União para o Mediterrâneo: Mais um engodo imperialista

A- A A+
Pin It

No ano de 1995 os poderosos da Europa lançaram o chamado "processo de Barcelona", que apresentaram como um projeto de "parceria" euro-mediterrânea. Reunidos ali, na capital da região espanhola da Catalunha, os dirigentes da União Européia delineavam então os termos de uma nova fase do neocolonialismo no entorno europeu — algo mais de acordo com a moderna rapinagem monopolista. Aquela praticada em nome da "democracia" e da "segurança dos povos".

http://www.anovademocracia.com.br/47/16.jpg

Os documentos oficiais e a historiografia oficiosa dão conta de que a "política da União Européia em relação aos países do Mediterrâneo" prevê as maravilhas do sétimo céu para a vizinhança da África e do Oriente Médio.

A declaração de Barcelona, que desencadeou o processo propriamente dito, dizia o seguinte: "a parceria tem por objetivo favorecer a paz e a estabilidade na região, instaurando um diálogo político no respeito pelos valores comuns partilhados pelos parceiros, como a democracia e o Estado de direito. Tem igualmente por objetivo favorecer a prevenção e a resolução de conflitos, bem como a prosperidade, através da criação de uma zona de comércio livre e do desenvolvimento de cooperações".

Trata-se do velho discurso liberal com o qual os poderosos tentam avalizar toda sorte de roubos e humilhações. Prenunciam guerras falando em "paz" e "estabilidade". A truculência de sempre se transforma em "diálogo". Por fim, anunciam "prosperidade" e "comércio livre" quando estão falando mesmo é de pilhagem.

Esta declaração de intenções da Europa do capital, no sentido de consolidar e lançar as bases para a perpetuação do domínio sobre os países da costa do mar Mediterrâneo, ecoou mundo afora há mais de dez anos, mas só agora a coisa foi levada adiante, graças ao perfil, digamos, "empreendedor" do presidente francês Nicolas Sarkozy e à cumplicidade dos dirigentes oportunistas das outras margens.

União de quem? A favor de quê?

No último dia 13 de julho, 13 anos depois, o processo que começou em Barcelona foi concluído em Paris. Nicolas Sarkozy, que exerce atualmente a presidência rotativa da União Européia — permanecendo nesta função até dezembro — recebeu na capital da França os administradores de 44 países localizados ao norte e ao sul do Mediterrâneo. Lá, manda-chuvas e gerentes semicoloniais levaram apenas quatro horas para acertarem os ponteiros e decretarem a criação oficial da União para o Mediterrâneo (UpM).

Da mesma forma que sua antecessora — a Declaração de Barcelona — a resolução fundacional da UpM leva os desavisados a acreditarem que o novo bloco surge alicerçado nas melhores intenções possíveis, e para bem de todos os povos envolvidos. A verdade, no entanto, é que a União Européia pretende levar a cabo de uma vez seu projeto de dominação política, econômica e militar da região.

São estas as três vertentes do programa da UpM, ainda que as boas maneiras obriguem os gerentes responsáveis pela criação do novo bloco a usarem eufemismos para enumerar os supostos benefícios que o acordo traria para todos através de uma suposta cooperação empresarial, cultural, e em segurança e migração.

As massas trabalhadoras, no entanto, sabem bem o que está por trás de toda esta falácia. As classes populares dos países europeus, africanos e asiáticos, que foram entrelaçadas nesta União para o Mediterrâneo, não se iludem com mais este arranjo preparado pela burguesia da Europa e afiançado pelas classes dominantes das nações situadas em volta do mar que banha partes da Europa, África e Oriente Médio.

Isto quando chegam a se tratar de nações, o que não é o caso do Estado fraudulento de Israel. Os palestinos, oprimidos pela administração sionista, vêem-se agora juridicamente amarrados às políticas neocoloniais de Alemanha, França, Inglaterra e companhia. E pior: gerentes lacaios assim decidiram por eles.

Os povos da região conhecem a enorme importância estratégica que o entorno do Mediterrâneo tem para os interesses das classes dominantes sediadas no "velho continente". A partir de agora é possível prever o que virá: a Europa exigirá que seus novos "parceiros" se apressem em realizar reformas para facilitar a mobilidade do capital, o que, na prática, espalhará a precariedade absoluta do emprego e das condições de vida, promovendo uma devastação ainda maior, desde o estreito de Gibraltar até a Cisjordânia. Pode-se esperar também um incremento da reação contra a resistência em países banhados pelo Mediterrâneo, como o Líbano.

Roubar até luz solar

Muitas coisas já estão em curso. Menos de 15 dias depois do lançamento oficial da União para o Mediterrâneo, no final de julho, um dos objetivos imediatos do novo avanço europeu sobre os países do norte da África começou a ser exposto às claras.

Na abertura do Fórum Aberto Eurociência, que aconteceu ironicamente na mesma cidade de Barcelona, o cientista Arnulf Jaeger-Waldau, do Instituto para a Energia da Comissão Européia, anunciou um plano para a exploração de energia solar a partir do deserto do Saara, o que seria suficiente para abastecer todo o continente europeu.

A intenção é cumprir as metas de redução das emissões de carbono estabelecidas em tratados internacionais substituindo a queima de combustíveis fósseis pela energia "limpa" a ser produzida nos países do norte da África.

Trata-se dos poderosos buscando os recursos naturais de que precisam em terras sob seu jugo, tudo sob as bênçãos do novo bloco. A maior parte do deserto do Saara fica dentro das fronteiras de países como Marrocos, Argélia, Líbia e Egito — todos membros da União para o Mediterrâneo. Qualquer semelhança com o colonialismo dos séculos passados explica que a tragédia africana de hoje não é mera coincidência — é sua atualização!

O próprio Sarkozy e o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, foram os primeiros a apoiar publicamente o projeto, que consistiria na construção de parques de energia solar no maior deserto quente do mundo, e na ligação direta entre eles e a Europa por redes elétricas a transpor o mar Mediterrâneo.

Foram também os primeiros, ainda na véspera do lançamento da União para o Mediterrâneo, a darem o sinal verde para que a ciência fosse colocada a serviço da rapinagem neocolonial no âmbito do novo bloco.

Brown já sabia muito bem que aproveitar os raios de sol para gerar energia é algo três vezes mais produtivo no deserto do Saara do que no norte da Europa, e o acirramento da recolonização programada da África — particularmente das ex-colônias francesas no norte do continente — é um dos objetivos de Sarkozy em sua presidência da União Européia.

Mas isto que já se faz sob o lema do "aprofundamento da integração dos mercados energéticos" é apenas uma parte, uma pequena parte do que os povos da região deverão enfrentar.

No entanto, já prevendo maior resistência, os termos da União para o Mediterrâneo dão conta de uma cooperação para o combate ao "terrorismo" — esta é a palavra que se costuma usar para desqualificar aqueles que lutam por sua liberdade ante as ofensivas imperialistas e neocoloniais.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja