Os 100 anos do Mestre Cartola

A- A A+
Pin It

Modéstia, sensibilidade, criatividade e honestidade são só alguns dos adjetivos que nos remetem à lembrança do maior compositor da história do samba e um dos maiores da verdadeira música popular brasileira: Cartola.

http://www.anovademocracia.com.br/48/21a.jpg

Quando começou a trabalhar como operário da construção civil, Angenor de Oliveira incomodava-se muito com o cimento que caía sobre seus cabelos e por isso usava um chapéu, o que motivou seus companheiros a darem-lhe o apelido de Cartola, que mais tarde ficaria conhecido por suas belíssimas composições, ainda vivas depois de tantas décadas.

Cartola nasceu no Rio de Janeiro em 11 de outubro de 1908 e morou até os 11 anos no Catete, de onde se mudou por problemas financeiros. De lá, sua família seguiu para o morro da Mangueira, mas antes disso, o Mestre já era envolvido com a música e desfilava desde os oito anos nos blocos carnavalescos da época.

Mesmo tendo sido um grande poeta, Cartola estudou apenas até o primário e teve diversos empregos. Desde lavador de carros e porteiro, até funcionário de repartição pública. Até que, por motivos de saúde, teve que parar de trabalhar, chegando à beira da morte. Com a ajuda dos amigos, ele se recuperou e começou a vender os sambas que escrevia. O primeiro deles foi entregue em 1927 a Francisco Alves em troca de 300 contos de réis. Nessa época Noel Rosa era seu grande amigo, parceiro, e também vendia suas composições.

Até ali, Cartola já havia sofrido uma série de dificuldades, como a morte prematura da mãe, Dona Aida, e a severidade do pai, que o expulsou de casa aos 17 anos. A partir de então, o refúgio do Mestre tornou-se o samba e a vida boêmia.

No tom da Mangueira

Com o forte movimento de organização dos blocos de carnaval, iniciado na década de 20, diversas escolas de samba começaram a surgir e ganhar notoriedade. Surgiu então no Estácio a escola de samba Deixa Falar, criada por Ismael Silva, outro nome imortal na história do samba. Mais tarde, no dia 28 de abril de 1928, Cartola e outros sete amigos — Euclides, José Claudino (Massu), Pedro Caim (Pedro Paquetá), Heitor dos Prazeres (Mano Heitor), Saturnino Gonçalves (Satur), Abelardo da Bolinha e Zé Espinguela — reunidos na casa de Euclídes da Joana Velha, em nome de todos os blocos da Mangueira, fundam a Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira. O nome foi inspirado em uma música de Cartola, assim como as cores, verde e rosa, que também foram escolhidas pelo Mestre. Na gravação de uma de suas músicas, Inverno do meu Tempo, antes de versar ele conta como surgiu a idéia.

— Quem criou esse nome de estação primeira fui eu, porque eu tinha um samba que se chamava Sonhos de Estação Primeira, salve o morro de Mangueira. E aí ficou esse nome: Estação Primeira. Eu morava no Catete, depois mudei-me pra Laranjeiras e lá tinham dois ranchos, o da Aliança e o dos Arrepiados, que era verde e rosa. Por isso eu gostava dos Arrepiados. Quando vim para o morro, que fundamos a Escola, eu me lembrei das cores verde e rosa e pedi pra botar. Eles aceitaram, mas o Carlos [Cachaça] disse que já tinha um rancho lá em Mangueira, dos Caçadores da Floresta, que tinha essas cores, verde e rosa. Então calhou.— conta Cartola, que em seguida fala sobre sua paixão pelo samba — Eu gosto mais de fazer samba-canção porque é o estilo que eu acho bonito. Eu não gosto muito desses sambas corridos, tem que ser uma coisa muito boa. Eu mesmo já fiz muitos, mas fui caindo mais pro lado da canção. Eu não levo jeito pra fazer outro tipo de música. O parceiro meu que foi mais frequente foi Carlos Cachaça, com quem eu escrevi mais músicas — conta o Mestre, não esquecendo do seu grande amigo e concunhado.

Na Praça Onze — local tradicional dos desfiles antigamente — em seu primeiro carnaval a Estação Primeira de Mangueira ganhou com o samba Chega de Demanda, escrito por Cartola, que seguiu como diretor de harmonia da escola.

http://www.anovademocracia.com.br/48/21b.jpg

Entre 1949 e 1977, Cartola não desfila e afasta-se da escola de samba por severas contradições com a diretoria. Ele dizia que ela estava sendo transformada em um reduto político e eleitoreiro e perdendo as suas raízes, por obra desses diretores e que ele não tinha mais convicção de sua participação.

O Mestre então vai morar na Baixada Fluminense, onde a sua vida toma um rumo tenebroso. Enviúva e contrai meningite, ficando mais tarde em complicada situação de saúde. No meio da década de 50, o cronista, escritor, compositor e radialista, Sérgio Porto, depara-se com Cartola em Ipanema, lavando carros em plena madrugada e resolve incentivá-lo a voltar a compor suas belas músicas, dando-lhe, posteriormente, todo amparo necessário.

A companheira e os amigos

Em 1952, Cartola retorna ao morro curado de sua doença e lá reencontra uma velha amiga, também viúva, Euzébia Silva do Nascimento, a famosa Dona Zica, com quem Cartola viveu o resto de sua vida. Ela era cunhada de outro grande Mestre de Mangueira, Carlos Cachaça, que mais tarde tornar-se-ia o maior companheiro de Cartola na vida e na música. Eles escreveram e musicaram vários sambas juntos como Quem me vê sorrindo, Alvorada e Tempos idos.

Ao lado de Dona Zica — com quem Cartola casou-se em 1964, depois de doze anos de namoro — ele também escreveu diversas músicas, como As rosas não falam, Nós dois (escrita poucos dias antes do casamento) e O Sol Nascerá. Ainda na década de 60, o casal, juntamente com dois sócios, fundam o bar ZiCartola, que transforma-se mais tarde em um tradicional ponto de encontro de sambistas e outros apaixonados pela música.

O baluarte Nelson Sargento, filho de criação de um grande letrista e amigo de Cartola, Alfredo Português, contou um pouco da sua convivência com Cartola, e de quando morava na Mangueira, lado à lado com o Mestre.

— Eu conheci bem o Cartola e o considero meu ídolo. Eu via naquela época, que eu tinha 19, 20 anos e ele tinha muita música boa. Naquela época, o Cartola dividia as atenções com Mário Reis, Carmem Miranda, Arnaldo Amaral, entre outros. Mas ele se diferenciava por não se adaptar àquela convivência de cidade, porque ele era negro e havia naquela época uma divisão artística entre compositores negros e brancos. Os brancos se separavam dos negros, que habitavam um botequim sujo e sem vergonha lá na Praça Tiradentes. E o Cartola não queria se sujeitar a essa separação. Mas todos os mais famosos sabiam que o Cartola existia, graças a um samba gravado em 1934, chamado Divina Dama que ele vendeu para o Francisco Alves. Orestes Barbosa em um livro chamado Samba escreveu que um dia todos iam ouvir falar do Cartola. A sua casa era frequentada por jornalistas e muitas pessoas importantes, inclusive Villa Lobos. Eu já o tinha visto na casa do Cartola muitas vezes. Ele escutava o cartola cantar e dizia: "Tá tão bonito, mas tá tudo errado". A minha convivência com Cartola me fez ter uma preocupação maior com a letra do samba. Acho que fazer samba fácil é difícil e fazer samba difícil é mais fácil — conta o compositor.

Grande sambista, Ataulpho Alves Júnior, conta que aprendeu com seu pai, o falecido Ataulpho — que também gravou músicas do Mestre — a apreciar as poesias de Cartola, de quem Ataulphinho é ídolo desde os tempos de criança.

— O Cartola era muito amigo do meu pai e eu tinha muito respeito por ele. Quando eu era criança ficava só olhando ele de longe. Eu gosto muito da obra do Cartola. Eu canto muitos sambas dele, como As rosas não falam. Existia uma música dele com outro compositor, que fui descobrir que o meu pai gravou na época, no tempo do 78 rotações, e depois o Paulinho da Viola regravou, Eu não posso viver sem ela. Mas eu era muito garoto. Eu falava pra ele 'Oi, como vai o senhor, tudo bem?' E ele já era coroa. Agora o Nelson Cavaquinho, eu e um amigo meu, a gente carregava o violão do Cartola e tudo, só pra ficar do lado dele. Eu frequentava muito a Mangueira, o Buraco Quente, eu ia ali tomar aquela sopa depois do ensaio. Meu pai e o Cartola eram muito colados — conta Ataulpho Junior.

Adeus Cartola

Mesmo tendo sido um dos maiores poetas, não só do samba como da música popular brasileira, Cartola foi uma grande vítima da mesma exploração que padece o povo brasileiro. Angenor de Oliveira morreu muito pobre, morando em um pequeno sobrado, que foi doado a ele pela prefeitura.

As músicas de Cartola já foram gravadas por diversos artistas dos mais variados estilos e regiões. Entre eles, Beth Carvalho, Chico Buarque, Marisa Monte, Paulinho da Viola, Fagner, Gal Costa e muitos outros, porém Cartola gravou seu primeiro disco somente em 1974, Cartola, produzido por um dos maiores produtores e promotores da cultura nacional, Marcus Pereira. Na época o Mestre já estava com 65 anos. Em 30 de novembro de 1980, apenas seis anos depois , apagou-se a chama da vida de Angenor de Oliveira, legítimo filho do povo brasileiro, a quem presenteou com algumas das mais belas canções já criadas.

Seus sambas até hoje são cantados em bares e rodas de samba por todo Brasil. Cem anos depois de seu nascimento, Cartola merece estar mais do que vivo na boca dos operários, camponeses, estudantes e dos que lutam por uma cultura realmente popular e democrática.

Feijoada e muito samba na quadra

A quadra da Mangueira ficou pequena no dia em que Cartola completaria 100 anos. Naquele belo sábado de sol, mais de cinco mil pessoas compareceram à quadra da escola para a festa, que começou pela manhã e só acabou no fim da tarde, regada a muito samba e uma deliciosa feijoada preparada pela própria comunidade.

O som, com o repertório regado a Cartola, ficou por conta de Renatinho Partideiro e os grupos Nação Mangueirense, Tambor de Minas e Laço Forte. A voz do baluarte Nelson Sargento, das cantoras Rosemary, Dorina e Margarete Mendes, além do compositor Daniel Pereira, também marcaram a comemoração. Em seguida a escola mirim Mangueira do Amanhã fez uma bela apresentação sob a voz do intérprete oficial da escola, Luizito.

O casal de mestre-sala e porta bandeira, as passistas e as baianas também entraram na quadra ao final da festa e deram um show de arte e dança para o público presente. A comemoração não poderia ser melhor e como dizia Cartola "Hei de ter um alguém pra chorar por mim, através de um pandeiro e de um tamborim".

A cor da esperança
Cartola/Roberto Nascimento

Amanhã,
A tristeza vai transformar-se em alegria,
E o sol vai brilhar no céu de um novo dia,
Vamos sair pelas ruas, pelas ruas da cidade,
Peito aberto, cara ao sol da felicidade.
E no canto de amor assim,
Sempre vão surgir em mim, novas fantasias,
Sinto vibrando no ar,
E sei que não é vã, a cor da esperança,
A esperança do amanhã.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja