O povo clama por justiça; governo e oposição negociam

http://www.anovademocracia.com.br/47/14a.jpg
Manifestação pró Evo Morales em La Paz

A radicalização da burguesia compradora e dos latifundiários nos departamentos da autodenominada Meia  Lua — Santa Cruz, Beni, Tarija e Pando —  começou com a tomada violenta de instituições estatais. Por sua vez, o governo convocou a população e fundamentalmente aos grupos corporativos que consegue manejar para defender a democracia contra o "golpe de Estado cívico-prefeitural" (como o governo denominou as medidas tomada pela Meia Lua) produzindo-se enfrentamentos entre adeptos do MAS e grupos de choque das prefeituras e comitês cívicos, até desembocar no massacre de camponeses no departamento de Pando, cometido por sicarios que obedecem as ordens do poder gamonal-latifundiário desse departamento. Este fato serviu para o governo retomar a iniciativa e conseguir o respaldo internacional e instaurar o Estado de sítio no mencionado departamento.

Apesar de ainda não haver dados finais relativos à quantidade de mortos no massacre, segundo fontes oficiais, o número está entre 10 e 14 mortos. Também não se tem o número exato de desaparecidos; algumas fontes falam em 50, outras em 100 desaparecidos. É claro que em Porvenir se realizou um massacre contra os camponeses e não um enfrentamento como querem fazer crer os apaniguados dos latifundiários. Governo e oposição se lançaram em uma campanha de acusações, na qual, finalmente, relegam o papel das massas neste conflito. As mesmas massas que suportam a opressão dos grandes latifundiários.

A conjuntura mostra que o problema da terra não foi resolvido, e se estende por todo o país. Há dois meses o governo declarou Pando um "territorio livre do latifundio", mas a realidade mostra que em Pando sobrevive a semifeudalidade, expressa no poder gamonal à base da propriedade da terra e da servidão a que estão submetidas as massas camponesas. Não é por acaso que deram o nome de "Cacique" a Leopoldo Fernández, que até pouco tempo era prefeito (governador) deste departamento e agora está detido na prisão de São Pedro, em La Paz. Ele é um dos donos de grandes extensões de terras e está acostumado a manejar a política departamental como seu feudo, submetendo aos que se opuserem. Esta é mais uma manifestação do poder gamonal neste departamento.

Em Pando, há famílias que ostentam o poder pela possessão de grandes extensões de terra (famílias como: Sonneschein, Hecker, Becerra Roca, Vaca Roca, Vargas Rivera, Peñaranda, Barbery Paz, Claure e Villavicencio Amuruz, que concentram a maior quantidade de terras. Elas oscilam entre 12.782 e 290.197 de hectares [Dados do INRA publicados no jornal La Razón, 21 de setembro de 2008, Págs. A16] e desta forma administram as instituições estatais e regionais. Ao lado do poder gamonal, existem relações de servidão com as comunidades que vivem dentro das terras dos latifundiários e que estão submetidas ao trabalho gratuito ou outras formas de prestação que incluem o pagamento de diárias. Estas são características claras da semifeudalidade, que enquanto não forem eliminadas por completo, o problema da terra não será resolvido e as disputas e abusos por parte dos latifundiários (empresários exportadores de castanha, principalmente) sobre os camponeses será contínua, independente da distribuição de terra que o governo propor. A única forma de eliminar a semifeudalidade, a servidão e o poder gamonal-latifundiário é mediante uma transformação radical da sociedade atual, algo que o governo reformista do MAS não busca fazer.

A negociação

O governo soube capitalizar o massacre em Cobija, aparecendo como vítima ante a opinião pública nacional e internacional, conseguindo colocar os representantes do poder gamonal-latifundiário e da burguesia compradora, os prefeitos da Meia Lua — a mesa de negociações, onde o governo busca impor a aprovação de seu projeto de constituição política, reflexo do programa da burguesia burocrática.

A investigação e o julgamento pelos crimes ocorridos em Pando está nas mãos do poder judiciário, organismo que padece da secular enfermidade da corrupção, nepotismo, tráfico de influência e todos os males que possamos imaginar. Enquanto os familiares das vítimas e a população em geral vem realizando várias marchas exigindo justiça, o poder judiciário se embaraça em mesquinharias jurídicas, que servem apenas para estender o processo.

Duvidamos seriamente que a justiça deste ou de outro governo possa dar solução a estes fatos. Apenas em um verdadeiro governo popular, onde o povo possua o controle do Estado, é que haverá uma justiça popular.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza