Colapso em marcha

Não se trata apenas do colapso financeiro mundial. Este se aprofunda e já acarreta estagnação e inflação nos EUA e na Europa.

Em artigo do início deste ano, escrevi:  "Vem à tona, desde julho de 2007, grande quantidade de títulos financeiros destituídos de valor. Isso é só parte da montanha que está implodindo. Foram emitidos por bancos e fundos na euforia mentirosa da globalização e da desregulamentação. Finalidade: lucros ilimitados sem esforço algum, criados nos supercomputadores que movimentam as centenas de trilhões de dólares e de euros virtuais."

Disse mais: "Os derivativos ultrapassam 500 trilhões de dólares..."  E: "... os ativos financeiros chegaram a US$ 167 trilhões: 14 vezes a cifra de 1980. Em contraste com essa mega-inflação a economia real estagnou."

Dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS) e do Controlador da Moeda dos EUA indicam que o valor nominal dos derivativos (futuros, swaps, opções, inclusive títulos de balcão — over-the-counter) ascendeu a US$ 516 trilhões em junho de 2007, US$ 220 trilhões a mais que em junho de 2004.

As crises são sucessivas, cada vez mais amplas e profundas. O colapso de que elas são parte tem potencial para superar o dos anos 1930. Bancos dos EUA e da Europa estão sendo socorridos pelas autoridades monetárias, e isso leva a denunciar, com razão, a fraude dominante nos últimos 25 anos, que atende por nomes como globalização, neoliberalismo, livre mercado, etc.

Até membros do establishment afirmaram ter morrido o sonho do capitalismo de livre mercado, quando o Bear Stearns, de Nova York, foi resgatado em março de 2008. Desde então a dimensão dos surtos cresceu exponencialmente. As operações de salvamento, só em setembro, nos EUA, montam a U$ 300 bilhões. Entre elas, as das hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac, com ativos problemáticos de 5,3 trilhões, e a seguradora AIG. Até agora, mais de US$ 1 trilhão.

O Congresso dos EUA acaba de aprovar lei que dá poder ao Secretário do Tesouro para comprar ativos, no montante de US$ 700 bilhões. Ela socializa prejuízos decorrentes da ganância e da irresponsabilidade de banqueiros bilionários, sem lhes tirar um centavo dos desmedidos ganhos obtidos com as jogadas depois malsinadas. Aí está uma lição para os que pensam existir democracia nos EUA.

O próprio especulador George Soros lembra que o governo deveria entrar no capital dos bancos em vez de adquirir títulos duvidosos. O investidor Warren Buffett aplicou US$ 5 bilhões em ações preferenciais, com 10% de dividendos anuais, da Goldman Sachs, um dos dois bancos de investimentos de Nova York que não quebrou, graças ao apoio do FED. Buffet comprou também ações ordinárias por mais US$ 5 bilhões, a US$ 115 a unidade. O pico foi US$ 251, e cotação recente, US$ 138.

O Secretário do Tesouro, Henry Paulson, é ex-sócio diretor da Goldman Sachs. Segundo W. Engdahl (Global Research, 30.09.2008), se o governo não tivesse adquirido 80% das ações da AIG, a Goldman Sachs perderia US$ 20 bilhões, e Paulson, US$ 700 milhões em opções acionárias. Ela é grande doadora das campanhas de Obama e MCain. Ambos recomendaram a seus partidos sustentar o projeto da lei.

Os US$ 700 bilhões que esta confia a Paulson serão certamente usados com a mesma seletividade de antes, salvando alguns bancos e deixando outros quebrar, como o Lehman Brothers, com perdas de US$ 600 bilhões. A Merrill Lynch foi absorvida pelo Bank of America. De qualquer forma, as perdas prováveis, só do setor imobiliário dos EUA, montam, por ora, a mais de 7 trilhões, 10 vezes o montante previsto na lei.

O tamanho total dos rombos é infinitamente superior à capacidade de os Tesouros e bancos centrais os cobrirem sem gerar hiperinflação como a de 1923 na Alemanha, antes de absorverem 1/5 dos títulos problemáticos.

A oligarquia financeira consegue, porém, impedir que as sociedades se dêem conta do que lhes espera. Nisso ela é coadjuvada não só pela mídia, mas até por economistas e outros renomados críticos do capitalismo que se regozijam com o sonhado fim desse sistema, irrealizável enquanto ele controlar o Estado.

Imaginam que a intervenção estatal abra caminho a políticas econômicas menos danosas à sociedade. Assinalam a desmoralização das ideologias neoliberal e monetarista, mas se iludem com a keynesiana, que preconiza guerras de grande porte para sair da depressão. Parecem ignorar que todas essas ideologias estão na caixa de ferramentas da oligarquia, para ser utilizadas conforme a ocasião.

Desconsideram a questão fundamental: quem controla o Estado. Omitem que as desgraças tendem a crescer, com ele atuante ou não, enquanto não se institucionalizar a supremacia da economia de mercado sobre o capitalismo concentrador. Este comandará o Estado, se perdurar a ordem jurídica que não impede o acúmulo ilimitado de propriedade por uma só empresa e por um só indivíduo.


* Adriano Benayon é Doutor em Economia. Autor de Globalização versus Desenvolvimento, editora Escrituras. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin