Pará - Revolta popular incendeia instituições do velho Estado

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/49/11b.jpg
Rebelião popular em Tailândia, Pará

Em apenas um ano, quatro revoltas populares explodiram no Pará. A força desorganizada das massas é a manifestação incontida de um ódio e opressão seculares impostos pelo velho Estado. O povo pobre do estado do Pará não suporta mais as velhas amarras da semifeudalidade e dá vazão à sua revolta. É a justa rebelião das massas retribuindo a violência da reação.

Tailândia, cidade em protesto

Em fevereiro de 2008, mais de 10 mil pessoas entre pequenos madeireiros, camponeses e população pobre do município de Tailândia — PA ocuparam as serrarias, incendiaram pneus e ameaçaram fazer o mesmo com os caminhões contratados pelo governo do estado para levar a madeira apreendida durante a "Operação Arco de Fogo" no Pará. Sob o pretexto de "combate aos desmatamentos na Amazônia", a Polícia Federal e IBAMA organizaram a operação que perseguiu e apreendeu ferramentas de pequenos madeireiros, o que provocou a grande revolta popular.

Durante o protesto, os manifestantes fecharam estradas, cercaram a prefeitura e enfrentaram as forças de repressão do velho Estado. A Força Nacional e a Polícia Militar mobilizaram mais de 600 soldados para reprimir os manifestantes. Os enfrentamentos entre a população e a polícia se estenderam por toda a cidade e se prolongaram durante dias.

Viseu: o povo põe a polícia para correr

Em 5 de agosto de 2008, o juiz e o promotor do município de Viseu, no nordeste do Pará, tiveram que fugir de helicóptero após um violento protesto popular, só assim escaparam da justiça do povo. A população, revoltada com o assassinato de um adolescente pela Polícia Militar, incendiou o fórum, invadiu a delegacia da cidade e libertou presos. Os policiais fugiram enquanto a delegacia ardia em chamas.

Paragominas, fogo na frota do IBAMA

Em 23 de novembro último, mais de 3 mil pessoas, a maioria camponeses, insurgiram contra o escritório do Instituto Brasileiro dos Recursos Naturais Renováveis — IBAMA de Paragominas — PA em protesto contra as ações abusivas e apreensões das cargas de carvão vegetal no Pará.

A população revoltada ateou fogo nos carros do IBAMA e recuperou cargas apreendidas.  O protesto prosseguiu pelas ruas da cidade. Os populares tomaram tratores e pás carregadeiras e investiram contra o hotel onde estavam hospedados fiscais responsáveis pelas apreensões.

Igarapé-miri, velho Estado em chamas

Após uma série de crimes não apurados e do assassinato do empresário Augusto Miranda no último 13 de dezembro, a população de Igarapé-miri — PA se levantou em uma grande onda de revolta. A população foi às ruas e incendiou o fórum. O protesto tomou conta das ruas da cidade.

Moto-taxistas e trabalhadores interditaram as ruas e fecharam pontes.  Após o sepultamento do empresário, centenas de pessoas foram as ruas e paralisaram a rodovia PA 151.

Grande efetivo policial foi mobilizado para reprimir os manifestantes, utilizando a costumeira brutalidade, e confrontos se reproduziram nas ruas da cidade, que por dois dias desafiou o poder do velho Estado.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja