Estudantes da Federal de Rondônia impedem a aplicação do Reuni

A- A A+

Uma assembléia histórica com a presença de mais de 450 estudantes. A adesão de professores, estudantes, técnicos-administrativos. 1.100 estudantes integraram o movimento. Aulas paralisadas e universidade mobilizada. Duas semanas de greve. E os estudantes da Universidade Federal de Rondônia impedem a aplicação do "plano de reestruturação" das universidades, parte da "reforma" universitária, imposta pela gerência Luiz Inácio.

http://www.anovademocracia.com.br/47/11a.jpg
Estudantes em Assembléia Geral decidem novamente pela paralisação de seus cursos

No dia 8 de setembro último a UNIR — Universidade Federal de Rondônia amanheceu em greve.

O estopim do movimento foi a publicação do Edital 2009 do Vestibular da UNIR, que confirmava a aplicação do REUNI na universidade. De acordo com o Edital, os 36 cursos dos cinco campi da UNIR teriam suas vagas "ampliadas", com base em um projeto "aprovado" durante uma reunião do Conselho Superior Universitário — CONSUN, que ocorreu em outubro de 2007, sob a vigilância e proteção das forças policiais, na Base Aérea do Sistema de Proteção da Amazônia — SIPAM, durante a segunda ocupação estudantil ao prédio da Reitoria da UNIR.

De acordo com uma nota publicada pelo Diretório Central dos Estudantes da UNIR, gestão "Dias de Luta":

"Essa reunião não é legitimada pelo conjunto da comunidade acadêmica, assim como também não reconhecemos a adesão da UNIR ao Reuni. Além disso, inúmeros departamentos já haviam se posicionado de forma contrária a expansão de vagas nos seus cursos. Desrespeitando e sepultando qualquer resquício de autonomia da Universidade, o REI(tor) da UNIR amplia, de maneira arbitrária e unilateral, as vagas dos cursos de graduação da UNIR."

Além da imposição do Reuni e ampliação das vagas à revelia dos departamentos, a Reitoria da UNIR abriu inscrições para 12 novos cursos no vestibular 2009, sem a apreciação e aprovação de seus projetos político-pedagógicos pelo Conselho Superior Acadêmico— CONSEA.

O DCE esclarece em nota à comunidade acadêmica:

"(...) com base em um decreto autoritário e em uma proposta populista e demagógica de ‘expansão e ampliação do acesso ao ensino superior público no Brasil’, se operacionaliza um processo crescente de precarização da infra-estrutura já existente, de sobrecarga de trabalho docente e de dissociação entre o ensino, a pesquisa e a extensão.

Diante de todo este quadro, inúmeros cursos da UNIR que já apresentavam problemas crônicos quanto à insuficiência de corpo docente e técnico-administrativos, infra-estrutura adequada, decidiram por formular pautas específicas de reivindicação e unificá-las em torno de um programa comum para nossa Universidade, que contemple os anseios particulares de cada curso, somado a questões como paridade nos conselhos superiores, realização de um Congresso Universitário, implementação do Restaurante Universitário e construção da Moradia Estudantil.

Até o presente momento, os cursos de Pedagogia, Informática, Geografia, Medicina, Enfermagem, Psicologia, Engenharia Elétrica, Física e Ciências Sociais estão paralisados, sendo que no primeiro dia de paralisação, inúmeros outros cursos já sinalizaram a disposição de construir a greve, tal como os cursos de Biologia, Matemática, Ciências Contábeis e Letras - Português, que realizarão Assembléias Gerais nos próximos dias."

Uma assembléia geral foi convocada pelo Diretório Central e, no dia 8 de setembro, com a presença de cerca de 450 estudantes, foi tomada a decisão pela deflagração da Greve Estudantil.

Deflagrada a greve, vários outros cursos aderiram ao movimento e já na primeira semana de mobilizações, a Reitoria recuou e se prontificou em discutir as reivindicações estudantis com o Comando Geral de Greve.

A greve estudantil na UNIR fez a Reitoria retirar a medida de "ampliação" de vagas prevista no Edital 2009 e impediu a aplicação do Reuni na Universidade, forçando o Reitor a assinar um Termo de Ajuste de Conduta, que o obriga judicialmente a cumprir com o que acordou com o Comando Geral de Greve.

A greve significou, ainda, uma nova centelha da atual onda de mobilizações, greves e ocupações de reitorias que se desencadeou neste segundo semestre de 2008 nas universidades brasileiras, significando um novo patamar de enfrentamento contra a aplicação da "reforma" universitária. Assim, concluiu o Diretório Central dos Estudantes após a vitoriosa Greve:

"Nossa greve, companheiros, foi plenamente vitoriosa. Com ela, conseguimos dar um duro golpe na aplicação do Reuni em nossa universidade. Porém, não podemos nos conformar apenas com isso. A nós se coloca a tarefa de revogar o decreto do Reuni, além de derrotar a "reforma" universitária que vem sendo implementada pelo governo Lula. Para isso, precisamos construir uma Greve Geral de âmbito nacional para derrotarmos os ataques de Lula ao ensino superior público e construirmos uma universidade pública, gratuita, de qualidade, com acesso universalizado e que produza ciência a serviço do povo."

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja