Notícias da guerra popular - Filipinas

A- A A+

Exército Vermelho intensifica ações contra empresas de biocombustível

http://www.anovademocracia.com.br/48/16b.jpgOutubro de 2008 — O Novo Exército do Povo (NPA1)  intensificará as medidas preventivas contra as corporações de agronegócio como a Tamlang Valley Agricultural Development Corporation, (TVADC) por agravarem o problema do abastecimento de   alimentos e provocarem numerosos conflitos no sudeste da Ilha de Negros. A informação foi dada por Ka Dom Pantaleon, porta-voz do Comando do NPA em Pulang Mt. Talinis, ao anunciar outra ação punitiva contra a TVADC, empresa de biocombustíveis estabelecida em Casalaan, Siaton e Negros Oriental.

Pantaleon informou que em outubro o governo democrático popular2 determinou que um destacamento do NPA confiscasse e incendiasse dois tratores da TVA DC na localidade de Tamlang, no vilarejo de Talalak, na cidade de Sta. Catalina. Não houve feridos na intervenção. 

Esta foi a segunda operação do Novo Exército do Povo para proteger os camponeses dos abusos da companhia de biocombustíveis de propriedade da família do ex-congressista Hermínio Teves e grupos coreanos. No último dia 9 de setembro, um grupamento do NPA confiscou e incendiou três tratores da TVADC em Cuadra, vilarejo de Mantikil, em Sta. Catalina.

http://www.anovademocracia.com.br/48/16c.jpgPantaleon revelou que o NPA prosseguirá nas ações punitivas contra as organizações que impelem a expansão da plantação de aipim (mandioca ou macaxeira) no Vale do Tamlang, compreendendo as vilas de Santa Catalina/Siaton/Valencia/Pamplona, na região de Negros Oriental.

Além disto, desenvolverá ações armadas contra a 302ª Brigada, que tem protegido e mesmo conspirado com a TVADC para forçar os camponeses a plantarem aipim, em vez de manter suas culturas tradicionais de arroz e milho. 

O porta-voz do NPA revelou que a organização mercenária AFP já não disfarça suas atividades em favor do agronegócio e da família Tevês no sudeste de Negros, disto resultando sérias violações de direitos humanos, inclusive o sequestro dos camponeses Flaviano Arante e Reynold Yanoc, do distrito de Talak, em Santa Catalina.

Pantaleon ressaltou que o NPA não se perturbou com as operações de bombardeio psicológico levadas a efeito pela 302ª Brigada nas montanhas de Santa Catalina, com fogo de artilharia, um avião Tora-Tora e dois helicópteros. O fogo, que durou oito horas, de nada valeu. O Novo Exército do Povo, lançando mão de táticas de guerrilha, revidou todos os ataques da AFP.

Segundo Pantaleon, desde maio o Novo Exército do Povo travou dez batalhas contra a 302ª Brigada, causando-lhe incontáveis baixas, mas nada é informado pelo monopólio dos meios de comunicação. Esclareceu que as baixas do NPA nesses seis meses resumiram-se aos soldados Federico "Ka3 Val" Villalongha, Rachelle Mae "Ka Hannah" Palang e Jerry "Ka Regan" Cabungcag, que tombaram em 18 de setembro em Negros Oriental.

Desde o mês passado, o Comando do Novo Exército do Povo empreendeu duas ofensivas táticas contra a 79ª IB. Em 25 de setembro, surpreenderam às 8h20 da manhã uma patrulha na localidade de Bagacav, distrito de Milagrosa, em Santa Catalina. Num tiroteio de seis minutos, tombaram o tenente Romualdo Rubi e o sargento Maximo Acabal, enquanto o Novo Exército do Povo escapava inteiro, sem baixas.   

Em 5 de outubro, outra unidade do Novo Exército do Povo revidou um ataque às 4 da manhã em Buena Vista, Santa Catalina. Apenas dois soldados do NPA ficaram levemente feridos, enquanto do lado inimigo caíam mortos Stephen Ray Dohinog, John Cerbo e seu líder Nelson Locanilao, sendo ferido o cabo Arnold Montinola e dois outros soldados.

Evidencia-se, a cada momento, o apoio das famílias camponesas ao Comando do Novo Exército do Povo em Monte Talinis, que persegue três objetivos: o lançamento de ofensivas táticas armadas, a implementação de uma reforma agrária mínima e o fortalecimento do movimento de massas.


1. NPA do inglês (News Peoples Army) — Novo Exército do Povo, exército guerrilheiro dirigido pelo Partido Comunista das Filipinas que a 40 anos desenvolvem a guerra popular naquele país para derrubar o poder das classes compradoras e latifundiárias serviçais do imperialismo, principalmente ianque, e destruir o capitalismo burocrático para transformar a sociedade e o país, com a instauração do poder da Nova Democracia e construção do socialismo. [Nota da Redação]
2.Governo do Poder Popular estabelecido nas áreas liberadas pela Revolução de Nova Democracia, dirigido pelo Partido Comunista das Filipinas, pela Frente Nacional Democrática e pelo Novo Exército do Povo. Nessas áreas se processa a reforma agrária segundo os interesses dos camponeses pobres, além das transforações políticas e sociais segundo o programa da Revolução de Nova Democracia. [Nota da Redação]
3. Ka — abreviatura de Kasama (Camarada na língua nativa tamalog)

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja