintegração de posse, depois que teríamos que sair da área para poder cortá-la. Ora, já dissemos várias vezes que cansamos de esperar!

São 13 anos de promessas não cumpridas, em especial de Lula, de que se fosse eleito, cortaria a Santa Elina e indenizaria as vítimas do massacre. Não vamos esperar pelo INCRA, vamos retomar a Santa Elina novamente, e não será com ameaças de um novo massacre que09 vamos desistir dela.

A Santa Elina é nossa!
O povo quer terra, não repressão!

Comitê de Defesa das Vítimas de Santa Elina

Soa ridículo como a imprensa venal de Rondônia se posiciona diante do violento despejo das famílias de Santa Elina. Os jornais de Rondônia, retirando trechos deste comunicado que reproduzimos acima, grifaram a palavra “brutal” para ironizar o manifesto do CODEVISE e sugerir que o despejo das famílias pela PM teria sido pacífico.

Então é pacífico o ato de despejar famílias, queimar suas casas, mesmo após reiteradas promessas de que não seriam retirados e receberiam aquelas terras?

Da mesma forma, o movimento designado como MAP — Movimento Agrário Popular — que de forma oportunista atuava junto a algumas famílias que ocupavam a Santa Elina e que tentou durante todo o tempo sabotar a retomada da fazenda. Segundo denunciam membros do CODEVISE, além de quebrar as regras e a organização do acampamento, o que levou alguns de seus membros a serem expulsos da área, esses elementos cumpriram o abjeto papel de porta-vozes do latifúndio, defendendo a retirada das famílias, legitimando o cumprimento do despejo.

Como noticiamos na última edição de AND: A Santa Elina é dos camponeses!

Estes órgãos de imprensa das classes reacionárias, bem como todo o aparato de repressão do Estado, desempenham o mais vil papel de defesa do latifúndio. E Luiz Inácio, por sua vez, não se preocupa em cumprir as mínimas promessas, como o compromisso feito publicamente de cortar a Santa Elina e entregar suas terras aos camponeses.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro