Monopólio do adubo semeia o genocídio

A- A A+

Em 2008, a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas será em torno de 144 milhões de toneladas, registrando aumento de 7,9% em relação ao ano anterior. Os benefícios desta pujança, porém, não ficarão para os brasileiros, mas para o monopólio que controla a produção e o comércio agrícola do mundo inteiro — 40 grupos com sede na Europa e no USA e que se fazem presentes aqui desde o Século 19: Bunge, Monsanto, Cargill, Yara, Dreyfuss, Unilever, Nestlé, Potash, Mosaic e meia dúzia de outros.

http://anovademocracia.com.br/45/07.jpg

A despeito do recorde da produção, a área plantada de grãos (46,1 milhões de hectares) teve um aumento de apenas 3,9% em relação a 2007. A utilização maciça de fertilizantes importados resultou em ganho de produtividade principalmente nos cultivos de soja, milho e arroz, que ocupam as maiores áreas plantadas (respectivamente, 21,2; 14,4 e 2,9 milhões de hectares) e representam 90% da produção.

Produzir para quem?

O Brasil, cada vez mais condicionado a cultivar produtos agrícolas para atender interesses alienígenas em detrimento das necessidades internas, tornou-se o quarto consumidor mundial de fertilizantes, comprando no exterior mais de 70% do adubo que utiliza. Só que, na safra 2007/2008, Bunge, Yara e Mosaic enfiaram-lhe goela abaixo aumento de preço de 100%. Nos três últimos anos, 300%.

O monopólio dos fertilizantes decretou esses aumentos em escala planetária. Os produtores ficaram impossibilitados de adquirir as quantidades necessárias e tudo desembocou em uma explosão dos preços dos alimentos. Configurou-se uma crise mundial que desde 2002 vem matando, na África, nada menos de 12 milhões de seres humanos, anualmente.

A consequência é que já são quase 40 os países onde o povo se rebela devido à crise de alimentos. Os primeiros protestos tiveram lugar no México, no ano passado. Mais recentemente, houve tumulto no Egito, Marrocos, Haiti, Filipinas, Indonésia, Paquistão, Bangladesh, Malásia e toda a África Ocidental.

No USA, desesperados para repor os nutrientes do solo, milhares de fazendeiros de Iowa intensificaram a antiga prática de espalhar toneladas de esterco de porco nas suas plantações. Na Índia, o preço do fertilizante subsidiado para os agricultores disparou, provocando apelos por uma reforma da política agrícola. E na África, os planos para conter a fome com o aumento das safras ficaram subitamente ameaçados.

Para prevenir movimentos populares, alguns governos adotaram medidas pontuais: o Casaquistão suspendeu exportações de trigo; as Filipinas frearam a ação dos especuladores; e Argentina, Vietnã e Rússia restringiram as suas vendas de trigo, arroz e soja ao exterior. O Brasil, cuja mesa jamais dependeu tanto dos produtos de fora, limitou-se a cortar as exportações de arroz, a exemplo da Indonésia, aumentar a taxa de juros a pretexto de prevenir o retorno da inflação, e anunciar que o mega-pelego entronizado no Planalto determinou à Petrobrás, Vale e BNDES que encontrem maneiras de suprir cerca de 80% da demanda interna de fertilizantes.

O adubo é basicamente uma combinação de nutrientes adicionada ao solo para ajudar as plantas a crescer. Os três elementos mais importantes são nitrogênio, fósforo e potássio. Os dois últimos estão disponíveis há séculos, e atualmente provêm de minas. Mas o nitrogênio em uma forma que as plantas possam absorvê-lo era escasso. A falta de nitrogênio provocou safras magras durante séculos. Essa limitação acabou no início do século 20, com a invenção de uma técnica, atualmente alimentada principalmente com gás natural, que retira nitrogênio quimicamente inerte do ar e o converte em uma forma utilizável.

Até 1992, duas subsidiárias da Petrobras, a Ultrafértil e a Fosfértil, comandavam a produção de fertilizantes no país. No ano seguinte, a gerência Collor desencadeou o processo de desnacionalização daquelas duas empresas, colocando os agricultores brasileiros à mercê dos interesses dos grandes grupos transnacionais. Ora, se hoje a soja e o milho tem picos de alta, o setor de fertilizantes sempre esteve em alta. Nem mesmo a queda do dólar beneficia os agricultores que pagam cada vez mais caro para nitrogenar suas terras.

O preço da especulação

Na verdade, o problema não é de falta de alimentos, é uma questão de política agrária. Para gáudio dos latifundiários, com a alta dos alimentos, o preço médio das terras destinadas à agropecuária no Brasil subiu 16,3% no segundo bimestre de 2008, ante o mesmo período de 2007, para R$ 4.135 por hectare, segundo o grupo Agra, um dos líderes em consultoria no agronegócio no mundo.

As áreas produtoras de grãos registraram valorizações maiores ainda. A analista Jacqueline Bierhals, da Agra, conta que no Paraná — um dos líderes na produção de grãos do país — houve negócio em Cascavel a R$ 34 mil por hectare, parcelado em três vezes. E comenta: "Tem até médico comprando terra por aqui." No Pará, Amazonas, Rondônia, Mato Grosso e Amapá tudo já se acha tomado por exploradores de todas as profissões, estabelecidos ou oriundos dos quatro cantos do mundo, e com o beneplácito das gerências que se proclamam nacionais.

O Brasil se orgulha de ser um país exportador de grãos. Calcula-se que a safra neste ano chegará a 139 milhões de toneladas. Parece muito. Mas é pouco. Os Estados Unidos, só de trigo produzem 150 milhões de toneladas. No Brasil existem terras ociosas, em toda parte. Por que não são cultivadas?

A crise atual denuncia o desvirtuamento da agricultura, em todo o seu processo produtivo, o que só poderá ser sanado com a revolução agrária e a recuperação da finalidade primordial da agricultura, que é a de produzir alimentos para satisfazer as necessidades do povo. E não fazer dela um mercado lucrativo para os que especulam com a fome das pessoas.

De qualquer forma, a anarquia da produção capitalista atingiu tal ponto que as leis de mercado funcionam ao contrário do que afirmam os economistas a seu serviço: a maior oferta, ou produção, junto com a menor capacidade de compra, não está resultando em queda de preços, mas o contrário. Isto se deve a uma razão muito simples: o chamado livre mercado produziu grande concentração de capitais e recursos em poucas mãos, ou seja, fortaleceu uns poucos que se fizeram donos do mundo e impõem os preços que bem entendem para manter seus ganhos elevados.

A crise de alimentos vem comprovar que a "globalização" não deu origem a maior concorrência, mas intensificou o controle imperialista do mundo por sete potências e 200 transnacionais que, com ajuda do Banco Mundial, do FMI, da OMC e organismos que lhes são agregados, através de governos subalternos vão perenizando o papel das semicolônias como países primário-exportadores.

Fome é o prato principal no cardápio imperialista

Os gerentes do G8, grupo dos sete países mais ricos do planeta, além da Rússia, reuniram-se no início de julho, para mais uma vez trocar idéias sobre a crise mundial de alimentos e a fome que ameaça as nações pobres.

Relatório do Departamento de Agricultura do USA informava que, em 2007, a fome passou a ameaçar mais 133 milhões de pessoas. E a tendência não é otimista, ao contrário. O estudo prevê que 1,2 bilhão de pessoas podem ser atingidas até 2017. A estimativa contraria expectativas anteriores, de que a fome estava em declínio no mundo, à exceção da África subsaariana.

O debate, desta vez no Japão, foi travado no Windsor Hotel Toya, na ilha japonesa de Hokkaido, à mesa de um jantar que, ao módico preço de 480 dólares por cabeça, permitiu experimentar 24 pratos, incluindo entradas e sobremesas.

Trufas pretas, caranguejos gigantes, cordeiro assado com cogumelos, bulbos de lírio de inverno, supremos de galinha com espuma de beterraba e uma seleção de queijos acompanhados de mel e amêndoas caramelizadas eram apenas alguns dos pratos à disposição das cabeças coroadas, que acompanharam a refeição da noite com cinco vinhos diferentes, entre os quais um Château-Grillet 2005, avaliado em 110 dólares cada garrafa.

Não faltou também caviar legítimo com champanhe, salmão defumado, bifes de vaca de Quioto e aspargos brancos. Nas refeições estiveram envolvidos 25 chefs japoneses e estrangeiros, entre os quais alguns galardoados com as afamadas três estrelas do Guia Michelin.

Segundo a imprensa britânica, o "decoro" dos líderes do G8 — ou, no mínimo, dos anfitriões japoneses — impediu-os de convidar para o jantar alguns dos participantes nas reuniões sobre as questões alimentares, como sejam os representantes da Etiópia, Tanzânia ou Senegal. A presença de Luíz Inácio só poderá ser conferida após exame do relatório de despesas pelo Tribunal de Contas.

O evento do G8 custou um total de 358 milhões de euros, o suficiente para comprar 192 milhões de toneladas de feijão preto nos supermercados do Rio ou São Paulo, a R$4,18 o quilo. Só o centro de imprensa, construído para o evento, custou 48 milhões de dólares, o que daria para comprar 21 milhões de toneladas de pão nas padarias das grandes capitais, a R$60 o quilo. Após o jantar, todos se recolheram aos aposentos, ao preço de 11.200 dólares (R$17.92) por noite.

Tentáculos de um monopólio

Agora, a produção doméstica de matérias-primas (nitrogênio, fósforo e potássio) para a fabricação de fertilizantes é liderada pela Bunge, criada na Holanda em 1818 para negociar grãos e outros produtos, e que aqui aportou em 1905.

Chegou de mansinho, associando-se a um grupo de empresários de Santos, que buscava capital, tecnologia e experiência na negociação de trigo. Era o Moinho Santista, cujo controle logo assumiu, seguido do Moinho Fluminense, estabelecendo unidades em Recife, Joinville, Porto Alegre, Ilhéus, tornando-se a principal produtora de farinha do país. Depois de adquirir a exportadora Cavalcanti & Cia, transformou-a em Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro, SANBRA, para exportar, além de algodão, mamona, ouricuri, carnaúba e sisal ou agave. Como do beneficiamento do algodão sobrava o caroço, derrubou a banha de porco usada em nossas cozinhas, para substituí-la pelos óleos de algodão e de amendoim. Entrou, em seguida, na área têxtil, produzindo, primeiro, tecidos com o algodão que beneficiava, e depois, fios e tecidos de lã, transformando-se num dos maiores grupos têxteis do país.

Diante das necessidades da agricultura brasileira de fertilizantes para crescer, criou a Serrana para produzir superfosfato a partir de uma mina de fosfato em Cajati, São Paulo. Como a produção de fertilizantes exigia ácido sulfúrico, a Bunge passou a atuar no setor químico, criando a Quimbrasil.

Com a industrialização do país, a atuação da empresa nesse setor foi ampliada com o surgimento de novas casas, edifícios e fábricas na década de 1950, que aumentou a demanda por tintas. Nasceu, assim, a Coral Tintas e, em paralelo, a margarina Delícia, para substituir e complementar o uso da manteiga. Logo depois, foi lançado o óleo de soja, produzido inicialmente na SAMRIG, no Rio Grande do Sul, primeiro estado onde a cultura de soja se implantou.

A abertura econômica, no início da década de 1990, quando o grupo Bunge reunia mais de cem empreendimentos, levou-o a concentrar novamente suas atividades no agronegócio: comprou a Ceval, brasileira que era a maior exportadora do complexo soja no país, além de empresas de fertilizantes como IAP, Ouro Verde e Manah, implantou novas unidades e consolidou-se como líder do agronegócio, no qual introduziu o escambo, fornecendo fertilizantes em troca de grãos, utilizados, entre outras coisas, nos óleos Soya, Salada, Delícia, Primor, Bunge Pró, Bentamix e, mais recentemente, a linha Cyclus, com a utilização de transgênicos que, só agora, depois de muita pressão, passaram a ser indicados na rotulagem.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja