Pedro Quinteros Ayllón - Um professor consequente

Na quinta-feira, 16 de outubro de 2008, faleceu o professor Pedro Domingo Quinteros Ayllón, fundador da Frente Classista Magisterial — FCM e, consequentemente, fiel expoente da linha classista no Peru.

http://www.anovademocracia.com.br/49/21.jpgQuando assumiu a linha de classe no magistério, soube expressar firmemente a defesa dos interesses do magistério e do povo em dura luta de duas linhas contra o aprismo (política derivada do APRA), o reformismo e o revisionismo.

Esteve junto com o professor Germán Caro Rios1, entre os fundadores da FCM, em 1966, como "organização de Frente Única que agrupa os professores de ensino primário, secundário e universitário" ligada ao pensamento de Mariátegui e considerando como princípio do sindicalismo classista "a luta de classes". A FCM que se transformou no baluarte ideológico do magistério para a luta por suas reivindicações diante das tendências mutualistas e economicistas do aprismo, do reformismo e do revisionismo, que pretendiam desviá-las. Frente a essas tendências, a FCM introduziu como demanda magisterial a supressão da quota Mutualista Magisterial, o não pagamento da Derrama Magisterial, e do pagamento da mutualidade2 por conta do Estado sem reduzir o salário dos professores, etc.

Nos anos do belaundismo3 —em que a democracia fariséia inicial no país, com a cumplicidade do aprismo, do reformismo e do revisionismo dos sindicatos de então, quando se congelava os salários dos professores dispostos pela Lei 15215 (Estatuto e Escalão Magisterial), disse "(a FCM) nega a maquiavélica atitude anti-povo e anti-trabalhadora dos poderes do Estado patronal de congelar os salários do povo trabalhador... Não são as reivindicações de melhorias salariais e de trabalho as causas de que o país se dirija a bancarrota econômica. O custo de vida sobe ininterruptamente como consequência direta da alienação das riquezas nacionais aos monopólios estrangeiros. Pretender que o congelamento dos salários seja o antídoto contra o mal é o mesmo que pretender apagar um incêndio pondo gasolina no fogo".

Igualmente em 1970, antes da fundação do Sindicato Unitário dos Trabalhadores da Educação do Peru — SUTEP, e quando existiam várias centrais de professores e em meio a fortes contradições com as referidas tendências divisionistas, Pedro Quinteros, então seu Secretário de Imprensa e Propaganda com o professor Germán Caro Rios, no Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Ensino do Peru — SINTEP expôs que "o reformismo manifesta seu desprezo a milhares de professores culpando-os pela desintegração do sindicato e qualificando-os de "ignorantes do sindicalismo" com a pretensão de ocultar mais de 20 anos de violações sistemáticas do sindicalismo classista e sucessivas traições as greves de 1960, 1961, 1965 e 1967".

Pedro Quinteros se recusou a permanecer ali e junto com uma geração de professores que soube aglutinar na FCM, da qual foi fundador, afirmou que o enfrentamento da unidade magisterial diante destas traições e desintegração sindical só aconteceria através de um processo de reconstituição com base ideológica classista: "A Reconstituição, acordada pelas bases, significa a unidade ideológica das massas em torno do pensamento de José Carlos Mariátegui e os princípios universais do sindicalismo classista".

A construção de uma nova organização baseada no centralismo democrático e na rigorosa seleção de seus dirigentes, levando em conta sua fidelidade à causa, sua iniciativa, sua disciplina consciente e sua ligação com as massas.

Articulou também a centralização sindical, o 28 de outubro de 1971 junto com Luis Carrera Morales, René del Aguila, Ina Socorro e outros na eleição do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Décimo Setor, do distrito de San Martin de Porres, em Lima — na qual sai eleito Secretário de Imprensa.

Prevendo o oportunismo do Patria Roja cujo antecedente era o "comunismo vermelho", expressão pequeno burguesa no magistério, Quinteros esteve entre os que concordaram em asseverar que a afirmação de que os SUTEs são "uma experiência sem precedentes" é dizer que a história começa com eles e nada mais além deles. É negar a luta heróica de várias gerações de professores, é traficar com o sacrifício de inúmeros professores que foram subjugados, enquadrados e massacrados pela patronal, especialmente nos anos 30. A organização sindical do magistério nacional tem aproximadamente 40 anos de existência e tem em sua essência três etapas: a constituição (entre as décadas de 30 e 40), o fracionamento (entre as décadas de 40 e 70) e a etapa de reconstituição (fase atual). Sua fundação se deu em 1930.

Os atuais SUTEs significam retomar o caminho classista dos primeiros tempos em condições políticas especiais.

Pedro Quinteros soube se colocar além de seu tempo. E quando se tratava de lutar pelas reivindicações do povo, esteve entre os que assumiram também a reconstituição do Partido Comunista do Peru, ao qual dedicou muitos anos de sua vida, especialmente desde 17 de maio de 1980, quando se inicia a luta armada, fato que lhe custou 10 anos de prisão no Complexo Penal Miguel Castro Castro desde 1998 e pelo qual morreu doente no Hospital Hipólito Unanue de Lima, para onde foi transferido.

Quinteros foi condenado pelo Foro Privativo Militar à pena perpétua por traição a pátria com o Expediente nº 012-TP-98. Sentença que o próprio Estado Peruano diante a condenação mundial e as aberrações jurídicas existentes anulou em 21 de março de 2003, pela Sala Nacional do Terrorismo do Poder Judicial, conforme a sentença do Tribunal Constitucional reincidida no Expediente nº 010-2002-AI/TC que anulou todas as sentenças da ditadura Fujimori/Montesinos. Ainda assim, posteriormente foi condenado a 33 anos de prisão em 13 de junho de 2006 por militar no PCP, "que foi acusado como uma organização ilícita executora de ações armadas, assassinatos e atentados a locais públicos e privados, destinados a destruir o velho Estado Peruano mediante o terrorismo".

Pedro Quinteros soube desempenhar bem suas tarefas de sindicalista e de militante convicto e confesso do PCP até o dia de sua morte em 16 de outubro de 2008, foi um expoente da linha vermelha não capitulacionista nem acordista. Sofria maus-tratos desde o primeiro dia de sua prisão em 20 de abril de 1998, resultante de uma operação montada pela ditadura Fujimori/Montesinos junto com um punhado de delatores.

Dele diremos, o mesmo que afirmamos sobre o professor Germán Caro Ríos em nome da FCM:

— A vida do professor Pedro Quinteros foi de um servidor do povo. Sua adesão à ideologia do proletariado, à filosofia da luta revolucionária e ao pensamento de Mariátegui faz dele um comunista cujo nome e exemplo está gravado no Partido, na classe, no magistério e em todo povo peruano".


* Coordenador Nacional del Movimento Magisterial Germán Caro Ríos.

1. Germán Caro Ríos (1905-1971), foi um consequente lutador e renovador social, dirigiu o início da reconstituição da frente classista dos professores peruanos impulsionando a formação dos SUTEs no país, foi enérgico difusor da Escola do Trabalho e um perseverante e destacado militante e seguidor de Mariátegui.

2. Associação em que cada membro, mediante quota mensal, adquire o direito de deixar, por sua morte, um subsídio à família, ou de ser subsidiado, em caso de invalidez.

3. Refere-se aos anos em que Fernando Balaunde Terry foi presidente da República do Peru de 1963-1968 e de 1980-1985.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro