Apaixonada por cultura popular

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/49/23b2.png

Déa Trancoso veio de uma família musical que fazia um sarau à sua maneira, em Almenara, onde nasceu, ao norte do Vale do Jequitinhonha. Quando todos se encontravam, um puxava uma seresta, outro um samba canção, um congo, e assim passavam momentos inesquecíveis, que ajudaram a formar a cantora e compositora que é hoje, sempre envolvida com pesquisas do universo da cultura popular, que resultam em belas canções.

— Meu pai é um violonista amador, que tocava grandes clássicos, fazendo a marcação com os pés. Meu avô materno era sanfoneiro, cantador de coco nordestino, acostumado a se apresentar nos circos que passavam pela cidade. Minha mãe não fica atrás quando o assunto é música, sendo uma cantora nata e de muito bom gosto. Foi caixa de banco durante muitos anos e seu apelido no trabalho era 'bem-te-vi', porque cantava o tempo todo, e o povo que frequentava a agência gostava. Hoje ela canta no coral da cidade de Almenara — fala.

— Estou falando do povo do Vale, que é o meu pessoal, mas creio que o brasileiro de uma forma geral é muito musical. Na verdade, o Brasil tem esse artigo de luxo que é a música brasileira, algo extremamente bem acabado, com grandes artistas — acrescenta.

Déa teve o privilégio de ser formada com o que há de melhor na história da música brasileira. Através de seu pai, que sempre teve e até hoje aprecia os seus 'vinis', conheceu toda a obra de Cartola, Noel Rosa, Nelson Cavaquinho e Pixinguinha. Já a sua mãe amava samba e tinha suas preferências por Clara Nunes e Elizeth Cardoso.

Na adolescência foi estudar em Montes Claros e se formou em jornalismo. Nunca estudou música, tudo que aprendeu foi através da audição.

— Também é um tipo de estudo. Fui aprendendo com os mestres que encontrei na vida, sendo meu pai o primeiro deles, que me ensinou a ouvir música de maneira que pudesse destacar cada instrumento que estava sendo tocado. Ele só tem até a terceira série primária, mas possui grande sensibilidade. Costumo dizer que minha aptidão vem dele — confessa.

— Também cheguei a pegar bons programas no rádio, como o do Adelzon Alves, que é um apaixonado por João Nogueira, e proporcionou que eu conhecesse toda a obra desse grande cantador de samba, que dizia que 'o samba a gente não canta, a gente diz', sensacional. Em minha obra há reflexo de todo esse meu passado e do sertão brasileiro, do Vale, com as manifestações culturais populares — continua.

Pesquisando as coisas do povo

http://www.anovademocracia.com.br/49/23b1.jpgDéa diz que a palavra sempre foi muito importante em sua vida, lendo muito, desde bem pequena, grandes clássicos da literatura. E esse seu hábito a influenciou a desvendar detalhes de cultura popular através de pesquisas que faz por conta própria.

— Gosto de entender as coisas do povo. Um determinado mestre canta algo em Bocaiúva e outro mestre lá em Pernambuco, que nunca viu aquele outro, canta a mesma coisa, tudo isso fora da mídia. E o que a cultura popular tem de mais bonito é a capacidade de passear pelos lugares e se modificar de acordo com cada um. Uma loa de congo que gravei no Tum-tum-tum o beija-flor, é cantada de um jeito no congado e de outro no maracatu. E vamos descobrindo os personagens fortes da cultura popular, e um deles é o pássaro, muito presente na fala do povo e em sua cantiga — conta.

— Esse universo me fascina, e indo atrás disso cheguei a um tipo de encantamento com o universo indígena, com sua cultura, a sociedade que eles montaram e o jeito que estiveram e ainda estão, mesmo capengamente depois de tudo que sofreram por parte daqueles que os quiseram 'civilizar' dentro dos seus padrões — acrescenta.

O Tum-tum-tum, primeiro disco solo de Déa, é fruto dessas suas pesquisas e recebeu quatro indicações para o Prêmio Tim em 2007. O disco foi gravado de forma independente e é vendido em seus shows e pela internet, através do sítio da Sons & Sons, e já está na terceira tiragem.

— A música de artistas que gravam de forma independente sempre encontra obstáculo, porque estão fora do "mercado", e dentro desse grupo estou eu que faço algo mais específico ainda, a música de pesquisa. Mas meu trabalho é prazeroso e luto para que possa sobreviver dele, tirar meu sustento, porque tenho um filho para criar e contas para pagar — fala.

— Estou com quarenta e cinco anos de idade e vinte e cinco de estrada, e já tenho um certo prestígio aqui em Minas, pelo tempo de trabalho e o selo Tum-tum-tum disco que criei, porque atualmente temos que batalhar cotidianamente espaços e shows para mostrar o nosso trabalho e para quem vive disso é como 'matar um touro por dia' — acrescenta .

— Mas tenho trabalhado muito no Brasil e exterior. Há pouco fiquei encantada com a maneira como fui tratada em um concerto na França, com tradução simultânea para uma platéia de franceses interessados em conhecer a nossa cultura. Em dezembro fui para o Chile a convite da fundação Violeta Parra para divulgar meu CD por lá. Também tenho feito shows pelo Brasil todo, participado de projetos de música daqui de Minas e estou planejando um novo disco— conclui Déa.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja