Pará: Operação "Paz no Campo" continua matando camponeses

A- A A+

O Cebraspo (Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos) denunciou que de janeiro a setembro deste ano, nove camponeses foram covardemente assassinados no sul do Pará, por bandos de pistoleiros a mando dos latifundiários. Cícero, Raimundo, Rivaldo, Foguinho, Carlito, Assis, José Filho, Rodolfo e Edivaldo Sousa do Nascimento, este conhecido pelo apelido de "Bagaceira". Todos eles participavam, no sul do Pará, da luta pela terra, sendo que a maioria esteve diretamente envolvida na tomada da Fazenda Forkilha, em setembro de 2007.

Os leitores de AND têm acompanhado os desdobramentos da luta pela Forkilha e da sangrenta operação "Paz no Campo" desencadeada pelo governo de Ana Júlia Carepa-PT que torturou e prendeu centenas de camponeses e prossegue assassinando tantos outros. [ver AND nº 39, janeiro de 2008— Operação de guerra promove saque, tortura e prisão de camponeses no sul do Pará].

Já se passaram mais de nove meses desde a chamada "Operação Paz no Campo", e a situação dos camponeses só piorou.

"A situação hoje em Redenção e região, após a operação terror no campo mergulhou num estado de sítio, onde centenas de camponeses, de diversas áreas e movimentos, estão sendo despejados de posses que ocupavam há vários anos, perseguidos e assassinados de forma brutal", denunciou a LCP em nota.

Recentemente, no município de Conceição do Araguaia, camponeses acampados na Fazenda Cinzeiro foram violentamente despejados por pistoleiros. Depois disso, juntamente com o latifundiário, eles foram atacados na casa onde estavam dormindo, foram agredidos e seus familiares humilhados. Seis deles, incluindo um senhor de 75 anos de idade, foram arbitrariamente presos e mantidos na prisão durante dois meses.

Os assassinatos de camponeses por pistoleiros, a serviço dos latifundiários, seguem acontecendo sob o silêncio cúmplice de autoridades estaduais, órgãos federais, representantes do Ministério Público estadual, membros do Judiciário e partidos políticos ditos "de esquerda".

O Centro de Solidariedade denunciou ainda que "Pistoleiros chegaram ao absurdo de exibir listas com nomes das próximas vítimas nas quais constava o valor, em dinheiro, de suas 'cabeças'. Eles seguem camponeses, rondam suas casas, exibem armas, sem qualquer constrangimento ou preocupação de serem presos."

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja