Massacre no Irã é lembrado em Londres

Em 6 de outubro completaram-se 20 anos do massacre de milhares de prisioneiros políticos, ocorrido no Irã, no verão de 1988, pelo regime islâmico. Entre os mártires desse assassinato em massa estão muitos comunistas, democratas, patriotas e ativistas progressistas    de todas as organizações políticas do Irã.  Uma manifestação foi marcada para esta data, promovida por 3 grupos revolucionários, democráticos e antiimperialistas: Grupo de Mulheres 8 de Março (iranianas e afegãs) — Inglaterra; Ativistas das Guerrilhas Fadaii, em Londres e a Organização Democrática Antiimperialista de Iranianos na Inglaterra. A nota abaixo data da eleição de Mahmud Ahmadinejah para presidente do Irã e conta a história deste massacre:

No verão de 1988, após oito anos de devastação e guerra reacionária entre o Irã e o Iraque, o agudizamento da crise econômica e o aumento do descontentamento da massa contra a República Islâmica, o regime aceitou a derrota na guerra contra o Iraque. O regime, que utilizou a guerra para consolidar seu domínio fascista, sentindo vulnerabilidade à crítica e diante da intensificação da luta popular começava, sob as ordens diretas do Aiatolá Khomeini, uma campanha de eliminação de prisioneiros políticos por todo o país. O regime, que encheu as prisões com dezenas de milhares de jovens militantes, comunistas e revolucionários começou, em julho de 1988, o extermínio de prisioneiros políticos. Muitos que já haviam cumprido pena na prisão e sofreram anos de torturas e isolamento, ou haviam sido libertados, foram recapturados e executados.

O extermínio continuou até setembro último e início de outubro. Não há números exatos dos assassinatos. Em anos recentes quando dezenas de ex-prisioneiros políticos estavam habilitados para trazer de volta as estatísticas da população nas prisões, no período em que estavam presos, foi feita uma estimativa de 18.000, para ser o total mais exato, daqueles executados num período de dois a três meses.

A extensão da crueldade e da barbaridade a que o povo iraniano e, em particular, os prisioneiros políticos foram submetidos sob o regime da República Islâmica são indescritíveis num pequeno espaço, mas vêm mais e mais sendo documentada pelos sobreviventes, amigos e familiares daqueles que foram executados nos últimos anos. O tormento e a crueldade contra as mulheres e, em particular, mulheres grávidas e mulheres com bebês e crianças são alguns dos macabros episódios na história do nosso povo, se não do mundo.

Os dados desse período de brutalidade e barbárie estão absolutamente separados de outros, que apontam dezenas de milhares de execuções como parte das ordens judiciais e punições ordenadas e praticadas antes, durante e após esse período. O recorde do regime em execução de militantes, trabalhadores, minorias nacionais desde o     início da subida ao poder até julho de 1988 eleva-se a dezenas de milhares de assassinados.

O Irã, nos últimos 18 anos,
tem sido palco de um intenso
crescimento da oposição
e irrupção da luta da massa

Nos últimos 15 anos, a cada ano, companheiros, familiares e amigos reunem-se em túmulos de alguns dos exterminados no verão de 1988, num lugar conhecido como "Khavaran", para lembrarem seus amados. Estas reuniões são constantemente atacadas pela polícia e milícias do regime. Este lugar se tornou conhecido publicamente como o "Golzare Khavarn", que significa que o jardim do Khavaran é um lugar onde as flores crescem.

Em seguida a esse crime contra o povo do Irã, o regime assumiu que com isto acabaria com toda a oposição e impediria a militância entre os povos oprimidos do Irã. De qualquer forma, o Irã, nos últimos 18 anos, tem sido palco de um intenso crescimento da oposição e irrupção da luta da massa.

Em julho de 1999, em seguida às eleições do liberal Mullah Khatami à presidência, quando pensou-se ser ele uma válvula segura para o regime e para obstruir o aumento dos movimentos radicais, o movimento dos estudantes iranianos iniciou uma onda de luta militante pela democracia e contra o regime.

Khatami, (o sorridente fala-mansa Mullah) pessoalmente, ordenou a rápida e violenta repressão ao movimento dos estudantes que conduziram à revolta de 6 dias (conhecida como Levante Estudantil de 9 de Julho). Estes estudantes aprenderam mais sobre a vida e a política nestes dias do que aprenderiam em anos de vida acadêmica. Mais de 1500 foram presos e condenados a longas sentenças. Entretanto, o movimento estudantil continuou a adotar posições mais radicais e rejeitou mais e mais todos os grupos de poder. Hoje, há ainda muitos nas prisões resistindo à tortura e ao isolamento.

As últimas falsas eleições, que foram concluídas com a eleição de Mahmoud Ahamadinejad como novo presidente, indica que o regime está mais uma vez preparando amplos ataques contra o aumento da militância dos trabalhadores, mulheres, estudantes, minorias nacionais, povos indígenas e outras seções de povos oprimidos do Irã.

Ahamadinejad é bastante conhecido como uma pessoa que não só divide responsabilidades por crimes cometidos contra o povo do Irã com todos os outros membros do regime, como também é especialmente conhecido por ter participado dos planos e assassinatos dos prisioneiros políticos e do assassinato em série de personalidades intelectuais e progressistas. Ele é um dos responsáveis pelo planejamento e assassinato no exterior do Dr. A. Gasemlou e outros líderes do Partido Democrático Curdo, no incidente Mikonos, na Alemanha.

A eleição de Mahmoud Ahamadinejad como novo presidente é um sinal de que a contradição se intensificará; de que o movimento revolucionário no Irã deve se preparar mais do que nunca para encarar o regime da República Islâmica.

É neste contexto que as celebrações do massacre de prisioneiros políticos este ano se reveste de um maior significado para levar adiante uma maior unidade e coordenação para elevar o apoio para com os presos políticos do Irã e erguer a voz de sua resistência em nível internacional.

Grupo de Mulheres 8 de Março (iranianas e afegãs) — Inglaterra
Ativistas das Guerrilhas Fadaii, em Londres 
Organização Democrática Antiimperialista de Iranianos na Inglaterra.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin