A Quarta Frota

Com certa frequência sectores progressistas chamam a atenção para o perigo que representa a reativação da quarta frota do USA, sobretudo após o anúncio das descobertas de enormes reservas de petróleo no Pré-Sal. É válido informar que a Quarta Frota foi criada na Segunda Guerra Mundial para proteger o território de USA ante a possibilidade de um ataque inimigo e que ao termo do conflito foi dissolvida. A volta desta unidade, ancorada em Miami e composta por porta-aviões, submarino nuclear, etc., uma formidável força de assalto, realmente coloca em xeque toda a América Latina e merece um contínuo alerta por parte dos povos da região.

Mas fatos recentes demonstram-nos que a maior ameaça não é pirotécnica. Vejamos dois exemplos:

1A Argentina perdeu todas suas reservas petrolíferas — algo inédito na história de um país, sem ter sido este resultado de uma guerra. No governo Menem, durante o ápice do chamado "neoli-beralismo", privatizou-se a YPF (Yacimientos Petrolíferos Fiscales) por um preço irrisório, baseado em laudos forjados. E assim um país que tinha conquistado o auto-abastecimento com tecnologia e capitais próprios agora depende da "boa vontade" da multinacional Repsol. (Vale dizer que esta empresa faz uma declaração jurada, sem fiscalização do Estado, dizendo quanto petróleo extraiu e, de acordo com esta, remunera à Nação). 

2As condições do México pioraram terrivelmente a partir da assinatura do tratado de ‘livre’ comércio com USA (NAFTA). Um bom exemplo é o plantio do milho, que é básico na alimentação de seu povo. Como o USA subsidia fortemente sua agricultura, foi impossível para os camponeses mexicanos continuar com sua atividade. Assim, milhares de agricultores se viram obrigados a emigrar para grandes cidades. A força de trabalho que já era barata perdeu totalmente seu valor. A jornada de oito horas, montando componentes para exportar para o USA, é insuficiente para a subsistência. O tecido social de um país destrói-se: emigrar de qualquer maneira para o USA, tráfico de drogas, violência e corrupção extrema, morte de centenas de mulheres na cidade de Juárez seguem impunes etc.

Devemos chamar a atenção que tudo isto acontece com a aprovação de "presidentes" e congressistas eleitos "democraticamente", sem objeções da justiça, com apoio e festa dos monopólios de imprensa. Todas medidas vendidas com promessas de um futuro melhor.

No Brasil não foi diferente na privatização da Vale do Rio Doce e na quotidiana sangria a que somos submetidos.

O Império não precisará disparar uma bala enquanto continuar contando com tamanha colaboração.

Neste sentido, a reativação da 4ª Frota é cumprimento a rigor da mãe de todas as estratégias do imperialismo ianque (particularmente relativas à AL), a "Doutrina Monroe" cuja decorrente "diplomacia do canhonaço" se expressa também como lembrança, poder dissuasório, ou melhor, intimidatório, a quem interessar possa, de sua máxima de "manda quem pode, obedece quem tem juízo".

Todavia, apesar dos governos de turno fantoches e títeres, sejam de direita ou de "esquerda", compostos por "intelectuais" ou "operários", tecnocratas ou populistas bravateiros, afinal todos capachos e subservientes, o povo tem o costume de lutar segundo sua máxima de lutar e fracassar, voltar a lutar e fracassar novamente, tornar a lutar até triunfar.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin