Itaú e Unibanco, Luiz Inácio e Henrique Meirelles: A banca e seus funcionários

A- A A+

No dia 03 de novembro, as duas maiores famílias de banqueiros do Brasil fundiram seus negócios e foram para a frente das câmeras com o sorriso de quem acabava de casar suas próprias filhas. Naquela segunda-feira, os herdeiros Roberto Setúbal e Pedro Moreira Salles, paulista e carioca, que mantiveram segredo sobre o namoro durante 15 meses — um privilégio de quem controla muita, muita grana —, acertaram os termos do matrimônio, comunicaram a novidade ao padrinho Luiz Inácio pela manhã, e à tarde anunciaram a união do Itaú e do Unibanco.

Trata-se de mais uma prova, em meio à crise, da picaretagem que caracteriza os postulados do liberalismo econô mico. A tão celebrada concorrência afinal não traz as maravilhas anunciadas pelos vendedores da ilusão capitalista; ela resulta no exato contrário do que é prometido, como a novíssima "Itaú Unibanco Holding S/A".

A nota dos banqueiros sobre a fusão dizia o seguinte: "Trata-se de uma instituição financeira com a capacidade de competir no cenário internacional com os grandes bancos mundiais". Talvez a dobradinha dos herdeiros dos papais faça bonito no jogo da banca internacional, disputando novos endividados juro a juro com agiotas ingleses, ianques e espanhóis. Mas, por aqui, trata-se mesmo é de assanhamento do capital financeiro monopolista.

Um assanhamento que já vinha desde a aquisição do Banco Real pelo Santander, e que ainda deve se desdobrar na    resposta do Bradesco, que virá mais cedo ou mais tarde, provavelmente com o abocanhamento de um banco menor, para fazer frente à recém-criada e festejada "maior instituição financeira do hemisfério sul". É o monopólio do capital financeiro reforçando seu poder. Tudo com as bênçãos dos padrinhos Luiz Inácio e Guido Mantega.

Tudo isto vem sendo visto pelos oportunistas que administram o Brasil como "natural". No Brasil, aliás, Luiz Inácio vem fazendo com afinco o dever de casa passado pelos banqueiros e pelos gerenciadores profissionais de crises do capital. Apesar das negativas de que a economia brasileira seria afetada pela ruína internacional do crédito, a administração do PT já anunciou uma série de medidas que visam minimizar os impactos do colapso capitalista para a grande burguesia local.

Desde o dia 19 de setembro, quando leiloou 500 milhões de dólares entre as ouriçadas instituições financeiras nacionais, o Banco Central do Brasil — cuja presidência é cargo reservado aos homens de confiança do FMI e da banca internacional — vêm realizando operações de venda de dólares quase que diárias, a fim de amortizar os prejuízos tomados pelo patronato metido a esperto, que fez negócios apostando em um cenário futuro de dólar em baixa.

Como sempre, o dinheiro para pagar a conta das apostas furadas tanto dos patrões quanto dos especuladores vem dos cofres públicos. No caso, Luiz Inácio e Henrique Meirelles vêm torrando as reservas brasileiras para dar uma força aos empresários com os quais têm compromisso.

Sim, o compromisso com empresários, latifundiários e especuladores fica muito mais claro agora, com a crise, ainda que Lula tente convencer, do alto dos muitos palanques aos quais comparece, que seu compromisso é com o povo trabalhador. Tanto que, no dia 6 de outubro, o presidente da República editou medida provisória dando mais poderes ao Banco Central para que Henrique Meirelles atue como lhe der na telha durante a crise. Trocando em miúdos, Luiz Inácio deu carta branca a Meirelles para fazer o que for preciso para ajudar o capital financeiro agonizante.

Não satisfeito, Luiz Inácio ainda criou ferramentas oficiais de repasse de dinheiro público para latifundiários, empreiteiros e banqueiros. À exemplo do que se faz na Europa e no USA, chamou estes mecanismos de rapinagem institucionalizada de "linhas de crédito".

No início de novembro, Luiz Inácio e sua equipe de gerentes anunciaram mais um pacotão de respaldo ao patronato. Foram cinco medidas, entre as quais R$ 10 bilhões repassados à grande burguesia via BNDES, e outros R$ 9 bilhões via Banco do Brasil. Ainda ampliaram o prazo para as empresas pagarem tributos federais, o que garantiu aos patrões mais R$ 21 bilhões em caixa. Se o trabalhador não paga em dia a conta enviada pela empresa privatizada, tem a luz e a água cortada.

Seguindo o exemplo de Obama e Bush no USA, o ministro da Fazendo de Luiz Inácio, Guido Mantega, anunciou no dia 11 de novembro que o governo acabara de disponibilizar mais R$ 4 bilhões para as montadoras que operam no Brasil. É dinheiro público transformado pelo PT em capital para financiar a manutenção de taxas de lucros, sendo que estas empresas automotivas são as transnacionais que mais remetem dinheiro para suas matrizes no USA, na Europa e no Japão. Talvez por isso mesmo o estado de São Paulo, onde está instalada a maioria das fábricas de carros em nosso país, premiou a ameaça velada de demissão vinda do patronato do setor com mais R$ 4 bilhões, por intermédio do Banco Nossa Caixa.

A desculpa para financiar a grande burguesia em apuros é a mesma de sempre: garantir o emprego de milhares de trabalhadores.

Balela. Fosse este o caso, uma política pública garantidora de seguro desemprego sairia muito mais barato do que gastar bilhões salvando postos de trabalho que rendem salários de fome. Mas as massas não devem, e não podem se iludir nem com uma coisa, nem com outra. Não devem respaldar o socorro a seus patrões, e nem devem se contentar com eventuais medidas que perpetuam a submissão aos humores do capital. É tempo de se preparar a luta por emancipação frente a todo tipo de humilhação e amarras. E, diante do agravamento das pressões sobre a classe trabalhadora, derrotar o capital opressor é um imperativo inadiável.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja